Pentacórdio para Segunda-feira, 8 de Abril

por Rui Oliveira

 

 

 

   O início da semana irá ser politicamente turbulento mas culturalmente relativamente pacífico nas escolhas, por pouco abundantes.

 

schubert raquel-crusoe-blogspot   O destaque desta Segunda-feira, 8 de Abril deverá ir para mais uma actuação do Quarteto Casals no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, às 21h, onde prossegue na sua “missão” de interpretar a integralidade dos Quartetos para Cordas de Franz Schubert, cumprindo-se aqui a sua 5 ª sessão.00001503_0001

   Composto por Vera Martinez, violino, Abel Tomàs, violino, Jonathan Brown, viola e Arnau Tomàs, violoncelo, o Cuarteto Casals celebra o seu 15º aniversário ao longo da temporada 2012-2013, interpretando uma integral dos quarteto de cordas de Franz Schubert numa digressão que inclui Madrid, Florença, Londres, Lisboa e Schwarzenberg. Paralelamente, a Harmonia Mundi lançou já uma nova gravação que inclui o Quarteto em Sol maior, D. 887, a peça que conclui o programa deste dia (e que foi também o termo da produção do compositor…).

   Em Fevereiro de 2012, a convite do pianista Alfred Brendel, esteve presente na Fundação Gulbenkian para um workshop que incluiu a interpretação do Quarteto D. 810, “A Morte e a Donzela”.

 

leopold-kupelwieser_the-family-of-franz-peter-schubert-playing-games   Do programa da noite, diz adequadamente a folha de sala : «… No contexto da sua enorme produção, os Quartetos de Cordas ocuparam sempre um lugar especial. Desde cedo que a música de câmara fazia parte da (sua) vida (de Schubert), pois além de os seus instrumentos de eleição serem o violino e o piano, costumava tocar viola no quarteto de família, com os seus irmãos Ferdinand e Ignaz nos violinos e o seu pai no violoncelo. Este foi o agrupamento para o qual …escreveu, ainda criança, os seus primeiros quartetos e cordas. …420x380_portada_cd_schubert

… Os exemplos melhor acabados para esta formação surgiram quando Schubert tinha ao seu dispor as ferramentas composicionais que o levaram a erigir verdadeiros monumentos como o Quartettzatz (Quarteto para Cordas nº 12, D. 703), que inaugura esta fase, um único andamento escrito em 1820 com compassos plenos de intensidade dramática. Também o épico Quarteto para Cordas nº 15, D. 887, pertence a esta etapa, infelizmente coincidente com os últimos anos de vida de Schubert. Composto em 1826, num período de dez dias, foi o último dos seus quartetos…».  São eles que nessa noite se ouvirão :

 

         Quarteto para Cordas nº 12, D. 703, Quartettsatz

         Quarteto para Cordas nº 11, D. 353

         Quarteto para Cordas nº 15, D. 887

 

   Já em três Pentacórdios anteriores reproduzimos registos deste Quarteto, o último dos quais um breve excerto do Quarteto “A Truta” no 16º Festival Internacional de Música de Castelo Branco em Maio de 2010 audível aqui : http://youtu.be/dVwTII8vics   

   Damos agora a conhecer um vídeo promocional recente em que o Quarteto Casals aos 4 minutos toca o Allegro do Quarteto para Cordas nº 10 em Mi bemol maior D. 87 de Schubert na Fundação Juan March em 1 de Novembro de 2012 :

 

 

 

imgs_site_785x247_11_1362509111

   Na mesma Segunda-feira, 8 de Abril começa no São Luiz Teatro Municipal o InArteEncontros Internacionais de Inclusão pela Arte que durará até 13 de Abril e que integra diversas manifestações culturais.

(ver programa em http://www.teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=332)  ou em)

   Os encontros pretendem analisar e explorar novas estratégias de trabalho e interacção dos deficientes e outras comunidades fragilizadas para a cidadania através da promoção do contacto com as diversas formas de expressão artística. O seu principal objectivo é o de promover e divulgar as artes como forma de trabalho pedagógico, ocupacional e de integração social, sensibilizando profissionais que intervêm com pessoas com necessidades especiais e outras comunidades para a importância das artes como ferramenta de trabalho de combate à exclusão social.

