REVISTA DA SEMANA por Luís Rocha

revista-semana

Revista da semana

De 23/05 a 29/05/2015

As eleições autónomas e municipais de domingo passado em Espanha e os resultados das mesmas vêm demonstrar que a Europa está a mudar, com particular incidência onde foram impostas medidas de austeridade pelo poder exterior. Na Espanha (dado o seu poder económico) a imposição não foi tão forte como na Irlanda, na Grécia e em Portugal, mas o povo quer mudanças.

Veja-se a extrapolação feita pelo “Económico à Uma” no dia seguinte (26/05/2015), sob o título:

E se as eleições em Espanha tivessem sido legislativas?

CARLA CASTRO

Tudo indica, depois das eleições autonómicas e municipais deste domingo, que os pequenos partidos ganharam voz e que a Espanha se encaminha para um sistema político muito mais fragmentado, como não há memória na democracia deste país.

Estes resultados [numas eleições legislativas] deixariam um Congresso quase ingovernável, escreve o “El País”.

{…]

Traduzido em números de deputados, nas contas do diário “El País”, o PP perderia 66 lugares no Congresso, ficando com apenas 120, o PSOE perderia dois deputados, fixando-se em 108, enquanto o Podemos alcançaria 37 e o Ciudadanos 18, tornando-se a terceira e quarta forças políticas do país, respectivamente.

Ler mais:

http://auma.economico.sapo.pt/noticias/e-se-as-eleicoes-em-espanha-tivessem-sido-legislativas_219264?_swa_cname=newsletter&_swa_csource=afiliado&_swa_cmedium=email&cpid=economicot3

Na sexta-feira dia 29/05, Anabel Diez e Francesco Maneto publicaram no jornal “El País” o artigo que se segue:

Pablo Iglesias abre una nueva fase en las relaciones con el PSOE

Podemos y los socialistas preparan dos reuniones clave para fijar posiciones

El PSOE y Podemos se acercan a un entendimiento. Cuatro días después de las elecciones autonómicas y municipales, el secretario general el nuevo partido, Pablo Iglesias, asumió ayer, en una comparecencia convocada para valorar los resultados del 24-M, que la relación entre ambos partidos están a punto de entrar en una nueva fase de colaboración para desalojar al PP de las instituciones.

[…]

A la espera de que Pedro Sánchez y Pablo Iglesias traten de acercar posturas en una reunión prevista para principios de la semana que viene, el secretario socialista de Política Institucional, Patxi López, y Carolina Bescansa, responsable de Análisis Político y Social de Podemos, ya han mantenido un primer encuentro para abrir distintos canales de diálogo. I

Ler mais:

http://politica.elpais.com/politica/2015/05/28/actualidad/1432839662_588908.html

Entretanto o diário “El País” artigo de EWALD SCHARFENBERG Caracas 29 MAY 2015 transcreve afirmações de Nicolás Maduro proferidas em Caracas

Maduro acusa a Rajoy de atacar a Venezuela para ganar votos en España

El mandatario venezolano arremete contra el presidente español en Caracas

In English: Maduro accuses Rajoy of attacking Venezuela to win votes in Spain

Nicolás Maduro este jueves en Caracas. / REUTERS

El presidente venezolano, Nicolás Maduro, volvió este jueves a aludir directamente al presidente de Gobierno español, Mariano Rajoy, a quien acusa de estar detrás de una campaña internacional contra la revolución bolivariana: “Piénsalo bien, Rajoy, que el que se mete con la revolución de Bolívar y de Chávez se seca”.

Las palabras del mandatario venezolano se produjeron durante su participación en el evento del congreso internacional Inventar la Democracia del siglo XXI, transmitido por televisión desde la sede de la Biblioteca Nacional en Caracas. […]

Dibujando con sus palabras un aparente retrato robot del exmandatario español Felipe González, alertó de su supuesta voluntad de intervenir en Venezuela: “Para conseguir que nuestra vida social, política y económica se someta a los dictados de un expresidente por allí, una figurilla por acá, por lo general expresidentes muy desprestigiados, a los que no les quiere nadie en sus países, y se vienen acá a molestar”,

[…]

Maduro arremetió también contra el presidente del parlamento europeo, el alemán Martin Schulz, por unas declaraciones difundidas la mañana del jueves por EFE, en las que el eurodiputado expresaba su preocupación por la situación en Venezuela.

