Posts Tagged: política orçamental

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte II

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

De um modo geral, a Alemanha não tentou proteger o mercado interno contra a concorrência estrangeira, o que teve como consequência que os bens de consumo sensíveis aos preços, como calçado, têxteis, vestuário e até mesmo câmaras e outras ferragens de baixo preço, deixaram de ser fornecidos pelos produtores alemães. E, ao contrário da França e da Itália, os carros japoneses de baixo preço eram comuns nas estradas alemãs já na década de 1960 (Katzenstein 1989, 143).

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte II

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

De um modo geral, a Alemanha não tentou proteger o mercado interno contra a concorrência estrangeira, o que teve como consequência que os bens de consumo sensíveis aos preços, como calçado, têxteis, vestuário e até mesmo câmaras e outras ferragens de baixo preço, deixaram de ser fornecidos pelos produtores alemães. E, ao contrário da França e da Itália, os carros japoneses de baixo preço eram comuns nas estradas alemãs já na década de 1960 (Katzenstein 1989, 143).

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte I

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

O fim do regime de Bretton Woods e a queda da Cortina de Ferro aprofundaram a orientação à exportação do modelo da economia alemã. No entanto, só após a entrada na União Monetária é que o aumento das exportações se transformou num persistente saldo entre as exportações e as importações, que se tornou um problema para as outras economias da zona euro. Este texto de discussão mostra porque é que o atual regime assimétrico do euro não será capaz de impor a sua transformação estrutural com base no modelo alemão.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte I

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

O fim do regime de Bretton Woods e a queda da Cortina de Ferro aprofundaram a orientação à exportação do modelo da economia alemã. No entanto, só após a entrada na União Monetária é que o aumento das exportações se transformou num persistente saldo entre as exportações e as importações, que se tornou um problema para as outras economias da zona euro. Este texto de discussão mostra porque é que o atual regime assimétrico do euro não será capaz de impor a sua transformação estrutural com base no modelo alemão.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte VI

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O erro de Merkel, diz um dos principais políticos alemães, foi o seu foco constante numa solução europeia comum para a questão dos refugiados, porque já tinha ficado claro, muito antes da decisão da Hungria, que os seus homólogos europeus não estavam interessados em se associarem nesta crise dos refugiados.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte VI

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O erro de Merkel, diz um dos principais políticos alemães, foi o seu foco constante numa solução europeia comum para a questão dos refugiados, porque já tinha ficado claro, muito antes da decisão da Hungria, que os seus homólogos europeus não estavam interessados em se associarem nesta crise dos refugiados.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte V

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

É a primeira reunião da força de intervenção da crise. A contagem do dia anterior: 6.780 refugiados chegaram à Estação Central de Munique só no sábado. Todos precisam de exames médicos; alguns até têm ferimentos de bala. Vários refugiados, no entanto, estão simplesmente a entrarem para  a clandestinidade tentando seguir o  seu caminho por conta própria. Deixou de haver um registo ordenado dos refugiados. Ninguém sabe quantos chegarão hoje. A Polícia Federal não está a  fornecer números fiáveis e nenhuma informação está a   ser dada pelo governo federal. “Um alto funcionário da cidade pergunta ao grupo: “Berlim existe mesmo?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte V

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

É a primeira reunião da força de intervenção da crise. A contagem do dia anterior: 6.780 refugiados chegaram à Estação Central de Munique só no sábado. Todos precisam de exames médicos; alguns até têm ferimentos de bala. Vários refugiados, no entanto, estão simplesmente a entrarem para  a clandestinidade tentando seguir o  seu caminho por conta própria. Deixou de haver um registo ordenado dos refugiados. Ninguém sabe quantos chegarão hoje. A Polícia Federal não está a  fornecer números fiáveis e nenhuma informação está a   ser dada pelo governo federal. “Um alto funcionário da cidade pergunta ao grupo: “Berlim existe mesmo?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte IV

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A declaração conjunta dos três Ministros dos Negócios Estrangeiros está concluída. Merkel e Faymann já decidiram que a chanceleria austríaca deveria ser a primeira a anunciar a notícia devido à sua maior proximidade com a situação. A mensagem também deve ser enviada via Facebook para que aqueles que marcham ao longo da rodovia também possam lê-la. Também isso foi discutido.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte IV

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A declaração conjunta dos três Ministros dos Negócios Estrangeiros está concluída. Merkel e Faymann já decidiram que a chanceleria austríaca deveria ser a primeira a anunciar a notícia devido à sua maior proximidade com a situação. A mensagem também deve ser enviada via Facebook para que aqueles que marcham ao longo da rodovia também possam lê-la. Também isso foi discutido.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte III

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

Depois de quase 32 quilômetros a pé, o clima está a azedar entre os refugiados que ainda estão a caminhar pela estrada. Mulheres e crianças não podem continuar e está a ficar frio e escuro. Depois começa a chover. Há discussões e alguns começam a protestar, dizendo que pelo menos estava seco na estação de comboio. Os blogueiros húngaros que acompanham a marcha lançam um apelo para que as pessoas ofereçam colchões de campismo, sacos de dormir e cremes para músculos doloridos. Mohammad Zatareih começa a procurar um lugar para acampar na berma da estrada que seria difícil para a polícia cercar. A Cruz Vermelha está a fornecer mantimentos e há muitos voluntários a ajudar A situação é precária, mas não é nada catastrófica.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte III

