CONTOS & CRÓNICAS – “OLIVEIRA SALAZAR” – (2.ª parte) – por Fernando Correia da Silva

contos2 (2)

O “28 DE MAIO”

O “28 de Maio” de 1926 como antecâmara do Estado Novo? Fantasias do António Ferro, pois aquele foi tempo em que se fez política com pistolas em cima da mesa… Eu apenas fiquei à espera da minha oportunidade, soube jogar com o benefício do tempo.

Não foi um golpe, foi um passeio de Braga até Lisboa, uma grande parada militar chefiada pelo Gen. Gomes da Costa. Da Esquerda à Direita todos pareciam felizes e contentes, só eu na expectativa. Compreende-se: todos estavam fartos do Partido Democrático, há 16 anos que os “bonzos” mamavam sozinhos na porca da política. A 30 de Maio o presidente Bernardino Machado aceita a demissão do primeiro ministro, o “bonzo” António Maria da Silva. No dia seguinte o Bernardino entrega os seus poderes ao Alm. Mendes Cabeçadas, republicano conservador, porém um democrata, a sua pecha, pois a Democracia é justamente o regime que deixa emergir os piores instintos do ser humano. A ver vamos no que vai dar tudo isto, aguardo o benefício do tempo.

O Gen. Sinel de Cordes, um jacobino de Direita (assim o chamam os da Esquerda), faz as suas intrigas e o Alm. Mendes Cabeçadas apresenta a demissão a 18 de Junho. O Sinel, e outros como ele, exigem que o Gen. Gomes da Costa continue a chefiar a ditadura militar. Tudo se precipita. A ver vamos no que vai dar tudo isto, aguardo o benefício do tempo.

Mais intrigas do Sinel: a 9 de Julho o General Oscar Carmona é empossado como Presidente. Só posso rir quando me contam a anedota: o único sítio onde o Carmona mete o nariz, é no próprio lenço. Maledicência, ele é antes um homem a tentar o equilíbrio entre as várias forças de Direita que estão sempre a hostilizar-se, de um lado monárquicos, do outro republicanos. Se um dia eu for chamado para o Governo, Carmona ser-me-á de grande utilidade, estou em crer. A 11 de Julho o Gen. Gomes da Costa é desterrado para os Açores. A ver vamos no que vai dar tudo isto, aguardo o benefício do tempo.

O Sinel arrebenta com as Finanças públicas, défice de 700 milcontos, a Nação à beira da bancarrota. Ai os militares, os militares… Convidam-me e a 26 de Abril de 1928 sou empossado como Ministro das Finanças. Depois do “28 de Maio” é a segunda vez que isso acontece. Da primeira, no tempo do Cabeçadas, ao fim de 13 dias larguei o cargo por excesso de confusão na cabeça do presidente e falta de condições para o meu trabalho. Mas agora vou promover o desdobramento da ditadura militar em ditadura financeira, exijo direito de veto sobre toda e qualquer despesa pública. Digo, ao tomar posse:

– Sei muito bem o que quero e para onde vou.

O Cerejeira manda-me um bilhete: “António, foi Deus que te chamou para salvar a Nação”. Respondo com outro: “Manuel, quem me chamou foi o José Vicente de Freitas, o presidente do Governo”. A ver vamos quem avassala quem…

ORÇAMENTO EQUILIBRADO

Nos corredores da Ditadura militares conspiram com liberais (os “bonzos” recuperados) e conservadores para me derrubarem. Mas em 1930 já ninguém consegue remover-me, peguei de estaca. Não sou ainda o presidente do Conselho de Ministros, mas hei-de ser, não tarda muito. Com o auxílio do exército imponho novas contribuições. Veto despesas públicas e alcanço o equilíbrio do orçamento, liquido a dívida flutuante, estabilizo a moeda. Não me arredam, já não conseguem, ou eu ou a bancarrota.

Aperta-se o cinto, há quem se queixe da vida, pelos menos na capital. Mas nas aldeias ninguém se queixa. Ali, às vezes, não há trabalho, mas raramente eles deixam de comer. Ali, às vezes, falta dinheiro e roupa para vestir, mas há sempre uma côdea ou um caldo para enfrentar um novo dia. Prefiro o povo das aldeias.

