CARTA ABERTA AOS MILITARES DE ABRIL – por José Brandão

Imagem1Passam 39 anos sobre o dia em que Portugal abalou o mundo.

Um grupo de homens fardados decidira passar à ação e pôr ponto final na prepotência dominante. Os portugueses acordavam da longa noite que ensombrava a sua vida e prontamente colocam-se do lado da revolta que chega ao Terreiro do Paço pela mão de um modesto capitão que vinha de Santarém.

O dia raiava com um brilho que reluzia nos olhos dos que nem queriam acreditar no que viam.

Homens e mulheres, novos e velhos e até pobres e ricos sentiam que iam ter um País novo. Portugal era restituído aos Portugueses e passar a ser respeitado pelas outras nações que nos olhavam de esguelha.

O tempo foi correndo. Passaram os anos.

Hoje, passadas quase quatro décadas, que podemos comemorar dessa data única?

As coisas não estão bem e grassa o descontentamento. É verdade! Eu sei… A começar pelos “libertadores” de 74, é unânime o desânimo e é com tristeza que assistem ao descaminho que salta aos olhos.

Afinal, não foi para isto que fizeram a revolta que culminou em Revolução, dizem muitos e com razão.

De que valeu a coragem daqueles que fizeram a Revolução do 25 de Abril de 1974 se o País está como está?

Nesta pequena Carta Aberta aos militares de Abril concedamos a estes Homens a única disposição que merecem do Povo português. Por muito mal que se esteja a viver neste País secular, Portugal não é o terror, a opressão e até a miséria do regime que derrubaram em 74. Em algumas coisas podemos até estar pior, mas chorar pelo regresso ao antigamente só é lógico por quem não o viveu ou quer ter a memória curta.

Mesmo com tudo o que de mau existe e está a existir, a ação que desenvolveram naquela data inesquecível valeu a pena e é com clareza que podem dizer sem rodeios: que voltavam a fazer o mesmo se a História fosse suscetível de repetição.

Lisboa, 23 de abril de 2013

José Brandão

Leave a Reply