[…]

“Preocúpese, señor Schulz, por la creciente pobreza en Europa, y por los miles de inmigrantes africanos que, por culpa del colonialismo europea, ahora tratan de llegar a Europa donde los encierran campos de concentración como los que tuvo el nazismo”, concluyó.

 Ler mais:

http://internacional.elpais.com/internacional/2015/05/29/actualidad/1432867057_245519.html

Também na sequência dos resultados eleitorais no Reino Unido

La reina de Inglaterra oficializa el referéndum sobre Europa

 El discurso de apertura del Parlamento incluye el anuncio de mayor espionaje online

FOTOGALERÍA El discurso de la reina Isabel II (PABLO GUIMÓN Londres 27 MAY 2015)

La reina de Inglaterra y el duque de Edimburgo. / REUTERS LIVE / GETTY

entada en su trono de la Cámara de los Lores, con las más de 3.000 joyas de la Corona Imperial del estado en la cabeza y arropada por toda la pompa que rodea a esta celebración de uno de los cuerpos legislativos más antiguos del mundo, la reina Isabel II ha leído esta mañana el discurso que contiene las prioridades legislativas del primer año del nuevo Gobierno de David Cameron. La hoja de ruta, resumida en 1.008 palabras, del primer Ejecutivo enteramente conservador al frente de Reino Unido desde hace casi 20 años.

Casi exactamente a la mitad del discurso llegó el anuncio, no por esperado menos trascendente, de la consulta que con toda probabilidad marcará los primeros dos años de  legislatura. “Se introducirá una legislación temprana para proporcionar un referéndum sobre la permanencia en la Unión Europea antes del final de 2017”, leyó la reina.

[…]

La gran sorpresa del discurso, aunque ya adelantada en las horas previas, fue la decisión de posponer la controvertida derogación del Human Rights Act, una legislación introducida por los laboristas en 1998 que traslada a la legislación británica la Convención Europea de los Derechos Humanos. Los conservadores planean derogarla y remplazarla por una carta de derechos británica que “rompa el lazo formal entre los tribunales británicos y el Tribunal Europeo de Derechos Humanos”.

[…]

La segunda sorpresa vino con el anuncio de la “modernización” de las leyes de vigilancia de las comunicaciones digitales, para otorgar todavía más poderes de los previstos a la policía y los servicios secretos.

[…]

 Entre las 26 medidas anunciadas por la reina, hay tres bloques legislativos encaminados a profundizar en la descentralización de la Administración británica. Por un lado, el Gobierno introducirá en el parlamento “la legislación para asegurar un fuerte y duradero acuerdo constitucional” devolviendo más poderes a Escocia, Gales e Irlanda del Norte.

[…]

 Las medidas incluyen también un ataque a los sindicatos. Se colocan más obstáculos para convocar huelgas en el sector público y se introduce un cambio en la financiación, al hacer que los afiliados no paguen sus cuotas por defecto sino que deban decidir activamente pagarlas. La onda expansiva de la medida afectará al Partido Laborista, en pleno proceso de redefinición y elección de líder, cuyos principales financiadores son precisamente los sindicatos.

Ler mais:

http://internacional.elpais.com/internacional/2015/05/27/actualidad/1432733773_165754.html

Ao mesmo tempo arrastam-se as soluções para a Grécia, conforme se pode ler no artigo do “Económico à Uma”

Lagarde e a saída da Grécia do euro: erro de tradução ou desinformação?

LUÍS REIS PIRES

Afinal o que disse Christine Lagarde sobre a saída da Grécia do euro? O jornal alemão FAZ entrevistou a directora do FMI e ontem, ao fim do dia, citou-a com a frase: “Saída da Grécia do euro é uma possibilidade”.

A citação rapidamente se espalhou pelos principais jornais nacionais e internacionais – o Público e o Diário de Notícias, por exemplo, dão hoje grande destaque à história. No entanto, o FMI veio negar que  Lagarde tenha dito que o Grexit era uma possibilidade, atribuindo a confusão a um erro de tradução.

[…]

A verdade é que a frase que ficou foi a de que “a saída da Grécia é uma possibilidade”. Foi essa a declaração que conduziu os mercados desde o final da tarde de ontem.

Hoje, o “El Mundo” avança que já há “acordo político” para fechar o resgate grego, que os líderes europeus deram ordens ao Eurogrupo para fechar no fim-de-semana um acordo para evitar o ‘default’ de Atenas. Mas ainda ninguém confirmou em Bruxelas, pode ser mais um erro de tradução.

