A VIDA, de FLORBELA ESPANCA

Imagem1

 

 

A VIDA, de FLORBELA ESPANCA

180px-Espanca_Florbela
1894 – 1930

 

 

 

É vão o amor, o ódio, ou o desdém;

Inútil o desejo e o sentimento…

Lançar um grande amor aos pés de alguém

O mesmo é que lançar flores ao vento!

 

Todos somos no mundo «Pedro Sem»,

Uma alegria é feita dum tormento,

Um riso é sempre o eco dum lamento,

Sabe-se lá um beijo de onde vem!

 

A mais nobre ilusão morre… desfaz-se…

Uma saudade morta em nós renasce

Que no mesmo momento é já perdida…

 

Amar-te a vida inteira eu não podia.

A gente esquece sempre o bem de um dia.

Que queres, meu Amor, se é isto a vida!…

 

In Sonetos – Livro de Soror Saudade, Bertrand Editora, Lda., Lisboa, 2013.

Leave a Reply