MUNDO CÃO – A UE “faz mal às pessoas mesmo sem existir” – por José Goulão e Pilar Camacho

01 (7)

 


Sem rumo

No Serviço Europeu de Acção Externa (SEAE) soam “sinais de alarme por todos os lados” a uma semana das eleições europeias. “Aqui ninguém se entende, ninguém sabe qual é o rumo, as decisões e contra-decisões sucedem-se”, alerta um alto funcionário do Serviço. “A União Europeia não tem política externa própria numa fase em que a Europa e a Ásia estão em ebulição”; a alta representante Ashton é “um barco à deriva”, acrescentou.
O sentido mais correcto da tradução da definição do comportamento da baronesa Catherine Ashton pelo nosso interlocutor seria “barata tonta”. Trocámos impressões em várias línguas e ele achou que a ideia de “barco à deriva” seria “mais universal”.
“Repare só nos acontecimentos dos últimos dias, e não vou enumerá-los todos: a Rússia diz que tem respostas para as sanções e numa semana desbloqueia um negócio da China com a China, em discussão há 10 anos, que Putin vai assinar agora a Xangai e garante o fornecimento de gás natural russo por 30 anos; os americanos animam a vocação militarista japonesa e protestos anti chineses em várias ilhas enquanto Putin responde à imprensa de Xangai garantindo que as relações entre a China e a Rússia ‘nunca estiveram num ponto tão alto’; o ministro russo dos Estrangeiros desafia a NATO, diz que as relações com a aliança têm de ser revistas e num ápice desfaz um dos argumentos dos americanos para militarizar a Ucrânia e retira as tropas das fronteiras deste país dando como terminados os exercícios que estava a realizar. E o que faz a Europa perante tudo isto?” – interroga-se o alto funcionário.
“Antes fosse nada!” – exclamou, prevendo que fôssemos responder nada sem que nada tenhamos dito. O diálogo transformara-se em monólogo e em monólogo continuou.
“A Europa em vez de ter voz própria fica sempre à espera do que fazem os americanos e quando toma qualquer atitude que podia ser exclusiva abre guerras dentro de si própria. Agora o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, o social democrata Steinmeier, diz que já chega de sanções à Rússia, novas penalidades serão ainda mais graves para a Europa; ora em todos os cantos de Berlim se sabe que ele faz eco dos homens de negócios alemães que estão muito bem com Moscovo como Moscovo está e não gastam um euro com estes dirigentes que estão agora em Kiev”. Em Bruxelas, prossegue o alto funcionário, “em vez de se procurar uma saída que passe por negociações sérias na Ucrânia e com a Rússia, como propôs o ministro alemão, vira-se uma grande irritação contra ele por ter dito o que disse. E há logo quem venha atear achas lembrando que ‘Alemanha por Alemanha’, Merkel tem o seu candidato para chefiar a Ucrânia enquanto outra parte da Europa e os americanos têm outro, o que lá está”.
O nosso interlocutor calou-se. No restaurante de uma cidade belga onde nos encontrávamos entrou uma funcionária do Conselho Europeu, de todos conhecida e que chegou um pouco atrasada ao encontro programado. Inteirou-se do assunto da conversa e, no seguimento de outras confissões anteriores que fizera sobre o mesmo contexto, repetiu que “está pelos cabelos com esta gente, mas infelizmente as eleições não prometem coisa melhor”. Introduziu então uma variante do tema.
“O debate dos candidatos a presidentes da Comissão Europeia foi um conjunto vazio em política externa da União, como se tudo estivesse bem assim nas mãos dos americanos e da NATO”, disse. “Estou a falar dos que podem ser escolhidos – ainda não admito que isto seja uma eleição, nem mesmo indirecta – o alemão social democrata Martin Schultz e o candidato da senhora Merkel, Jean-Claude Juncker. O facto é que eles são gémeos, querem a mesma coisa e se algum está mais próximo dos tipos sem remédio que apoiamos naquela confusão armada na Ucrânia ainda é o Schultz. O alemão dos liberais, Verhofstad, vive neste desgraçado planeta económico e ao mesmo tempo num planeta federalista que só o telescópio dele alcança; a verde oficial, Ska Keller, é mais do mesmo, belos discursos de propaganda, cheios de idealismos, mas ainda há quem tenha na memória o papel governamental de Joshka Fisher, mais general que os generais nas guerras da antiga Jugoslávia. O grego Tsipras, na esquerda, é um pouco de ar fresco, pode abalar e motivar quem o ouve mas os media anulam-no quando querem”.
O alto funcionário do Serviço de Acção Externa retomou o tema Ucrânia para exemplificar “a inépcia de Bruxelas”. Agora, diz, “com toda a pressa de fazer com que as eleições presidenciais pareçam uma coisa séria inventaram um processo de negociações em que fizeram de oligarcas corruptos, e alguns até sanguinários, interlocutores em representação do Leste enquanto aceitam que se mantenha aquela guerra no Leste. Ao mesmo tempo Bruxelas continua a fazer de conta que não percebeu e não tem provas de que a matança de Odessa em 2 de Maio foi um assustador pogrom fascista.”
O alto funcionário do Serviço de Acção Externa já tinha anunciado que nos deixaria mais cedo na conversa porque ia partir para Lisboa “ao encontro do futebol”. Não é “que os bastidores sejam muito mais saudáveis”, disse, “mas aí não tenho responsabilidades, distraio-me, para variar vejo profissionais competentes a fazer coisas admiráveis e esqueço-me do fiasco que é esta Europa, que consegue a baixa proeza de fazer mal às pessoas mesmo não existindo”.

José Goulão e Pilar Camacho, Bruxelas

http://www.jornalistassemfronteiras.com

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: