HISTÓRIAS DA MARIA-DOS-OLHOS-GRANDES E DO ZÉ PIMPÃO por Clara Castilho

Imagem1

Aqui falaremos de feiras do livro – em que outro local o faríamos?

A Feira do Livro Infantil de Bolonha é a mais famosa do mundo no segmento editorial

Alguém se lembra deste livrinho?

MariaOGrZePimpao

Pois foi censurado no tempo da ditadura! O que não quer dizer que não continue actual. É de Canuto Jorge Glória, não se percebe se as ilustrações também são de sua autoria, nem quem é a editora.

Vejamos: conta a história da amizade de dois meninos. A Maria-dos-olhos-grandes e Zé Pimpão. A Maria vive do lado do mundo mais bonito, com jardim, flores e prédios altos. O Zé Pimpão vive no lado triste das barracas, da lama e onde os brinquedos são pedras. Quando Maria conhece o lado do Zé fica triste com o descobre, que nem imaginava…E sonha com um só lado do mundo em que todos sejam iguais.

maria dos olhos tristes

 

Ando mesmo muito nostálgica! Exponho-me à análise… Este livro em que o “bom” e o “mau” estão linearmente divididos, e onde a amizade consegue ultrapassar barreiras, não nos convence a nós adultos. Mas podia muito bem ser a história de uma criança que assim vê o mundo, dividido entre o que gosta ou não, entre o belo e o feio, e em que no fim “viveram felizes para sempre”. Na esperança que o desejo tenha força suficiente para vencer outras barreiras.

E deve haver professores tão nostálgicos como eu, pois encontrei na internet várias experiências com alunos, feitas a partir desta história. Arranjem um pouquinho de tempo, façam uma pausa e divirtam-se com a ingenuidade. E fiquem com a esperança…


9 Comments

  1. Fiquei espantado e lisonjeado pelos comentários ao meu livro. É bom ser lembrado sobretudo depois do nascimento conturbado deste livro numa editora pouco séria – a ITAU – que não pagou os direitos contratuais e… pior, perdeu os originais ou deixou-os abandonados numa tipografia credora que não conheço. Às vezes me pergunto se tomei a melhor decisão exigindo uma edição modesta que não custasse mais de dez escudos para ser muito acessível. Tinha a promessa do editor de fazer mais tarde uma edição mais cuidada e enriquecida assim como a publicação de outras Histórias da Maria-dos-olhos-grandes. O livrinho foi também ilustrado por mim com a ajuda do meu filho Ricardo Gloria que tinha seis anos…

    1. Boa Tarde,
      Onde posso comprar o seu livro? Nem os alfarrabistas me conseguem arranjar. Foi um livro que me marcou no meu tempo de escola e gostava de o poder Dramatizar. Obrighado

  2. Ora bem, é o que se chama chegar ao ponto certo! Não imaginei que lesse e que me respondesse. Gosto de falar do que vai saindo, mas também dos livros que no passado foram importantes, escritos em situações bem mais difíceis. Representaram formas de resistência tão válidas como outras. O poder da palavra é grande…
    E, agora que me diz que teve a colaboração do seu filho, ainda fico mais agradada. Esta história é datada mas as outras? Desistiu completamente? E continuou a “produzir” com o Ricardo? Esperamos em breve voltar a ver coisas vossas.

  3. Estou com a idade dos idosos, mas nunca esqueci “Maria -dos olhos-grandes…”que comprei por 10 escudos, em fevereiro de 1972, enquanto prof. de Português do então Ciclo Preparatório, na experiência de Veiga Simão, em que entraram 19 escolas a quem foi dada a liberdade(!) de escolher os textos que trabalhavam nas aulas. Em momento de férias, reuniam-se por alguns dias na Esc. Marquesa de Alorna onde davam conta dos respetivos trabalhos, trocavam opiniões, acertavam ideias,
    e , claro, ouviam umas recomendaçõezitas veladas para que não se “esticassem” por via das dúvidas. Hoje, o livro veio-me à mão por via das arrumações e…lembrei-me de que há uma Net. Valeu a pena. Posso finalmente falar com Canuto Jorge Glória para o felicitar e dizer-lhe os dois heróis da estória estarão tristíssimos tal como eu, porque, tantos anos depois, nem o perfume das flores é distribuido por todos, malgré tout
    Que é feito do Autor do texto e do Autor das ilustrações?
    É certo que a editora não deu ânimo para continuarem…

Leave a Reply to Maria Conceição Quintas Cancel reply