A NOSSA RÁDIO- Em Memória de Fernando Alvim (1934-2015 ) – 8 – por Álvaro José Ferreira

Imagem2

Nota prévia:
Para ouvir as músicas de Fernando Alvim, há que aceder à página

http://nossaradio.blogspot.com/2015/03/em-memoria-de-fernando-alvim.html

e clicar nos respectivos “play áudio/vídeo”.

Imagem1

Impossível Adeus

Letra: Vitorino Salomé
Música: Fernando Alvim
Intérprete: Vitorino* (in Livro/2CD “Fados & Canções do Alvim”: CD2 – “Canções do Alvim”, Universal, 2011)

[instrumental]

Está escrito no olhar
Inda que seja longe
Estou sempre por perto
Não há último adeus
Passageira lembrança
De um doce afecto

Partir é não voltar
Fica a dor do esperar
Ausência eterna
Dos teus passos a chegar
Quando a noite hesitava
Cair sobre a terra

Dos amores desencontrados
Não reza a história
São nuvem que passa
Dos sonhos idolatrados
Fica a memória
O prazer, a graça

Por isso não te vás
– Ó laranjeira em flor
Perfuma a triste ausência
Do meu gentil amor

Fica sempre comigo
Branca flor perfumada
Guarda junto ao teu peito
Paixão nunca esquecida

[instrumental]

Dos amores desencontrados
Não reza a história
São nuvem que passa
Dos sonhos idolatrados
Fica a memória
O prazer, a graça

Por isso não te vás
– Ó laranjeira em flor
Perfuma a triste ausência
Do meu gentil amor

Fica sempre comigo
Branca flor perfumada
Guarda junto ao teu peito
Paixão nunca esquecida

Nota: «Dedicada à doce vivência destes dois amigos, Fernando e Rosarinho, inspiradores de paz interior, à sombra duma linda e florida tangerineira.» (Vitorino Salomé)

* Vitorino – voz
Fernando Alvim – guitarra
Pedro Santos – acordeão
Ruca Rebordão – shakers, udu, bongós
Produção musical e direcção artística – Fernando Alvim
Concepção e idealização – Fernando Alvim
Produção executiva – Rosário Worisch Alvim
Gravação (voz e instrumentos) – Samuel Nascimento, no Estúdio Alvalade, Lisboa
Mistura – Samuel Nascimento, no Estúdio Alvalade, Lisboa
Masterização – Fernando Nunes, no Estúdio Pé-de-Vento, Salvaterra de Magos

Um Olhar Lisboa

Letra: Mário Rainho
Música: Fernando Alvim
Intérprete: Filipa Pais* (in Livro/2CD “Fados & Canções do Alvim”: CD2 – “Canções do Alvim”, Universal, 2011)

[instrumental]

Abri nossa janela,
O sol entrou por ela;
E como convidado
Tomou café ao nosso lado

O coração se abrasa
À mesa d’alvorada;
Quem tem o sol em casa
Ai, não precisa de mais nada.

Dou bom dia a Lisboa,
Gaivota que voa,
Alegre e ensonada;
E olho o rio Tejo
Que, à míngua dum beijo,
Quer ver-te acordada.

Oiço o burburinho da cidade
E vejo o céu azul;
Na viola dedilho a saudade
Desta canção do sul.

Quem vê Lisboa assim,
Um poema de mim
Luz, cor e aguarela
Não pode respirar sem ela.

Os sons dos bairros são
Pulsar do coração;
Suas ruas são veias,
Telas de fado cheias.
Dou bom dia a Lisboa,
Gaivota que voa,
Alegre e ensonada;
E olho o rio Tejo
Que, à míngua dum beijo,
Quer ver-te acordada.

Oiço o burburinho da cidade
E vejo o céu azul;
Na viola dedilho a saudade
Desta canção do sul.

[instrumental]

Dou bom dia a Lisboa,
Gaivota que voa,
Alegre e ensonada;
E olho o rio Tejo
Que, à míngua dum beijo,
Quer ver-te acordada.

Oiço o burburinho da cidade
E vejo o céu azul;
Na viola dedilho a saudade
Desta canção do sul.

* Filipa Pais – voz
Celina da Piedade – acordeão
Fernando Alvim – guitarra
Produção musical e direcção artística – Fernando Alvim
Concepção e idealização – Fernando Alvim
Produção executiva – Rosário Worisch Alvim
Gravação (voz) – Fernando Nunes, no Estúdio Pé-de-Vento, Salvaterra de Magos
Gravação (instrumentos) – Joaquim Monte, no Estúdio Namouche, Lisboa
Mistura e masterização – Fernando Nunes, no Estúdio Pé-de-Vento, Salvaterra de Magos

Leave a Reply