AMANHÃ, 27 AGOSTO, ESPECTÁCULO DE “LISBOA NA RUA” por Clara Castilho

Lisboa_Rua_2014_Destaque1_01

É uma organização da EGEAC, que se prolongará até 20 de Setembro, sempre com entrada gratuita e de que iremos dando notícias. Considerando que Lisboa na Rua é a resposta da cidade à cidade-porta, à cidade-ponte, balançando entre muitos continentes, onde civilizações, milénios e memórias convergem numa pele de muitas camadas, o espaço público torna-se o meio natural e privilegiado da comunhão e fruição culturais.

Amanhã, poderão assistir, na Praça do Carvão do Museu da Electricidade das 22h eàs 23h15:

Screening/OPENCALL – Secção Competitiva Portugal com JEAN-FRANÇOIS CHOUGNET

INTERVENÇÕES – 59’ e APROPRIAÇÕES – 63’

 Museu-Electricidade-2012

O Open Call lançado pelo Fuso recebeu, este ano, mais de 120 candidaturas. ao contrário dos anos anteriores, nenhuma temática foi sugerida. apenas o formato (menos do que 10 minutos) e a data de realização foram incluídos como limitações.

Este é um panorama, certamente incompleto, nas tendências da videoarte concebida, produzida e fabricada em Portugal. em termos artísticos, o advento da realidade virtual, da Internet e do digital é hoje central. os artistas apresentados fazem parte da primeira geração que nasceu no advento destes desenvolvimentos tecnológicos e que se adaptou às mudanças constantes. a prática da performance é igualmente importante neste panorama e cruza, cada vez mais, a videoarte. a relação com o corpo tem, também, levado a muitas invenções plásticas, embora muitos artistas se identifiquem como narradores ou autobiógrafos, introduzindo ficções em torno da sua intimidade. aqui objetos reais e quotidianos são os pontos de partida para algumas criações. Nos últimos anos, testemunhámos também o surgimento do artista sob novas figuras nomeadamente como produtor, historiador, arquivista ou documentarista, em resposta a convulsões sociais e políticas contemporâneas. Esta seleção de obras é baseada em duas “famílias”: a primeira, intitulada de “Intervenções”, inclui obras que se reconectam com algum “engagement”, uma evolução recente na arte em Portugal, ou obras que interpretam o real . a segunda, intitulada “apropriações”, inclui vídeos com uma narração, uma narrativa, que capta histórias ou obras.

 

Leave a Reply