Pentacórdio para Sábado, 4 de Maio

por Rui Oliveira

 

 

 

   Neste Sábado, 4 de Maio regressa ao Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian  pelas 19h a pianista georgiana Elisabeth Leonskaja  para prosseguir a sua homérica tarefa de tocar a Integral das Sonatas para Piano de Schubert V, a qual terminará (cremos) já neste Domingo. Caber-lhe-á, nesse dia, interpretar de :?????????????????

         Franz Schubert  Sonata em Mi maior, D. 157

              “           “          Sonata em Lá menor, D. 784

              “           “          Sonata em Lá maior, D. 959

 

   Nascida em Tbilisi em 1945 e residente em Viena há mais de 30 anos, a pianista – segundo o programa da Gulbenkian Música − «… anti-diva e grande dama do piano, pedagoga e derradeira representante da escola russa, … toca Schubert como quem respira. A sua abordagem do compositor austríaco, que toca regularmente nas salas de Viena, foi assim descrita pelo Independent: “Ela faz-nos perceber que, nesta música, imensamente exigente em termos técnicos, o piano é um meio e não um fim” E a própria Leonskaja acrescenta: “A linguagem é rica e varia de sonata para sonata … e o intérprete tem de ser capaz de uma grande flexibilidade e intensidade emocional …”».

   Já reproduzimos em Pentacórdios anteriores algumas das poucas interpretações suas existentes destas peças, bem como do seu mestre e tutor , o lendário Sviatoslav Richter (ver  

http://aviagemdosargonautas.net/2013/01/24/pentacordio-para-sabado-26-de-janeiro /

http://aviagemdosargonautas.net/2013/04/11/pentacordio-para-sabado-13-de-abril/ )

   Deixamos aqui, como testemunho da sua técnica, a interpretação do Prelúdio em Sol sustenido menor, op. 32 nº 12 Allegro de Sergei Rachmaninov :

 

 

 

 

   Entretanto no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, às 21h do mesmo Sábado, 4 de Maio, dá-se a estreia naquela sala duma artista já com uma carreira firmada, Rita Guerra, que para este espectáculo trará alguns convidados especiais, daí o concerto intitular-se “Rita Guerra & Amigos”.rita guerra

   Ao jornal Público, a intérprete de canções como “Secretamente”, “Castelos no ar” ou “Chegar a ti”, explica os convites feitos a três dos músicos ou conjuntos presentes.

   “Sou fã desde a primeira vez que os ouvi”, diz a cantora sobre os HMB, autores de soul e rythm &bBlues com inspiração nos grandes dos anos 60 e 70. O grupo Cais Sodré Funk Connection foi (por mim) chamado “depois de ter ouvido uma versão que fizeram do tema «Mãe negra»”. Quanto a Tatanka, dos Black Mamba, é descrito por Rita Guerra como “uma das figuras mais carismáticas da nova música portuguesa”.

   Se o leitor quiser conhecer “O melhor de Rita Guerra” num concerto acústico recente de gravação dum “DVD ao vivo”, clique aqui : http://youtu.be/GSaXrdca4Rs . Entretanto mostramos-lhe o clip oficial dum seu tema curto “Asas do Desejo” (2011) :

 

 

 

image001   Também o São Luiz Teatro Municipal volta a receber, neste Sábado 4 de Maio (e ainda no Domingo 5) o Festival da ESML (Escola Superior de Música de Lisboa), agora na sua 11ª edição, num programa que contará com a participação de algumas das principais formações da Escola −  como a Orquestra Sinfónica, a Orquestra de Sopros, a Orquestra de Jazz (combo), de Música de Câmara e o Coro Geral −, recitais organizados pelas Classes de Canto (lieder) e de Percussão e, ainda, com solistas e agrupamentos convidados.

