VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – AVALIAR O RISCO PARA SALVAR VIDAS por clara castilho

9349741_b7nUl

Realizou-se no passado dia 2 de Julho, em Lisboa, a conferência “Risk assessment – saves lives”, onde foram apresentados os resultados da intervenção já realizada no âmbito do projecto E-MARIA (European manual for risk assessement), que teve o apoio financeiro da Comissão Europeia.

O projecto E-MARIA foi influenciado por instrumentos internacionais – EU Directive on Vitims Rights, de 2012; Stockholm Plano f Action, de 2010; Convenção para a Prevenção e Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica (CoE, 2011); Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de descriminação Congtra as Mulhers (CEDAW, NU, 1979), etc. Consideram que a violência doméstica e a violência nas relações de intimidade, enquanto violência de género, constituem uma prioridade a nível europeu e internacional. Nestas, a avaliação e gestão de risco são cruciais na intervenção.

e-maria (1)

 

Assim, pretende-se contribuir para a melhoria da intervenção nesta área, através do desenvolvimento de abordagens inovadoras e instrumentos para a avaliação de risco e que a segurança e protecção deve contribuir para o “recovery” das sobreviventes e (re)construção das suas vidas sem violência.

Este projecto “produziu” três produtos finais:

– Manual Europeu de Avaliação do Risco, que se encontra on line – http://e-maria.eu/?page_id=13

– Pacote de formação para profissionais

– Pacote de formação para mulheres sobreviventes de violência nas relações de intimidade.

Em Portugal, foi desenvolvido pela AMCV – Associação de Mulheres Contra a Violência, com 20 anos de existência. Em 2000 inaugurou a 1ª Casa Abrigo especializada na área da violência doméstica a nível nacional e, no ano seguinte, o centro de Atendimento especializado nesta área. Em 2009 criou o Grupo de mulheres Auto-representantes Sobreviventes de Violência Doméstica. Foi membro fundador da Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres, da Plataforma Não ao Abuso Sexual de Crianças –NASC (ambos em 2004), da Associação Portuguesa para a prevenção do Abuso e negligência de Crianças – APPANC , no ano seguinte e da APIS – Associação Plataforma Internet Segura (2010).

A Associação tem uma página onde se pode recolher mais informações: http://www.amcv.org.pt/

 

 

 

Leave a Reply