SOB AS ESTRELAS DE VAN GOGH

poesiaamanhecer

Sempre sob a abóbada de estrelas cintilantes que Vincent Van Gogh, sem saber,  pintou para nós,  destacamos hoje a uma secção periódica que, pelas razões que aduzimos relativamente ao “Pentacórdio”, coordenado por Rui de Oliveira, soma globalmente muitas centenas, ou mesmo milhares de leituras. Referimo-nos à POESIA AO AMANHECER, rubrica de segunda a sexta-feira organizada por Manuel Simões e que já ultrapassou as 260 edições.

Com CAMÕES E AS REDONDILHAS “BABEL E SIÃO”: A POESIA DO EXÍLIO – Manuel Simões aingiu as 350 leituras. Com A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA. BREVE SÍNTESE – rondou as 220. Mas estes foram artigos publicados fora da secção. Imaginemos que cada post de POESIA AO AMANHECER tem “apenas” 20 leituras (e alguns têm mais) – são 5 200 leituras – percebem onde queremos chegar?

A nossa Argos têm âncoras, rubricas que agarram os visitantes e a POESIA AO AMANHECER é uma delas .

Prestamos homenagem ao trabalho do argonauta Manuel Simões que, nas manhãs de segunda a sexta-feira nos traz boa poesia.

Leave a Reply