A MORTE DE RESISTENTES PODE IMPULSIONAR AS LUTAS E SER EXEMPLO por clara castilho

9349741_b7nUl

Que o dia 25 de Novembro é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres já sabia e já isso aqui foi abordado. Não sabia era porquê esse dia e não outro.  Fiquei agora a conhecer a razão, com a morte da última irmã Mirabal.

As irmãs Mirabal cresceram numa zona rural da República Dominicana. Quando o ditador Trujillo tomou o poder, formaram um grupo de oposição ao regime, tornando-se  conhecidas como Las Mariposas.

hermanas mirabal

 

Foram presas e torturadas várias vezes. No dia 25 de Novembro de 1960, Trujillo decidiu matá-las, tentando apanhá-las quando iam visitar seus maridos na prisão. Foram levadas para uma plantação, onde foram apunhaladas e estranguladas. Lembremos seus nomes: Patria Mercedes Mirabal, Minerva Argentina Mirabal, Antonia María Teresa Mirabal.

O assassinato teve muita repercussão. A  morte destas três irmãs, em simultâneo, e planeada, contribuiu para aumentar o despertar da consciência do povo, culminando no assassinato de Trujillo em Maio em  1961.

Em Junho de 1962 ocorreu o julgamento dos homens que tinham assassinado as três irmãs Mirabal. O tribunal condenou os principais implicados com a pena de 30 anos, que não cumpriram, dado que conseguiram fugir.

No Primeiro Encontro Feminista Latino-Americano e Caribenho de 1981, realizado em Bogotá, na Colômbia, a data do assassinato das irmãs foi proposta pelas feministas para ser o dia Latino-Americano e Caribenho de luta contra a violência à mulher. Em 17 de Dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou que 25 de Novembro seria o Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher, em homenagem ao sacrifício de Las Mariposas.

Em 1995, a escritora dominicana Julia Álvarez publicou o livro No Tempo das Borboletas, baseada na vida de Las Mariposas, e que em 2001foi a base de  um filme com o mesmo nome. A sua história é também recordada no livro A Festa do Bode, do peruano Mário Vargas Llosa.

A única sobrevivente dessas irmãs faleceu no dia 3 de Fevereiro com 88 anos. De seu  nome   Bélgica Adela Mirabal,  mas mais conhecida por “Dedé” foi quem cuidou dos seis filhos das irmãs assassinadas e quem tudo fez para preservar a memória da família. Dedé continuou a viver na mesma casa onde tinham nascido e continuou trabalhando para preservar a memória de suas irmãs, lá instalando o Museu Irmãs Mirabal. Em 2009, escreveu um livro, Vivas no seu Jardim, onde conta a história da família.

1 Comment

  1. I loved as much as you’ll receive carried out right here.
    Thhe sketch is attractive, your auuthored subject matter stylish.
    nonetheless, you command get bought an edginess over that you wish be delivering the following.

    unwell unquestionably come further formerly again since exactly the same nearly a lot often inside case you shield
    this hike.

Leave a Reply to codfish london Cancel reply