CASA DA ACHADA – : OS DEZ ANÕEZINHOS DA TIA VERDE-ÁGUA, RITMO E COR, REALISMO E ABSTRACÇÃO NA ARTE MODERNA, CINEMA AO AR LIVRE com VIAGEM A TÓQUIO, FOR A FREE PORTUGAL

Microsoft Word - 18-21 JUL 14

 

 

MD pintura abstracta_Painel 1

Nesta sessão vamos falar sobre as várias versões de Os dez anõezinhos da tia verde-água com Filomena Marona Beja.

46.ª sessão de uma série com periodicidade mensal, a partir de livros e autores referidos por Mário Dionísio num depoimento sobre «Os livros da minha vida».

A SPIM – Sociedade Portuguesa de Investigação em Música apresenta mais uma sessão do seu ciclo «Diálogos In Música»:
FOR A FREE PORTUGAL- O jazz como palco de contestação na primavera marcelista, com Pedro Cravinho.

Entre 1971 e 1973, durante a governação de Marcello Caetano, num cenário de uma guerra colonial/independência em curso, realizaram-se em Portugal os primeiros Festivais Internacionais de Jazz de Cascais (FIJC). Estes eventos, cuja primeira edição foi patrocinada pela Secretaria de Estado Informação e Turismo (SEIT) – organismo que tutelava os Serviços de Censura do regime –, e promovida através do lema «JAZZ É CULTURA», configuraram um espaço de resistência política e de contestação à guerra colonial, explorado por músicos no palco e vivenciados pelos milhares de jovens presentes.
Na verdade, esta música – o jazz -, no contexto dos FIJC, propiciou a criação de um palco de luta política contra o regime de Marcello Caetano.
Partindo da dedicatória de Charlie Haden (1971) aos movimentos de libertação de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, e do «louvor» à liberdade feito por Roland Kirk (1973), formulados no decorrer das suas actuações nos FIJC, será analisado o alcance social e político da música jazz em Portugal durante a «Primavera Marcelista».

Abordagem aos princípios fundamentais de animação através da exploração da cadência de movimentos e do valor interpretativo da cor, combinando a expressão gráfica com o domínio sensorial e emotivo.

3ª sessão: SOM E IMAGEM ANIMADA;
Exploração sincrónica entre elementos textuais, gráficos e sonoros, trabalhando questões rítmicas e cromáticas na criação de um extracto de animação abstracta, que apele a uma sensibilidade visual e auditiva.

18h30 – Leitura comentada, com projecção de imagens, do capítulo «Realismo e abstracção na arte moderna» do livro A filosofia da arte moderna de Herbert Read. Quem lê é Carla Mota.

21h30 – Projecção, ao ar livre, de Viagem a Tóquio (1953, 136 min.) de Yasujiro Ozu. Quem apresenta é Paulo Guilherme.

O CORO DA ACHADA CANTA:

HÁ TAMBÉM MAIS COISAS PARA VER E LER DURANTE O HORÁRIO DE ABERTURA (2ª, 5ª e 6ª das 15h às 20h, sábados e domingos das 11h às 18h):

  • EXPOSIÇÃO «MÁRIO DIONÍSIO – PINTURA A PARTIR DE 1974»
    Exposição, até ao dia 22 de Setembro, de dezenas de obras de Mário Dionísio que mostra o seu percurso como pintor abstracto, entre 1974 e 1993.
  • BIBLIOTECA E MEDIATECA DA ACHADA
    A Biblioteca da Achada tem secções de Literatura, Arte, Cinema, Teatro, História, Ciência, Literatura Infanto-Juvenil, etc…
    A Mediateca da Achada está em fase de catalogação. Para já, começam por estar disponíveis os filmes que temos vindo a projectar nos nossos ciclos de cinema.
    O catálogo da Biblioteca e Mediateca está disponível na internet, aqui.
    E agora vamos ter pólos da Biblioteca aqui no bairro. Já podem visitar e ler livros no pólo do restaurante Alcaide, na Rua de São Cristóvão, e no pólo do Posto de Atendimento de São Nicolau da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, na Rua da Prata.
  • LIVROS LIVRES
    No terreno em frente à Casa da Achada, desde que não chova, é só entrar, escolher, sentar-se um pedacinho ou a tarde inteira a folhear ou a ler. Para continuar, levar o livro começado ou a começar, e era bem bom deixar outro para o próximo que vier. Hoje mesmo ou amanhã.

EM QUALQUER DIA, COM MARCAÇÃO, É POSSÍVEL CONSULTAR:

  • CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO
    Constituído pelo arquivo de Mário Dionísio e pela sua biblioteca e de Maria Letícia Clemente da Silva (mais de 6000 volumes e mais de 200 publicações periódicas).
    O catálogo pode ser consultado na internet, aqui.

QUEM QUER EXPERIMENTAR TEATRAR?

  • GRUPO DE TEATRO DA ACHADA
    Quem quer experimentar usar a voz e o corpo para dizer coisas com ou sem palavras? O grupo, com F. Pedro Oliveira, ensaia habitualmente todas as terças e nas quintas-feiras às 21h. É só aparecer e participar.

QUEM QUISER E PUDER AJUDAR A CASA DA ACHADA:

Leave a Reply