A UNIÃO NACIONAL

Comecei por aforrar prestígio. Agora vou aplicá-lo na formação de um partido, a União Nacional. Deus, Pátria e Família é investimento seguro. Não eu, mas outros por mim, devem começar a fazer o alarde, nacionalistas que beberam do Integralismo. Eu ficarei na sombra, serei sempre o desejado, o encoberto, o Anjo da Guarda em retiro. Não vou desgastar a minha imagem junto da populaça, nem isso me apetece, omnipresença será um dos meus atributos. Embora com objectivos convergentes, sou o avesso do Mussolini.

Imagem2

Uma intentona malograda dos “reviralhistas” e logo se precipita o previsível: ainda em 1930 tomo posse como Presidente do Conselho de Ministros. Trato de oficializar a União Nacional. Declaro:

– Temos uma doutrina e somos uma força!

Recomendo ao Cerejeira que encerre o Centro Católico Português. Saiba ele, e saibam todas as direitas, que a União Nacional passou a ser a Direita, a única.

CADA COISA EM SEU LUGAR

Exijo disciplina, um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. O lugar dos políticos é na Política, o dos militares é nos quartéis, o do clero é na Igreja.

Em 1932 recomponho o Governo. Dos quatro generais dispenso três, apenas reservo o Carmona para continuar como Presidente da República. Se os três dispensados quiserem começar a conspirar contra mim, pois que o façam, atrevam-se eles a enfrentar o meu prestígio…

Na cerimónia de posse dos novos Ministros também está presente o Alfredo da Silva, o patrão da CUF – Companhia União Fabril. Não gosto dele, pior do que a exuberância é a sua ânsia de alargar império, de dia para dia mais cresce o número dos seus operários. E é nesta classe de infelizes que mais facilmente germina o bolchevismo, semente do Mal. Sem dar por isso, ele e outros como ele, estão a cavar a própria sepultura, talvez a minha e a da Nação. Cego, magnata cego…

Vou depois apresentar cumprimentos ao cardeal Cerejeira, é a praxe. Desde que foi encerrado o Centro Católico Português, ele tem vindo a agitar o nome do Cunha Leal para me substituir. Não discuto intrigas de sacristia. Declaro-lhe que só posso levar em consideração os interesses da Igreja desde que se conjuguem com os interesses do Estado Novo. Espero que entenda o recado. Perante Deus somos todos iguais, mas cada qual no seu lugar.

O ESTADO NOVO

Só vêem o que lhes passa diante do nariz, são incapazes de distinguir entre a letra e o espírito. A nova Constituição, ratificada em 1933, prevê eleições? Pois prevê, assim travo os republicanos conservadores e vagamente democratas que herdámos do “28 de Maio”. Mas quem controla as eleições sou eu, é a União Nacional, através das restrições relativas ao grau de instrução, ao sexo e à propriedade do eleitorado. Isto não o vêem os conservadores, nem sequer os nacionais-sindicalistas do Rolão Preto. Entusiasmados com a vitória do nacional-socialismo na Alemanha, milhares de camisas azuis fazem a saudação romana e andam a agitar o povo de norte a sul da Nação, gritam e proclamam que os traí. É preciso pôr um ponto final nestas arruaças, para isso contarei com o tácito apoio dos conservadores, militares e civis. Chamo ao meu gabinete o Teotónio Pereira e o Manuel Múrias. Ouvem-me com atenção e tratam de esfacelar, por dentro, o Movimento Nacional-Sindicalista a que pertencem, colocando o Rolão Preto em minoria. Assim isolado, logo o mando prender e expulso-o da Nação. Mas ao mesmo tempo abro as portas da União Nacional aos órfãos de camisa azul. Apenas sugiro que vistam outras. Para os consolar, também eu começo a fazer a saudação romana. Ficam aliviados e contentes. Serão eles os grandes activistas do Estado Novo.

Em 1936, nas comemorações do 10.º aniversário da Revolução Nacional, declaro:

– Às almas dilaceradas pela dúvida e o negativismo do século procurámos restituir o conforto das grandes certezas. Não discutimos Deus e a virtude; não discutimos a Pátria e a sua história; não discutimos a autoridade e o seu prestígio; não discutimos a família e a sua moral; não discutimos a glória do trabalho e o seu dever.

