IRAQUE- O IRÃO ALIADO DOS EUA… DETECTEM ONDE É QUE ESTÀ O ERRO – por JEAN BONNEVEY

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

250px-Iran_Iraq_Locator_svg

IRAQUE – O IRÃO  ALIADO DOS EUA… DETECTEM ONDE É QUE ESTÁ O ERRO

O mundo árabe desestabilizado pelos erros dos americanos

Jean Bonnevey
Revista Metamag, 17/06/2014

Irão - Iraque

O Irão, país  que os EUA estavam a considerar bombardear ainda ontem, ao lado dos israelitas, é agora um país que se dispõe a ajudar os protegidos dos americanos em sérias dificuldades militares. Não se pode ilustra de maneira mais veemente  uma grotesca e terrível situação que escapou completamente aos cenários desenvolvidos pelos estrategas do chamado  imperialismo democrático.

Os americanos nunca tiveram uma boa leitura nas relações externas. Por detrás do terrorismo do 11 de Setembro, por detrás da guerra do Islão radical liderada pelo ódio da ‘civilização ocidental’, há uma guerra entre xiitas e sunitas muçulmanos. Os americanos, destruindo o Iraque de Saddam Hussein dominado pelos árabes sunitas, deram  o país aos chiitas incapazes  de manter uma unidade entre as componentes iraquianas. Aliado dos xiitas no Iraque, Washington tentou expulsá-los do poder apoiando-se uns tempos nos sunitas islâmicos da Síria. Esses islamitas estão hoje a  tentar  reconstruir um califado sobre os dois países para apagar as fronteiras traçadas  pelos europeus em função dos  seus interesses no momento. É uma ameaça que o Irão  não pode aceitar.

Quanto à democracia, que tudo deveria resolver  é inútil andarem a procura-la, ela não existe em lado nenhum.  O Irão dos guardas  da revolução islâmica, ao lado dos EUA contra o exército islâmico do Levante, é mesmo assim muito  difícil de explicar à  opinião pública dos diferentes países. A incoerência política e a cegueira ideológica está em vias de apresentar a factura, e esta será pesada  para todos.

O Presidente dos EUA, que continua a proclamar que  a página das guerras está já passada, encontra-se mais uma vez e de  repente confrontado com as consequências das intervenções anteriores. Ninguém se imaginaria a rever os  soldados norte-americanos em Fallujah ou em Tikrit, excepto numa missão de orientação dos drones. O Vice-Presidente Joe Biden, que é responsável pela gestão das relações com o governo xiita de Bagdade, chamou  Nuri Al-Maliki para lhe dizer  que os Estados Unidos estão  prontos para acelerar e intensificar o seu apoio.” Quando ele era ainda candidato à Casa Branca, Biden tinha sido criticado por ter sugerido a partição do Iraque em Dezembro de 2006. Desde a tomada de Kirkuk pelos  curdos no norte do país, a ideia ressurgiu nos media  estadunidenses. Os “falcões” convencidos de que tudo isso poderia ser evitado com uma pequena força residual e que Barack Obama escolheu a completa retirada por razões eleitorais. John McCain “implorou” ao seu antigo rival para rever a sua decisão relativa à retirada do Afeganistão. Os  “afegãos não têm meios aéreos. Por favor, mantenha uma pequena força no Afeganistão! ». Especialistas em política externa, acusam  o presidente de ter, pela sua inacção na Síria, criado  um vácuo que beneficiou o EIIL.

Enquanto se aguarda por uma decisão de  Barack Obama, o secretário americano de defesa Chuck Hagel ordenou o envio de um porta-aviões para o Golfo, no caso de uma intervenção militar vir a ser necessária no Iraque, onde os jihadistas do Estado islâmico no Iraque e no Levant ameaçam Bagdade. Barack Obama agora enfrenta três desafios no Iraque. O  primeiro  é o de tomar medidas rápidas para parar o avanço dos jihadistas sunitas do EIIL a fim de os impedir  de tomarem conta do Iraque e deste país fazerem  uma  base de  apoio a partir de onde partirão os ataques para o exterior que poderão  visar osa  interesses  americanos. Tais medidas estariam situadas na linha definida no mês passado pelo presidente americano na academia militar de West Point onde explicou que os Estados Unidos usarão a  força quando os seus interesses estão ameaçados.

A médio prazo, os Estados Unidos devem igualmente assegurar-se  que o Iraque não volte a mergulhar numa  guerra civil entre xiitas e sunitas. A mais longo prazo, eles devem, finalmente, convencer os aliados do Iraque a inscreverem-se num  processo projectado para manter a unidade do país e convencer o Congresso a votarem  um plano de US $ 5 mil milhões para financiar a luta contra o terrorismo.

O antigo emissário internacional para a Síria, Lakhdar Brahimi, estima  numa entrevista à AFP que a ofensiva Jihad no Iraque resultou da inércia da comunidade internacional sobre o conflito destruidor que se verifica na vizinha Síria desde 2011. “É uma regra bem conhecida: um conflito deste tipo (na Síria) não pode permanecer confinado dentro das fronteiras de um único país.”  Infelizmente tem sido negligenciado o problema sírio e não se ajudou sequer  a resolvê-lo. Este é pois o resultado. “Uma personalidade iraquiana disse em Novembro que o EIIL era dez vezes mais activo no Iraque do que  na Síria. Eu mencionei isso para o Conselho de Segurança e nas minhas palestras, diz o veterano diplomata. Vizinho da Síria, com o qual partilha uma longa e porosa fronteira, “O Iraque foi  como que uma grande ferida que se deixou infectar,” com o conflito sírio, diz ele.

Mas quem é que criou a ferida e nunca foi capaz de a tratar ?

Jean Bonnevey, IRAK: L’IRAN ALLIÉ DES USA… CHERCHEZ L’ERREUR-  Le monde arabe déstabilisé par les erreurs américaines, Revista Metamag

________

Ver original em:

http://metamag.fr/metamag-2116-Irak—l%E2%80%99Iran-allie-des-Usa%E2%80%A6-cherchez-l%E2%80%99erreur-Le-monde-arabe-destabilise-par-les-erreurs-americaines.html

 

Leave a Reply