Ler mais:

http://auma.economico.sapo.pt/noticias/lagarde-e-a-saida-da-grecia-do-euro-erro-de-traducao-ou-desinformacao_219713

A política da União Europeia está ameaçada e

Merkel não descarta possibilidade de rever Tratado de Lisboa

Autor: Marlene Carriço/Observador (AFP/Getty Images)

A chanceler alemã, Angela Merkel, deixou esta sexta-feira em aberto a possibilidade de mexer no Tratado de Lisboa, de forma a acomodar os pedidos de David Cameron, o primeiro-ministro britânico.

Merkel prometeu, esta sexta-feira, responder de forma “construtiva” às propostas do Reino Unido

A chanceler alemã Angela Merkel deu alguma esperança ao primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, ao não descartar uma eventual mexida nos tratados da União Europeia, num encontro que decorreu esta sexta-feira em Berlim. Merkel mostrou estar disponível para dialogar, avisando contudo que o processo será difícil.

[…]

“Sempre que há um desejo, há também um caminho, e este deve ser o nosso princípio orientador”, afirmou a chanceler, à saída da reunião com Cameron. Na mesma onda, Cameron afirmou que “onde há vontade também há caminho e isto já ficou demonstrado muitas vezes na Europa”.

Merkel prometeu, esta sexta-feira, responder de forma “construtiva” às propostas do Reino Unido. “Vale a pena falar sobre o conteúdo, a substância. Também precisamos de falar sobre o que precisa de ser mudado. Mas será que é necessário alterar o tratado, ou pode haver mudanças através de um processo secundário? Mas, claro, se estivermos certos quanto a um conteúdo, a uma substância, então não devemos dizer que mudar o tratado é completamente impossível”, afirmou a chanceler.

[…]

Em jeito de aviso, Cameron promete lançar, até 2017, um referendo à saída do Reino Unido da União Europeia, caso a Europa não aceite essa revisão do tratado europeu.

Em relação a esta ameaça, Merkel afirmou que espera que o Reino Unido permaneça na União Europeia.

Estas declarações surgem três dias depois de a imprensa ter noticiado que a França e a Alemanha tinham firmado um acordo para propor uma maior integração dos países do euro, sem mexer no Tratado de Lisboa. O Guardian escreveu que este pacto franco-alemão deverá ser aprovado na cimeira em Bruxelas do próximo dia 25 de junho,

Ler mais:

http://observador.pt/2015/05/29/merkel-nao-descarta-possibilidade-de-rever-tratado-de-lisboa/

A situação na Ucrânia continua longe de uma solução, tendo em conta os diversos interesses envolvidos. Leiam-se as declarações de  GUENNADI MOSKAL | GOBERNADOR DE LUGANSK

 

“Putin ha destrozado la UE, que ha sido impotente”

El presidente ruso ha hecho “una pausa”, pero “necesita más”, opina Moskal

Disparos en el frente (PILAR BONET Ródina 28 MAY 2015)

Guennadi Moskal, el lunes en una visita al frente, en una foto suministrada por el Gobierno de Lugansk.

Ucrania debe invertir en sus regiones del Este si quiere recuperar el control del territorio hoy dominado por los insurgentes separatistas, dice Guennadi Moskal, jefe de la administración civil y militar (gobernador) de la provincia de Lugansk. “Necesitamos dinero. Si no lo hay, estaremos mucho tiempo en guerra”, afirma el funcionario de 64 años en una entrevista realizada por EL PAÍS en un recorrido por el frente, entre la zona gobernada por Kiev y la controlada por los separatistas apoyados por Moscú. General de la policía y veterano político, Moskal fue responsable de Interior en Crimea en dos ocasiones. En septiembre, regresó a Lugansk, donde ya fue gobernador de 2005 a 2006. Se instaló en la localidad de Severodonetsk, pues Lugansk, la capital de la provincia, está en el territorio “ocupado”.

[…]

Según el gobernador, “Putin ha hecho una pausa”, pero “necesita más”. “Creo que aún hay bocados sabrosos que [Putin] quisiera arrebatarle a Donbás”, dice. “Todos estamos a la espera a ver qué decide el zar Putin. Todo está a punto para el combate y si mañana [Putin] se levanta y dice adelante, [los rusos] avanzarán”, añade.