Infelizes ficam os conservadores. Se a letra da Constituição é o que é, só agora lhe entrevêem o espírito: antiliberal, antiparlamentar e antidemocrático. Nela incorporo o Acto Colonial e o Estatuto Nacional de Trabalho. Sidónio Pais, coitado, surgiu antes de tempo. Mas intuiu o caminho que estamos hoje a desbravar. Esta é a primeira constituição corporativa do mundo: sob o arbítrio do Estado forte, a conjugação dos grémios e dos sindicatos, do Capital produtivo e do Trabalho para o engrandecimento da Pátria. Assim levanto uma barragem contra a luta de classes, bandeira dos comunistas.

E os padres? Quando é que sobem ao púlpito a louvar o Estado Novo? Aguardemos o benefício do tempo…

CINEMA

Uma barragem… Sinto as pernas entorpecidas, levanto-me, passeio pelo terraço do Forte. As barragens, o plano hídrico nacional… E ainda há alguns maledicentes que me chamam de retrógrado… Tiro os binóculos do estojo e avisto um barquinho que demanda a barra. Se antes da vazante, que não tarda, eles não conseguirem alcançar S. Julião, serão arrastados para o alto mar. A montante, sobre o Tejo, não a vejo, mas sei que lá está a ponte que leva o meu nome, não me fazem favor por isso, fui eu que mandei construir, fui eu que a inaugurei em 1966. Agora, o que me apetecia era ouvir um filme. Não ver, mas ouvir, que eu não tenho pachorra para ir ao cinema. Maria e as amigas é que vão às matinées e depois contam-me tudo. Manta sobre as pernas, um bule de chá, são as noitadas em S. Bento. Gostei muito de “Música no Coração”.

Volto a sentar-me. A cadeira balança e range, mas lá se aguenta. Um dia destes ainda me prega uma partida.

SAFANÃO A TEMPO

Era fim de Agosto e as uvas estavam bonitas, comecei a vindimar. O meu Pai deu-me um safanão a tempo e eu parei. Tirou um bago do cacho que eu acabara de cortar, deu-me a provar. Trinquei, logo cuspi, era azedo. Assim comecei a aprender que tudo tem o seu tempo, tudo obedece a regras, Lei suprema quer para a Natureza, quer para a sociedade dos homens, que é outra forma da Natureza. Quem não respeita as regras é desordeiro; mas quem sempre as põe em causa e delas troça, é ateu a infectar os que estão perto, anarquismo ou comunismo, danação.

Os grandes homens, os predestinados, os grandes chefes, não se embaraçam com preconceitos, com fórmulas, com preocupações de moral política. A violência pode ter vantagens mas não na nossa raça nem nos nossos hábitos. Em Portugal não há homens sistematicamente violentos. Aqui, há que governar tendo sempre em conta esse sentimentalismo doentio a que chamamos bondade. Para defender a Pátria, aqui não é preciso usar da violência. Um safanão a tempo é quanto basta.

Nas revistas e nos jornais e nas emissoras radiofónicas e nos teatros e nos cinemas, o lápis azul e a tesoura da Censura prévia cortam os textos e as imagens fora de prumo, há regras a cumprir, safanão a tempo. Nas livrarias, a polícia apreende os livros subversivos, há regras a cumprir, safanão a tempo.

Se abandonados à liberdade, os homens logo se convertem em libertinos. Reforço a proibição das greves e em 1933 fundo a PVDE – Polícia de Vigilância e Defesa do Estado. Agentes italianos e depois uns alemães, com as suas técnicas, virão ajudar-nos a torná-la mais eficaz. Rapidamente a PVDE estende uma rede de informadores de norte a sul da Nação, nas cidades, nas vilas e até em aldeias. É fácil, muita gente ambiciona ganhar mais uns tostões.

A função primeira da PVDE é prevenir as tentações de libertinagem, é intimidar não só os ímpios e os incautos à beira da impiedade, mas também os respectivos pais, e cônjuge, e filhos, e irmãos, e colegas, e amigos, todos os que estejam em perigo de contágio. Subversão é peste, há que meter a Nação em quarentena. E meto, mas alguns escapam, danados que tentam danar os outros, cães raivosos.

