POESIA AO AMANHECER – 330 – por Manuel Simões

poesiaamanhecer

                                 PAULA TAVARES

                                            ( 1952 )

            A MANGA

             Fruta do paraíso

            companheira dos deuses

                                   as mãos

            tiram-lhe a pele

                                       dúctil

como se de mantos

                                       se tratasse

            surge a carne chegadinha

                                       fio a fio

            ao coração:

                             leve

                             morno

                             mastigável

            o cheiro permanece

            para que a encontrem

                             os meninos

                             pelo faro.

            Luanda, 84.

         (de “Ritos de Passagem”)

Incluída em várias antologias de poesia africana. É uma das vozes mais apreciadas do período angolano pós-independência. Obra poética: “Ritos de Passagem” (1985), “O Lago da Lua” (1999), “Dizes-me Coisas Amargas como os Frutos” (2001) e “Manual para Amantes Desesperados” (2007).

1 Comment

  1. Que bonito e que alegria saber que em algum lugar a poesia
    se mantém próxima da terra, da Mãe Terra.
    Obrigada, Manuel Simões, pelo belo poema de Paula Tavares, cujos títulos já são pura
    poesia.

    Rachel Gutiérrez

Leave a Reply