“Putin ha destrozado la UE, que ha resultado ser impotente”, opina Moskal. “Países vecinos como Hungría o Eslovaquia comienzan a pensar igual que Putin, y otros se inclinan hacia Rusia por razones económicas”, afirma. “Con los lobbistas que Rusia tiene en la UE no creo que llegue a ver en mi vida el ingreso de Ucrania en esta organización”, exclama.

[…]

“Donbás fue el feudo del partido de las Regiones, que indispuso a la gente contra la llamada ‘junta de Kiev” y luego no pudo contenerla. “Les dijeron que la OTAN tomaría Lugansk y que serían esclavos de los europeos y, por desgracia, esta primitiva ideología caló en la sociedad”. Moskal quiere trabajar en la provincia hasta “estar seguro de que entraremos en la ciudad de Lugansk”. “Si pierdo esta esperanza, me iré de inmediato”, afirma, y aclara que su fin es “entrar en el edificio” donde trabajó. “Quiero ser uno de los primeros en llegar. Me compraré una alfombra roja, sobre ella entraré en el despacho donde trabajé y echaré a Plotnitski por la ventana”.

Ler mais:

http://internacional.elpais.com/internacional/2015/05/28/actualidad/1432828497_581561.html

A Agência Lusa/Observador, noticiou esta semana

Exercícios militares juntam NATO e neutrais em resposta a Rússia

Manobras de guerra envolvem 115 aviões de combate e 3.600 militares de nove países. Objetivo é simular manutenção de paz no quadro da ONU.

TORBJOERN KJOSVOLD / NORWEGIAN ARMED FORCES / HANDOUT/EPA

Exercícios militares, com a força aérea a simular uma missão de manutenção de paz no quadro da Organização das Nações Unidas, começaram esta segunda-feira no norte da Suécia, abaixo do Ártico, informou fonte da Defesa da Suécia.

 Os jogos de guerra, que envolvem 115 aviões de combate e 3.600 militares de nove países, estão a decorrer sob os auspícios da cooperação militar nórdica, entre os não-alinhados Suécia e Finlândia e o seu vizinho membro da Nato, Noruega.

Aos militares e aparelhos destes países juntam-se outros, da Alemanha, EUA, França, Países Baixos e Reino Unido, todos membros da Nato, e da neutral Suíça, que estão a usar bases no extremo norte da Suécia, Noruega e Finlândia. As manobras ocorrem em conjuntura de tensão crescente na região com os países nórdicos a reportarem o aumento da atividade da força aérea russa nas proximidades das suas fronteiras.

Ler mais:

http://observador.pt/2015/05/25/exercicios-militares-juntam-nato-neutrais-resposta-russia/

Ao mesmo tempo ocorrem incidências “inadvertidas”

EUA enviaram “inadvertidamente” amostras vivas de antrax para nove estados

O exército dos Estados Unidos enviou “inadvertidamente” amostras da bactéria viva do antrax a laboratórios de nove estados do país e a uma base militar norte-americana na Coreia do Sul.

SONG KYUNG-SEOK / POOL/EPA

O exército dos Estados Unidos enviou “inadvertidamente” amostras da bactéria viva do antrax a laboratórios de nove estados do país e a uma base militar norte-americana na Coreia do Sul, revelou hoje o Pentágono.

 As amostras, que, em princípio, deveriam conter antrax morto ou inativo, foram enviadas entre março de 2014 e o mesmo mês deste ano a laboratórios em Maryland, Texas, Wisconsin, Delaware, Nova Jersey, Tennessee, Nova Iorque, Califórnia e Virgínia, além da Coreia do Sul.

Ler mais:

http://observador.pt/2015/05/28/eua-enviaram-inadvertidamente-amostras-vivas-de-antrax-para-nove-estados/

Por cá ao mesmo tempo que decorrem as acções e decisões do governo (PSD/CDS) e do PS a caminho do início oficial das campanhas eleitorais, comenta-se notícias sobre a Banca (parece a figura referida por Teixeira dos Santos quando do caso BPN – falta descobrir os esqueletos que estão por detrás dos armários), que vão aparecendo aos poucos, como são os casos que se seguem:

Montepio perde 200 milhões em depósitos num mês

Autor: Edgar Caetano/ObservadorMARIO

Associação Mutualista está a perder depósitos e, entre notícias de uma auditoria especial do Banco de Portugal, já viu sair 600 milhões nos últimos dois meses, 4% do montante total em depósitos.

