DOCENTES: COLONIZADORES OU REVOLUCIONÁRIOS? – por António Mão de Ferro

Imagem1

Perguntaram-me outro dia se os formadores e os professores devem ser colonizadores ou revolucionários?

Ainda antes de eu me ter pronunciado perguntaram mais o seguinte:

Como qualquer colonizador deverão formar gente para ser submissa, obediente, servil, zelar para que a pedagogia não se desvie da ideologia dominante, do esquema instituído?

Ou para assumir uma atitude crítica, para fomentar a consciência da contradição, da insubmissão, que tenha autonomia e participe na construção de outra maneira de conceber as coisas?

Será  mais importante a pedagogia do colonizador ou do revolucionário?

Pensamos que  a pedagogia é importante demais, para que se possa aprisionar .

Admite-se que a formação  da pessoa, possa  conseguir-se através da utilização de meios que o eduquem  ou que lhe permitam educar-se, construindo o participante, neste último caso, por si só a sua personalidade, não só através do apreendido na escola, mas também na família, na televisão e na internet e da sua interação com o ambiente que o rodeia.

Mas identificar o que rodeia o participante, tem o seu quê de problemático. Muitas vezes para que se tenha acesso àquilo que se convencionou que é o real, é necessário ir além das aparências, ir atrás das máscaras e das ilusões, sendo importante que ele tome consciência disso.

Assim as funções de quem ensina, não parecem coadunar-se  com o ser colonizador ou revolucionário, pois ele deve constituir-se como facilitador de um processo que permita ao indivíduo construir a sua própria personalidade.

Assim em vez de utilizarem “conhecimentos mastigados”, os formadores e professores   devem estimular o espírito de iniciativa, e proporcionar as condições que  encorajem os participantes a encontrar as suas respostas. Para  que tenham acesso à dignidade,  à capacidade de intervenção e de crítica e a não se resignarem com a ideia de estarem simplesmente no mundo.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         .

1 Comment

  1. Tanto uns como os outros impõem as suas ideias. E de facto, o importante é levar a pensar e estimular, e não só dar conhecimentos. Se assim for, cada um fará deles o que quiser mas já pela sua cabeça e não em carneirada ou em permanente agitação que em si, não contem reflexão.

Leave a Reply