   Todos os eventos são de entrada livre. [a consulta da programação completa pode ser feita em  http://www.teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=335 ]

 

   No 1º dia actuarão no Jardim de Inverno :

 

   − às 16h – o Duo de Percussão Sforzanduo [Tomás Moital e Miguel Filipe] tocando a “Suite Inglesa nº 2” de J.S.Bach ; “Urban Walk” de Paulo Bastos (* em estreia absoluta) ; “Duo de Marimbas” de “Le Livre des Claviers” de Philippe Manoury. [ver vídeo abaixo]

   − às 17h –  Coros da ESML (dir. Paulo Lourenço), nomeadamente o Coro Geral que cantará temas de Pedro Faria Gomes (1979), de Luís Lopes Cardoso (1972), de Eurico Carrapatoso (1962), de Margarida  Simas (1981) com a mezzo-soprano Ana Ferro e de Fernando C. Lapa (1950) e o Coro de Câmara que abordará excertos do “Novíssimo Cancioneiro” de Nuno Côrte- Real (1971), “4 Canciones” de Joly Braga Santos (1924-1988) e “Suite de Lorca” de Einojuhani Rautavaara (1928) com a soprano Rafaela Albuquerque, o tenor Pedro Matos e o baixo Rui Borras.

   − às 18h30 – Recital de Piano de Bernardo Marques que interpretará a Sonata op.57 de L.van Beethoven e a Sonata op. 58 de F. Chopin.

   − das 19h30 às 21h – Jam Session da Comunidade ESML (com alunos e professores de jazz)

 

Orquestra_de_Sopros_da_ESML

   No Palco Principal, às 21h30, Coros e Orquestra de Sopros ESML (regidos por estudantes do curso de Direcção) interpretarão D.Garcia de Joly Braga Santos; Five Folk Songs for Soprano and Band de Bernard Glimore; Four Maryland Songs de Jack Stamp.

   De novo no Jardim de Inverno, às 23h, actuam os Combos Jazz : Combo de Afonso Pais e Trio de Jorge Gonçalves.

 

   Mostramos-lhe, por curiosidade, um ensaio de percussão onde estão envolvidos Tomás Moital e Miguel Filipe (do Duo Sforzanduo) tocando Fascinating Rhythm de George Gershwin :

 

 

 

 universo deslumbrante 2

   Por último lembramos que é possível ver até 5 de Maio no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa, imagens de galáxias, nebulosas e enxames de estrelas, em grande formato e em alta definição, obtidas pelos telescópios do Observatório Europeu do Sul (ESO) no âmbito da celebração dos 50 anos desta instituição europeia para a investigação em astronomia. Estão incluidas na exposição “Universo Deslumbrante”, onde é possível observar “36 imagens e um vídeo produzido pelo ESO constituído por uma série de pequenos documentário sobre aspectos diferentes da vida naquele Observatório ”.universo deslumbrante

   Ao longo da sala escura, onde se destacam as cores vivas das fotografias do universo, é possível conhecer o ESO, a participação de Portugal neste observatório e também vislumbrar um pouco o que será o futuro da astronomia.

   Os novos conhecimentos prendem-se com questões de planetas em torno de outras estrelas e as atmosferas desses planetas, perceber se existem planetas em torno de outras estrelas que têm atmosferas semelhantes à Terra, perceber como nascem as estrelas e planetas de todo o universo, perceber como aparecem as primeiras galáxias do universo e as primeiras estrelas e ainda saber como é que o universo pode ser compreendido.universo deslumbrante 1

   Para o comissário da exposição, José Manuel Afonso, director do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL), “durante os próximos anos, com novos telescópios, será possível conhecer um pouquinho melhor como será esta estrutura do universo”, telescópios esses que estão previstos para 2020 e se apresentam muito maiores do que os existentes hoje, podendo observar o universo com uma objectiva de 39 metros de diâmetro.

    Estas celebrações do 50º aniversário do ESO incluiram um ciclo de conferências, do qual a última se realiza este Sábado 4 de Maio no Observatório Astronómico de Lisboa, às 21h30, sobre “Nas Entranhas Dos Maiores Telescópios do Mundo” por Alexandre Cabral (CAAUL/FCUL).  Segue-se um momento musical, “inspirado na astronomia”, e observações astronómicas nocturnas.

 

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Quinta aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply