A DESCOBERTA DO BRASIL – por Sílvio Castro

brasilargonautas

Neste espaço diariamente dedicado à edição do dia 7 de Setembro, publicamos hoje um poema de Sílvio Castro, o argonauta que irá coordenar essa edição.

                      DESCOBERTA DO BRASIL, por Sílvio Castro

 Imagem1

   

                   Percorro o longe do horizonte debruçado

                   sobre a proa de uma nau capitânea

                   que eu não governo, sendo só guiado

                   pelo ir de encontro à minha linha longe.

 

                   Piloto sem bússola, mas guiado sempre

                   pela minha linha lânguida e aquosa,

                   de surpresa entrevejo o navegar

                   de flores

                   sobre as ondas que prendem meu olhar.

 

                   As flores se acumulam, quase jardim, e

                  salteam pelas águas languorosas como guias

                   de um navegar certo direto ao porto

                   seguro que me espera e já me abraça.

 

                   Desço à terra e a reconheço toda minha

                   nesta rota de confirmação só de certezas

                   amáveis, descoberta mais que desco-

                   brimento, pois meu coração com ela pulsa.

 

                   Em festivo bailar, pergunto a Pero Vaz

                   que me responde vinte e dois de abril.

                   Mas de quando mil e quinhentos ou

                   dois mil e onze?

 

                                                        (Veneza, 22 de abril de 2011)

Leave a Reply