REFLEXÕES SOBRE A MORTE DA ZONA EURO, SOBRE OS CAMINHOS SEGUIDOS NA EUROPA A CAMINHO DOS ANOS 1930

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

A VERDADEIRA LIÇÃO DA GRANDE DEPRESSÃO: A POLÍTICA ORÇAMENTAL É EFICAZ!

Novos  ataques ao New Deal de Roosevelt alimentados  pela velha – e desacreditada – ideologia

 

30 de Agosto de 2010

Marshall Auerback,  Roosevelt Institute Senior Fellow

http://www.rooseveltinstitute.org/new-roosevelt/real-lesson-great-depression-fiscal-policy-works

Parte I

Se o governo dos EUA ganhasse um dólar cada vez que alguém afirmasse ter aprendido as lições da Grande Depressão, nós provavelmente não teríamos um défice orçamental ou, pelo menos, tão grande. Normalmente, esses debates voltam-se sempre para a questão da política orçamental e se, de facto, o New Deal de Roosevelt teve ou não teve um papel perceptível na retoma da economia. Os economistas da corrente (da austeridade orçamental (“Austerians Fiscal”) têm feito muito mesmo para se desconsiderarem as conquistas económicas do New Deal, alguns até vão mesmo ao ponto de sugerir que as políticas orçamentais de FDR agravaram a crise.

Por um breve período, em 2008, os pontos de vista neo-liberais como os de Alan Greenspan  e de Robert Rubin foram postas de lado. Mas os revisionistas sobre FDR, aqueles que desaprovam as medidas de política orçamental de toda e qualquer natureza, estão agora a voltar. Agora eles estão a reclamar pelos velhos argumentos de que as despesas públicas “excessivas” geram os riscos de “crowding out”[1] sobre a despesa privada, o que torna impossível ao governo dos EUA enfrentar a recessão (porque tem andado a gastar muito dinheiro que deixa de ter ou que até pode não ter) e porque prejudica a capacidade do sector privado em efectuar a retoma por causa da muito grande interferência do governo sobre o “mercado livre”. Estas queixas são geralmente acompanhados por uma onda de retórica em que se condena as políticas de “negócios não-amigáveis” da actual administração, a que se juntam terríveis advertências sobre a problemática da crise da “solvência nacional”. Afinal, os defensores das políticas de austeridade a todo o custo, os austerianos, nada valem a não ser que podem ser considerados completamente previsíveis.

Foi a recaída de 1937 provocada pelo aumento de impostos e pelos sindicatos?

Nesse contexto, temos que dar algum crédito aos professores Thomas Cooley e Lee Ohanian, que têm tido uma abordagem mais romanceada da sua crítica ao New Deal. Em alguns aspectos, eles realmente validam o caso quanto à expansão da política orçamental (embora os dois autores não podem ver a questão desta forma). Cooley e Ohanian argumentam que[2]:

A economia não recaiu em 1937, porque os gastos do governo diminuíram. Os aumentos nos impostos, particularmente nas taxas de imposto sobre rendimentos de capital e a expansão dos sindicatos, foram provavelmente os responsáveis. Infelizmente, esses mesmos factores representam uma ameaça similar ainda hoje.

Os números sugerem que a despesa caiu, na verdade, em 1937 e 1938[3] e, ao contrário das afirmações de Cooley e Ohanian, esta diminuição da despesa pública teve um impacto muito nocivo sobre a actividade económica e sobre o emprego. Iremos falar sobre a questão orçamental actualmente, mas primeiro vamos falar da parvoíce sobre a ” sindicalização excessiva”. Um observador objectivo ao olhar para os EUA no século 21, dificilmente iria concluir que os sindicatos têm qualquer poder real na economia americana, hoje, da mesma forma que seria incapaz de pensar que temos um governo “socialista”, dedicada à promoção de uma vasta agenda da ala esquerda que ainda reforça mais o poder sindical. Obama não assumiu a reforma do Direito do Trabalho e os salários não aumentaram numa geração, na verdade, no ano passado, eles até caíram.

