Capa da edição videográfica (VHS) do filme “‘Non’, ou a Vã Glória de Mandar” (Atalanta Filmes, 1992)

Imagem2

38
Bem vês as Lusitânicas fadigas,
Que eu já de muito longe favoreço,
Porque das Parcas eu sei, minhas amigas,
Que me hão-de venerar e ter em preço;
E, porque tanto imitam as antigas
Obras de meus Romanos, me ofereço
A lhes dar tanta ajuda, em quanto posso,
A quanto se estender o poder nosso.

39
E, porque das insídias do odioso
Baco foram na Índia molestados,
E das injúrias sós do mar undoso
Puderam mais ser mortos que cansados,
No mesmo mar, que sempre temeroso
Lhes foi, quero que sejam repousados,
Tomando aquele prémio e doce glória
Do trabalho que faz clara a memória.

40
E para isso queria que, feridas
As filhas de Nereu no ponto fundo,
D’amor dos Lusitanos incendidas
Que vêm de descobrir o novo mundo,
Todas numa ilha juntas e subidas,
(Ilha que nas entranhas do profundo
Oceano terei aparelhada,
De dões de Flora e Zéfiro adornada);

41
Ali, com mil refrescos e manjares,
Com vinhos odoríferos e rosas,
Em cristalinos paços singulares,
Fermosos leitos, e elas mais fermosas;
Enfim, com mil deleites não vulgares,
Os esperem as Ninfas amorosas,
D’amor feridas, para lhes entregarem
Quanto delas os olhos cobiçarem.

42
Quero que haja no reino Neptunino,
Onde eu nasci, progénie forte e bela;
E tome exemplo o mundo vil, malino,
Que contra tua potência se rebela,
Por que entendam que muro Adamantino
Nem triste hipocrisia vale contra ela.
Mal haverá na terra quem se guarde,
Se teu fogo imortal nas águas arde.»

[Canto X]
82
Aqui, só verdadeiros, gloriosos
Divos estão, porque eu, Saturno e Jano,
Júpiter, Juno, fomos fabulosos,
Fingidos de mortal e cego engano.
Só pera fazer versos deleitosos
Servimos; e, se mais o trato humano
Nos pode dar, é só que o nome nosso
Nestas estrelas pôs o engenho vosso.

Notas:
1. Os versos cantados estão assinalados com fundo a água.
2. Na versão áudio, a canção da deusa Dione tem mais uma estrofe (incipit “Bem vês as Lusitânicas fadigas”).

* Coro de Câmara de Lisboa, dir. Alejandro Massó
Teresa Salgueiro – voz (em “Deusa Dione”)

Leave a Reply