“Abri a tua carta” – poema de Adão Cruz

Imagem1

Abri a carta como uma criança abre uma prenda

Quem sabe se o poema foi escrito para ti

Quem sabe se o poema foi feito para ti

Quem sabe se o poema nasceu porque tu existes

A poesia não tem destino não tem princípio nem fim voa errante como a borboleta e poisa na flor apetecida

Tu és uma mulher que perturbas não só pela tua beleza mas também pela loucura e por caberes tão bem dentro de um verso

Por isso eu não sei se o poema foi escrito para ti ou se tu foste escrita para o poema

Leave a Reply