É verdade, o Presidente ocasionalmente apresentou uma retórica social-democrata, mas até agora, as políticas redistributivas têm beneficiado principalmente as instituições financeiras. Os benefícios da Segurança Social estão sob ameaça através de uma nova “comissão bipartidária” sobre os défices de longo prazo, as propostas sobre a saúde foram desventradas no projecto-lei sobre a “reforma dos cuidados de saúde”, e a importância dos sindicatos, fora do sector público têm estado a secar ao longo destes últimos 30 anos. As cláusulas de reajustamento sobre o custo de vida desapareceram em grande parte desde o início dos anos 80 (embora alguns benefícios públicos como a Segurança Social mantêm-se), o rendimento médio por hora mantém-se praticamente constante e eu não ficaria surpreendido em ver uma situação de deflação salarial antes de se atingir o pico da taxa de desemprego por estes tempos mais próximos. As famílias norte-americanas estão a pagar a dívida numa base líquida – mesmo a dívida dos cartões de crédito – e os credores continuam relutantes em concederem novos empréstimos. Assim, as probabilidades dades de uma espiral salários / preços a surgir na base ou como consequência o poder sindical excessivo parecem-nos decididamente muito pequenas – de facto, perto de zero.

Sobre a outra questão, sobre os impostos, eu realmente tenho algum grau de simpatia com os argumentos de Cooley e Ohanian, mas em grande parte porque, funcionalmente, um aumento de impostos funciona como uma política anti-cíclica que atenua o impacto da política orçamental expansionista.

Voltemos então às questões básicas. Sob um regime de moeda fiduciária, como temos nos EUA, quando o governo federal gasta, este credita electronicamente as contas dos bancos. A tributação funciona exactamente ao contrário. As contas bancárias privadas são debitadas (e as reservas privadas diminuem), as contas públicas são creditadas e as suas reservas aumentam. Tudo isso é realizado por apenas lançamentos contabilísticos mas a questão principal a assinalar é a de que os gastos criam novos activos financeiros líquidos enquanto os impostos os esgotam.

Assim, num certo sentido, Cooley e Ohanian têm razão. Os aumentos de impostos vão reduzir a procura agregada tal como acontece com as reduções nas despesas públicas. Em termos económicos, ambos servem para deprimir a actividade económica. Estamos de acordo com os autores: os aumentos de impostos, neste momento são uma ideia idiota. Eles não servem para “reduzir” o défice, pois o impacto resultante sobre a actividade do sector privado é susceptível de a diminuir e, assim, aumenta a diferença entre os gastos do governo e as receitas tanto quanto a economia desacelera.

A questão mais ampla dos gastos do governo versus os cortes de impostos é um argumento político sobre a distribuição do rendimento e os economistas (e outros) podem legitimamente argumentar sobre os efeitos multiplicadores respectivos de um relativamente ao outro. Mas pelo menos esse tipo de discussão desloca o debate na direcção certa, para o aumento da actividade económica e, consequentemente, para o crescimento do emprego e bem longe pois das discussões sobre se devemos colocar à cabeça e como prioridade as politicas de austeridade orçamental e de redução do défice como um objectivo primário da política governamental. FDR teve problemas apenas quando ele se afastou da política orçamental expansionista para a política de austeridade em 1937.

No início da Grande Depressão, a produção de bens e serviços entrou em colapso profundo e o desemprego aumentou para 25 por cento. Influenciados pelo seu, secretário de Estado do Tesouro, Andrew Mellon, um verdadeiro liquidacionista, o então presidente Hoover fez tentativas comparativamente tentativas mínimas para implantar a política orçamental do governo para estimular a procura agregada. Além disso, o Federal Reserve, na realidade, vendeu títulos para forçar à subida das taxas de juros num esforço sem qualquer sentido para conter as saídas de ouro que se faziam porque o resto do mundo tinha perdido a confiança na economia dos EUA. Isto era demasiado para os dias dourados do padrão-ouro!

(continua)

______

[1] Nota de Tradutor. A expressão “ crowding out” que à letra se traduz por evicção pode aqui ser entendida como contra tendência ou eliminação. Os defensores da existência deste efeito consideram que uma ida do Estado aos mercados, pela política orçamental expansionista fará expandir a procura de capitais pela parte do Estado e consequentemente fará subir a taxa de juro. Com esta subida descerá então o investimento privado, eliminado pelo investimento público, e esta descida é pois a contra tendência referida.

[2] Thomas F. Cooley e Lee E. Ohanian, “FDR and the Lessons of the Depression: Higher taxes on capital and increased union power led to the 1937 economic slide”, The Wall Street Journal, 27 de Agosto, 2010.

http://online.wsj.com/article/SB10001424052748703461504575443402028756986.html

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: