SAÍDA DO EURO – A RESPOSTA DE JACQUES SAPIR – II

Formulação da pergunta e tradução da resposta por Júlio Marques Mota

” O VERDADEIRO TABU É QUE A ALEMANHA ESTÁ A BLOQUEAR TUDO “

 

Sair do euro? Sapir e Melenchon em debate

(continuação)

Entre os políticos de hoje, alguns são como a avestruz. Este é o caso de François Hollande – e deve-se contar o número de vezes em que Jean-Luc Mélenchon, durante o debate, o trata de capacho, de lambe-botas [à Madame Merkel]. Outros querem acreditar que o problema é conjuntural, como o deputado dos Verdes, Pascal Canfin, que acredita que uma vez que a Europa se volte para a esquerda, irá inverter a tendência. Outros, por fim, considerem que o problema é estrutural. Este é o caso dos nossos dois convidados. Mas quando Sapir afirma que ele não tem outra escolha, que não seja a de sair desta estrutura, Mélenchon quer fazê-lo desistir. Vejam, diz-nos ele, se eu aponto com um livro no bolso de Sapir e no outro bolso um livro de Jacques Genereux, o economista que inspira o partido da esquerda, eu conseguirei torcer o braço da Alemanha. Ou prender-lhe as mãos, sobre a mesa, como disse François Mitterrand.

Sim, o debate é denso, às vezes um pouco técnico, e muitos o disseram nas redes sociais. Mas o telespectador tem a informação no twitter, rede social ou nos fóruns. É ao mesmo tempo divertido, porque foi o tema da nossa discussão antes da emissão. Os nossos convidados chegaram ao mesmo tempo, com um quarto de hora de antecedência. Entre dois punhados de castanha de caju, eles dizem-nos que as questões de economia – ou científicas – sofrem sempre pelas simplificações. Mas é nosso trabalho de jornalistas, para simplificar, defende Daniel. Na verdade, nem sempre se conseguiu o exercício da pedagogia durante o debate. Confesso que cheguei mesmo a ter medo durante a primeira meia hora. Aproveitei a divulgação de um extracto da reportagem para dizer a Sapir: você sabe, a minha mãe está a assistir à emissão. Sapir opina, mas sei bem que ele fez o seu máximo. E, depois, o meu medo evapora-se com a discussão. Esta aquece, e é o que conta. Como num livro de filosofia: necessariamente não se compreende muitas vezes o que nós lemos, mas continua-se a ler, apesar de tudo, e uma vez que o livro é deixado sobre a mesa, nós sentimos que umas, duas, três ideias aparecem à frente dos nossos olhos. A questão da saída do euro não nos dá uma resposta mas milhares de perguntas, como bolhas a que nós assistimos no debate.

O debate entre Sapir e Melenchon vinha concluir uma série de artigos que começam aqui, com um texto introdutório e, em seguida, continua com a situação em Chipre que, de acordo com alguns economistas, antecipa um cenário de saída do euro. Então entra-se na parte dura do tema o com as consequências económicas do fim da moeda única e do retorno às moedas nacionais ou até mesmo a criação de uma moeda comum. Finalmente, nós concluímos sobre a análise do tratamento mediático dos partidários do retorno ao franco, onde vemos como François Lenglet, Michel Denisot ou Yann Barthès desqualificam de imediato os seus argumentos.

***

Os Gráficos de Sapir

sapirsaídadoeuro

 

sapirsaídadoeuro - II

sapirsaídadoeuro - III

 

Ver Parte I emhttp://aviagemdosargonautas.net/2013/07/30/saida-do-euro-a-resposta-de-jacques-sapir-i/?preview=true

 

1 Comment

Leave a Reply