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

Depois de quase 32 quilômetros a pé, o clima está a azedar entre os refugiados que ainda estão a caminhar pela estrada. Mulheres e crianças não podem continuar e está a ficar frio e escuro. Depois começa a chover. Há discussões e alguns começam a protestar, dizendo que pelo menos estava seco na estação de comboio. Os blogueiros húngaros que acompanham a marcha lançam um apelo para que as pessoas ofereçam colchões de campismo, sacos de dormir e cremes para músculos doloridos. Mohammad Zatareih começa a procurar um lugar para acampar na berma da estrada que seria difícil para a polícia cercar. A Cruz Vermelha está a fornecer mantimentos e há muitos voluntários a ajudar A situação é precária, mas não é nada catastrófica.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte II

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A legislação em vigor estabelece que todos os requerentes de asilo devem ser registados, alojados e protegidos no Estado-Membro da UE onde entram pela primeira vez no território da União Europeia. No entanto, a Alemanha está situada no centro da Europa, rodeada de todos os lados por Estados-Membros da UE. Isso significa que é impossível que os refugiados cheguem à Alemanha sem antes terem passado por outro país membro da UE, a menos que caiam do céu.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte II

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A legislação em vigor estabelece que todos os requerentes de asilo devem ser registados, alojados e protegidos no Estado-Membro da UE onde entram pela primeira vez no território da União Europeia. No entanto, a Alemanha está situada no centro da Europa, rodeada de todos os lados por Estados-Membros da UE. Isso significa que é impossível que os refugiados cheguem à Alemanha sem antes terem passado por outro país membro da UE, a menos que caiam do céu.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte I

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O que aconteceu no dia 4 de setembro de 2015? Que intenções, fracassos e mal-entendidos levaram a uma situação em que centenas de milhares de refugiados chegaram à Alemanha?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte I

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O que aconteceu no dia 4 de setembro de 2015? Que intenções, fracassos e mal-entendidos levaram a uma situação em que centenas de milhares de refugiados chegaram à Alemanha?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 6º Texto – Alemanha. Reformas e debates do após-Hartz IV: para uma mudança de lógica

(Odile CHAGNY, 18 de Novembro de 2018)

Desde meados da década de 2000 e da rutura  da Agenda 2010, as políticas na Alemanha em matéria de reformas do mercado de trabalho, de cuidados aos desempregados e às pessoas necessitadas, rendimentos mínimos garantidos (o emblemático subsídio “Hartz IV”) têm sido invocadas muito regularmente, para comentar e avaliar os seus efeitos no desempenho do mercado de trabalho e na capacidade de reintegrar pessoas que estão permanentemente desempregadas através de uma combinação de direitos e obrigações ou, mais recentemente, sobre o impacto dos cuidados prestados aos migrantes e refugiados nos mecanismos de solidariedade.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 6º Texto – Alemanha. Reformas e debates do após-Hartz IV: para uma mudança de lógica

(Odile CHAGNY, 18 de Novembro de 2018)

Desde meados da década de 2000 e da rutura  da Agenda 2010, as políticas na Alemanha em matéria de reformas do mercado de trabalho, de cuidados aos desempregados e às pessoas necessitadas, rendimentos mínimos garantidos (o emblemático subsídio “Hartz IV”) têm sido invocadas muito regularmente, para comentar e avaliar os seus efeitos no desempenho do mercado de trabalho e na capacidade de reintegrar pessoas que estão permanentemente desempregadas através de uma combinação de direitos e obrigações ou, mais recentemente, sobre o impacto dos cuidados prestados aos migrantes e refugiados nos mecanismos de solidariedade.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 5º Texto – A esquerda alemã e os desafios levantadas pelas migrações

(Peter Whal, 9 de Fevereiro de 2019)

Desde que a Chanceler alemã suspendeu o Acordo de Dublin em Setembro de 2015, permitindo a entrada de um milhão e meio de refugiados no país durante os dezoito meses seguintes, a questão da migração desempenhou um papel espetacular na política alemã.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 5º Texto – A esquerda alemã e os desafios levantadas pelas migrações

(Peter Whal, 9 de Fevereiro de 2019)

Desde que a Chanceler alemã suspendeu o Acordo de Dublin em Setembro de 2015, permitindo a entrada de um milhão e meio de refugiados no país durante os dezoito meses seguintes, a questão da migração desempenhou um papel espetacular na política alemã.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 4º Texto – A Alemanha – Estratégia de crescimento alemã a perder força – expõe falhas profundas na arquitetura europeia

(Bill Mitchell, 19 de Fevereiro de 2019)

Como é que se sustenta o crescimento económico quando o crescimento da produtividade do trabalho ultrapassa o crescimento do salário real, especialmente quando os governos estavam a tentar reduzir os seus défices e, consequentemente, a sua contribuição para a despesa total nas suas economias? Como é que a economia recicla a crescente participação nos lucros para ultrapassar a capacidade decrescente dos trabalhadores para consumir?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 4º Texto – A Alemanha – Estratégia de crescimento alemã a perder força – expõe falhas profundas na arquitetura europeia