Reorganizo as forças militarizadas, a GNR – Guarda Nacional Republicana, a PSP – Polícia de Segurança Pública, e a Guarda Fiscal. E chamo ao meu gabinete, primeiro o Agostinho Lourenço, director da PVDE; mais tarde o Silva Pais, director da PIDE. Alerto:

– Mais vale um safanão a tempo do que deixar o Diabo à solta no meio do povo.

Contam-me como fazem. Localizam onde pousa um dos suspeitos. A meio da noite arrombam a porta, dão-lhe voz de prisão e uns sopapos, arrastam-no para a sede, interrogatório, safanão primeiro. Se o subversivo conta o que sabe, é porque já está a caminho da salvação. Se não fala, safanão segundo, espancamento. Se calado continua, safanão terceiro, é a penitência da estátua, dias e noites obrigado a ficar sempre de pé, até que as suas pernas se transformem em dois trambolhos. Variante do terceiro safanão é a penitência do sono, dias e noites sem dormir; quando cabeceia, logo acendem um holofote contra os seus olhos. Um dos possessos, ao fim de quinze dias e quinze noites sem dormir, começou a beijar a parede, alucinações, pensava que estava na cama com a mulher. Depois entrou em coma. Normalmente, depois do terceiro safanão, os inconfessos entram em coma. Ninguém os mata, eles é que se deixam morrer porque se negam à salvação.

Alguns sobrevivem ao terceiro safanão, mas nada mais podemos fazer por eles, almas penadas já são em vida. Com ou sem julgamento são despejados em masmorras. Em 1936 inauguro as colónias penais do Tarrafal e de Peniche. É no Tarrafal que vai morrer Bento Gonçalves, secretário do Partido Comunista. Outros seguem-lhe o exemplo; no Tarrafal e em Peniche, no Aljube e em Caxias.

Não, não é preciso usar da violência, somos um povo de brandos costumes. Aqui, para governar, um safanão a tempo é quanto basta.

O ENCOBERTO

1936: agitação vermelha vaza de Espanha para Portugal. Reagimos: barreira militar, Legião Portuguesa, cruz de Aviz, invocação de Aljubarrota! Mando que os meus legionários vistam camisas verdes, assim não se confundem nem com a milícia do Rolão Preto, nem com a Falange do Franco. São convocados os funcionários do Estado e todos aderem à Legião; os incapazes de exercícios militares, juram fidelidade ao regime.

No mesmo ano crio a Mocidade Portuguesa, também camisas verdes. Ali os rapazes aprendem a amar e a defender a Pátria, bravos lusitos. E nas escolas imponho um livro único, passaporte para Deus, Pátria e Família.

Nacionalistas, legionários e lusitos, de braços estendidos em saudação romana, andam sempre a marchar pelas ruas, congregam multidões, fazem grande alarido:

– Quem vive?

– Portugal, Portugal, Portugal!

– Quem manda?

– Salazar, Salazar, Salazar!

Contudo, para além da algazarra à superfície, deteto o profundo silêncio da Nação. Somos tristes, eu o disse, mas há aqui um excesso de tristeza. E isto é perigoso, a caldeira do silêncio também pode explodir. Há que montar uma válvula de escape.

Chamo ao meu gabinete os homens da Censura. Digo-lhes que aliviem o rigor sobre as revistas do Parque Mayer, que alarguem o espartilho e deixem passar as alusões à minha pessoa, desde que não sejam ofensivas. E o público sacode-se a rir com os números do António da Calçada ou do Santo Antoninho da Estrela. Só mando cortar O Botas. É alcunha de mau gosto. Não se pode brincar com um defeito físico que me obriga a usar botas ortopédicas, daquelas de elástico, para disfarçar.

Também chamo ao meu gabinete o Agostinho Lourenço. Digo-lhe o que direi mais tarde ao Silva Pais:

– É conveniente que os descontentes tenham sítios onde possam desabafar sem perturbar mais ninguém. Os Cafés podem servir para isso.

Quanto mais estrondosas são as gargalhadas no Parque Mayer e quanto mais se conspira nos Cafés, mais avassala a minha ausência, omnipresença.

««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

Leave a Reply