COM RACHEL GUTIÉRREZ “BEBENDO” VIEIRA DA SILVA E FERNANDO PESSOA por Clara Castilho

 

Reservar um dia para acompanhar Rachel Gutiérrez pelos locais de Lisboa que ela gostaria de visitar, foi uma experiência que só numa pequena parte poderei transmitir. Rachel elegeu dois locais: o Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva e a casa Fernando Pessoa, pois, na sua última estadia em Lisboa estes ainda não existiam.

O seu gosto por estas duas grandes personagens da nossa cultura já era de nós conhecido. Tinha acabado a sua palestra com uma frase de Helena Vieira da Silva: “o quadro não é uma evasão, deve ser um amigo que nos fala, que descobre riquezas em nós e à nossa volta”

Entrou no Museu como que num santuário. As obras expostas não seriam as melhores da pintora, mas ela “bebeu-as” e comentou-as. “Vieira da Silva tem cara de águia e coração de pardal”. Comparou as obras com as de seu marido, que nos devolve uma imagem mais clara do que as de Helena. Helena que mergulhava num vórtice, que olha o mundo de cima, como se voasse acima das cidades e assim as visse, numa dimensão que agora chamaríamos de 3D. Comentou: “Já reparou que foi depois da morte de Arpad que ela fez pintura de cores mais claras, como que querendo aproximar-se dele?”

DSCF6206

Penso que na Casa Fernando Pessoa Rachel imaginou como seria no tempo em que o escritor lá viveu, o que é facilitado pela existência do seu quarto, que reproduz o autêntico. A presença de muitos visitantes dificultou o “recolhimento” que poderia ajudar a ir ao encontro da escrita de Fernando Pessoa. Mas Rachel ia declamando poemas, dos vários heterónimos!

Foi, para mim, uma visita diferente das outras em que lá estivera, mais a beneficiar de actividades desenvolvidas pela instituição enquanto entidade cultural.

Rachel recolheu a seu hotel. Depois de termos de “furar” entre grupos de espanhóis que tinham invadido Lisboa para um jogo de futebol. “Tenho que digerir isto tudo. Foi muita emoção!”

Deixei-a pensando quão poucas vezes conseguimos transmitir aos outros a importância dos nossos grandes pintores e escritores. Mas nem todos terão a mesma cultura, nem a mesma sensibilidade de Rachel Gutiérrez!

 

Leave a Reply