   Com direcção artística de Ana Rita Barata e Pedro Sena Nunes, esta co-produção  Vo’Arte e São Luiz Teatro Municipal organiza no Jardim de Inverno um “Seminário Internacional com inscrição própria http://issuu.com/vo.arte/docs/inarte_encontros_programa__o_geral?MODE=WINDOW&VIEWMODE=SINGLEPAGE  e, a par, diversos concertos a partir de 9 de Abril e uma “Mostra de Vídeos” criados por, protagonizados ou sobre pessoas com deficiência e/ou outras comunidades, pretendendo-se assim afirmar o valor humano e artístico de obras criadas segundo premissas inclusivas.images

220px-TheHorseBoy_poster   A abertura será na Segunda, 8 de Abril, às 21h, no Jardim de Inverno, de entrada livre, em que será mostrado o filme premiado de Michel Orion Scott intitulado “The Horse Boy”, a história de uma família que não desistiu, e descobrindo a ligação do filho de 2 anos autista com cavalos, viaja até à Mongólia, único país no mundo onde a cura para o autismo envolve o contacto com estes animais.

   Baseia-se numa história real descrita no livro de Rupert Isaacson que relata a sua experiência como pai em The Horse Boy: A Father’s Quest to Heal His Son”.

   O seu trailer pode ver-se aqui :

 

 

 

42654

arton710   Ainda no cinema e curiosamente em tema afim, o Institut Français de Portugal, em mais uma sessão do seu ciclo “Grandes Prémios do Cinema Africano”, exibe na Segunda 8 de Abril, às 19h, mais um premiado com o “Etalon de Yennenga” na Fescapo 1985, o filme de Brahim Tsaki denominado “Histoire d’une rencontre” (Argélia, 1985), com Boumediene Belasri, Carine Mattys e Mohamed Arbouz nos papéis principais.

tsaki_811246-305b0c7   Saudado pelos críticos como uma bela expressão metafórica sobre as relações Norte-Sul, “A História de um Encontro” aborda a empatia que se desenvolve entre dois surdos-mudos, a filha dum engenheiro americano e um filho da terra onde se conheceram, perto duma exploração petrolífera algures no terceiro-mundo.

   O filme atende aos sentimentos que aproximam estas duas personagens e à relação emocionante que se estabelecerá apesar das suas condições de vida diametralmente opostas, com ela a viver no conforto e ele num meio social extremamente modesto.

 

                       imagesCAO3OQH5    historia_cinemateca02  

   Por último, ainda no campo cinematográfico, informa-se que a Cinemateca Portuguesa (Rua Barata Salgueiro, nº 39) organiza este mês, de 8 a 30 de Abril, um Ciclo de Cinema Polaco que revela trinta novos títulos recentemente entrados na colecção da Cinemateca graças ao mecenato da Jerónimo Martins, SGPS, S.A. , todos eles filmes da cinematografia polaca produzidos entre as décadas de trinta e oitenta. Dez deles são a obra que internacionalizou Krzystof Kieslowski  – DEKALOG / “DECÁLOGO” –, mas exceptuando esta série célebre de dez filmes, o que define o seu núcleo é o facto de se tratarem de raridades do cinema polaco (e em cópias novas!).

   Nota: O “Decálogo” começa a ser exibido na Terça 9, às 19h. Ver a programação em : http://www.cinemateca.pt/CinematecaSite/media/Documentos/polonia2.pdf  

 

   É exactamente na Segunda-feira, 8 de Abril, às 19h, na sala Dr. Félix Ribeiro, que numa iniciativa conjunta com a Embaixada da Polónia é apresentado “Never Forget to Lie” (Nunca te Esqueças de Mentir) (EUA , 2012), um filme de Marian Marzynski (na foto), legendado em português e com a presença do cineasta.NeverForgetToLieScreening_t250

   “Cada uma das histórias é como uma Tragédia Grega. Uma criança confrontada com o dilema de esquecer o pai e a mãe para sobreviver. Nestes retratos comoventes, Marzynski descreve as perdas que tem sofrido a geração mais nova de sobreviventes do Holocausto.”, diz do filme um seu colega realizador A. Marek Drazewski.FRONTLINE "Never Forget to Lie"

   E o crítico do “National Center for Jewish Film” acrescenta que : « em “Never Forget to Lie”, o mais recente filme autobiográfico de Marzynski  louvado pela crítica, o realizador explora, pela primeira vez, a sua infância em tempo de guerra e as experiências de outras crianças sobreviventes, salientando os seus sentimentos face à Polónia, a Igreja Católica e a ramificação de identidades forjadas em circunstâncias onde a sobrevivência partia da directiva “nunca te esqueças de mentir”…».

   Este é o seu filme-anúncio :

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sábado aqui)

 

 

 

 

2 Comments

Leave a Reply