(Bill Mitchell, 19 de Fevereiro de 2019)

Como é que se sustenta o crescimento económico quando o crescimento da produtividade do trabalho ultrapassa o crescimento do salário real, especialmente quando os governos estavam a tentar reduzir os seus défices e, consequentemente, a sua contribuição para a despesa total nas suas economias? Como é que a economia recicla a crescente participação nos lucros para ultrapassar a capacidade decrescente dos trabalhadores para consumir?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 3º Texto – A Alemanha – Os excedentes comerciais alemães demonstram o fracasso da zona euro

(Bill Mitchell , 24 de Abril de 2017)

Para resolver este problema (que é um enorme desequilíbrio entre poupança interna e investimento), a Alemanha necessita de uma maior procura interna e de um crescimento mais rápido dos seus salários, tanto para melhorar o desempenho muito modesto do consumo como para atrair investimentos para o mercado interno.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 3º Texto – A Alemanha – Os excedentes comerciais alemães demonstram o fracasso da zona euro

(Bill Mitchell , 24 de Abril de 2017)

Para resolver este problema (que é um enorme desequilíbrio entre poupança interna e investimento), a Alemanha necessita de uma maior procura interna e de um crescimento mais rápido dos seus salários, tanto para melhorar o desempenho muito modesto do consumo como para atrair investimentos para o mercado interno.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – A Alemanha – O que é que se passa com a Alemanha?

(Nick Kounis, 5 de Abril de 2019)

As autoridades alemãs poderiam fazer mais para incentivar uma transição para a procura interna, o que seria bom para a Alemanha e para a zona euro. O ponto de partida mais óbvio seria o reforço do estímulo orçamental. Na verdade, até mesmo o BCE começou a insinuar isso.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – A Alemanha – O que é que se passa com a Alemanha?

(Nick Kounis, 5 de Abril de 2019)

As autoridades alemãs poderiam fazer mais para incentivar uma transição para a procura interna, o que seria bom para a Alemanha e para a zona euro. O ponto de partida mais óbvio seria o reforço do estímulo orçamental. Na verdade, até mesmo o BCE começou a insinuar isso.

A CRISE AUSTERITÁRIA E A QUADRATURA DO CÍRCULO – REFLEXÕES SOBRE A CRISE DA ECONOMIA, DO PENSAMENTO ECONÓMICO E DA DEMOCRACIA – TEXTOS DE REFERÊNCIA PARA ENTENDER A REALIDADE PRESENTE – B) BILL MITCHELL. 4. ALGUMAS QUESTÕES SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA – PARTE 3 C

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota A sustentabilidade da dívida – Parte 3 Bill Mitchell, Fiscal sustainability 101 – Part 3c Modern Money Mechanics, 6 de Dezembro de 2010   Compreendendo as razões de ser da tributação Num sistema assente

A CRISE AUSTERITÁRIA E A QUADRATURA DO CÍRCULO – REFLEXÕES SOBRE A CRISE DA ECONOMIA, DO PENSAMENTO ECONÓMICO E DA DEMOCRACIA – TEXTOS DE REFERÊNCIA PARA ENTENDER A REALIDADE PRESENTE – B) BILL MITCHELL. 4. ALGUMAS QUESTÕES SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA – PARTE 3 C

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota A sustentabilidade da dívida – Parte 3 Bill Mitchell, Fiscal sustainability 101 – Part 3c Modern Money Mechanics, 6 de Dezembro de 2010   Compreendendo as razões de ser da tributação Num sistema assente

A CRISE AUSTERITÁRIA E A QUADRATURA DO CÍRCULO – REFLEXÕES SOBRE A CRISE DA ECONOMIA, DO PENSAMENTO ECONÓMICO E DA DEMOCRACIA – TEXTOS DE REFERÊNCIA PARA ENTENDER A REALIDADE PRESENTE – B) BILL MITCHELL. 4. ALGUMAS QUESTÕES SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA – PARTE 3 B

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota A sustentabilidade da dívida – Parte 3 Bill Mitchell, Fiscal sustainability 101 – Part 3b Modern Money Mechanics, 29 de Novembro de 2010 Compreender o ambiente monetário Qualquer noção de sustentabilidade fiscal tem de

A CRISE AUSTERITÁRIA E A QUADRATURA DO CÍRCULO – REFLEXÕES SOBRE A CRISE DA ECONOMIA, DO PENSAMENTO ECONÓMICO E DA DEMOCRACIA – TEXTOS DE REFERÊNCIA PARA ENTENDER A REALIDADE PRESENTE – B) BILL MITCHELL. 4. ALGUMAS QUESTÕES SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA – PARTE 3 B

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota A sustentabilidade da dívida – Parte 3 Bill Mitchell, Fiscal sustainability 101 – Part 3b Modern Money Mechanics, 29 de Novembro de 2010 Compreender o ambiente monetário Qualquer noção de sustentabilidade fiscal tem de