TELESUR-RT/mt-LP – CHILE – A LEI MONSANTO É UMA AMEAÇA ALIMENTAR PARA O CHILE.

image_preview
No próximo dia 17 de Agosto activistas chilenas protestarão contra a Lei Monsanto (Do arquivo)

Ativistas disseram que vão radicalizar protestos contra a Lei de Obtentores de Vegetais, que exige pagamento pelo uso de sementes geneticamente modificadas. A Conselheira Nacional do Índio, Claudia Pailef disse que a regra constitui uma ameaça no campo alimentar.

Grupos de ativistas chilenos afirmaram terça-feira que o Breeders Act Plant, vulgarmente conhecida como a  Lei Monsanto, que envolve o pagamento pelo uso de sementes GM ameaça a segurança alimentar no país.

A Conselheira Nacional do Índio, Claudia Pailef, exortou as comunidades rurais, especialmente públicas, para avaliar o desempenho de deputados e expressar a sua determinação através do voto.

Da mesma forma, os ativistas que movimentam a próxima plataforma de 17 de agosto Eu não quero OGM convocaram uma série de manifestações em várias cidades do país para protestar contra a legislação.

Enquanto isso, os legisladores dizem que há informações confusas sobre o assunto, especialmente em relação às sementes nativas.

A Lei Monsanto que prevê o pagamento como propriedade intelectual das sementes transgênicas deixados desprotegidos, segundo os ativistas, aos pequenos agricultores, pois as sementes patenteadas por grandes corporações e empresas privadas serão tributados a um preço em que aqueles não poderão exercer qualquer influência.

O diretor do Centro de Genômica Nutricional Agriaquaculture (CGNA), Haroldo Salvo-Garrido, argumenta que a lei não contempla o uso de transgênicos, mas estabelece um quadro de protecção em torno dos direitos de propriedade intelectual para a criação e produção de novas variedades .

Monsanto é uma das multinacionais que cobre o mercado de alimentos, utiliza uma série de sementes transgênicas nos suas cultivos e também abrange o mercado global de pesticidas.

Esta multinacional também tem sido criticada por limitar a variedade de sementes, e, portanto, as culturas que poderão chegar ao mercado.

A Monsanto esteve envolvida na criação da primeira bomba nuclear na Segunda Guerra Mundial e assegurou o funcionamento de uma usina nuclear na década de oitenta para o governo dos EUA.

Em 1944, a Monsanto arrancou com a criação do DDT, um pesticida que foi proibido na Hungria em 1968, na Noruega e na Suécia em 1970, EUA em 1972. Durante a Convenção de Estocolmo, em 2004, foi proibido por todo o lado, pois acumula-se no tecido adiposo e no leite e causa danos irreparáveis ​​para os rins e fígado.

teleSUR-RT/mt- LP

Leave a Reply