CRUZ/LUSA

O Montepio Geral perdeu 200 milhões de euros em depósitos no espaço de um mês e 600 milhões nos últimos dois meses, noticiou na noite de quinta-feira a TVI. O valor, confirmado pela instituição, representa mais de 4% do montante total em depósitos. Também a Associação Mutualista Montepio Geral tem sofrido resgates por parte de alguns dos mais de 600 mil associados, num valor que já supera os 200 milhões de euros.

Será uma notícia alarmista ou o aviso de que vamos ter um novo caso BES/BPN/BPP?

Ler mais:

http://observador.pt/2015/05/29/montepio-perde-200-milhoes-em-depositos-em-um-mes/

“O Económico à Uma” noticia:

moza banco

Novo Banco não pode vender Moza Banco

MARIA TEIXEIRA ALVES

Eduardo Stock da Cunha não pode vender os 49% do Moza Banco. O processo de venda em curso do banco de transição impede que sejam vendidos activos antes da venda.

Ficou definido no caderno de encargos do Novo Banco qual o perímetro do banco que será vendido. E neste momento decorrem cinco due-dillegences por conta dos cinco interessados que deverão apresentar uma proposta vinculativa até ao fim de Junho. O Fundo de Resolução, comandado pelo Banco de Portugal, pretende criar as condições para a existência de um leilão para optimizar o preço de venda, diz fonte.

Caberá por isso aos novos donos do Novo Banco, que só deverão ser conhecidos até ao fim do Verão, a decisão de negociar com o ex-CEO do Barclays, fundador da Atlas Mara. Robert Diamond foi despedido do Barclays em 2012 na sequência do escândalo da manipulação do mercado de taxas de juro.

[…]

O Moza Banco, que tem sede na capital Maputo, é a quarta maior instituição financeira de Moçambique com uma quota de mercado de 5,4% e 54 agências, de acordo com seu website. Tem activos de cerca de 62 milhões de dólares (57 milhões de euros), de acordo com seu relatório anual mais recente.

Ler mais:

http://auma.economico.sapo.pt/noticias/novo-banco-nao-pode-vender-moza-banco_219596?_swa_cname=newsletter&_swa_csource=afiliado&_swa_cmedium=email&cpid=economicot3

Mas afinal o que é este Banco?

Pesquisei na Net e obtive a informação que se segue

Historial

O Moza Banco iniciou a sua actividade em 2008, como um Banco Corporate e Private, tendo, em 2010, sido considerado pela KPMG no seu relatório das “100 maiores empresas de Moçambique”, como instituição financeira com o mais rápido crescimento em termos de volume de negócios.

Em 2012, a conceituada revista “The Banker” classificou o Moza Banco como o quinto Banco em África que mais cresceu em termos de activos. Mais recentemente, o Moza Banco foi galardoado pela prestigiada publicação de especialidade na área financeira, Global Banking and Finance Review, como o Banco comercial moçambicano com o mais rápido crescimento em 2014.

O crescimento do Moza Banco e implantação no mercado financeiro Moçambicano tem vindo a acentuar-se de um modo gradual e sustentado, alicerçado num ambicioso projecto de expansão, modernização e reforço à infra-estrutura tecnológica, para que gradualmente consolide o seu posicionamento de um banco universal de retalho, direccionado a todos os segmentos de mercado.

Actualmente, o Moza Banco ocupa a quarta posição no ranking bancário nacional, com uma quota de mercado de 6,97%, até Março de 2015 a terceira maior contribuição do crescimento do Movimento Financeiro do mercado.

Moza Banco expande presença na Beira e Nampula

26/5 em Moçambique

O Moza Banco abriu, hoje, cinco novas Unidades de Negócio nas províncias de Sofala e Nampula. Nomeadamente a Agência Mercado do Goto, a Agência Mercado da Munhava, a Agência Politécnica de Nacala, a Agência Mercado Resta e a Agência Mercado 25 de Junho.

A abertura das novas Unidades de Negócio enquadra-se no objectivo do Moza de facilitar cada vez mais o acesso a produtos e serviços financeiros pautando, para tal, por uma maior proximidade e conveniência na relação com o Cliente.

Com a entrada em funcionamento das novas Agências, o Moza Banco dá um forte impulso ao seu plano de crescimento e expansão, passando a contar com uma Rede de 56 Unidades de Negócio em todo o País. MOZA BANCO!

E a notícia que se segue?

Lisboa, 29 mai (Lusa) – O Citigroup adquiriu 3.753.415 títulos do Banco Espírito Santo (BES), o chamado ‘banco mau’ resultante da intervenção do Banco de Portugal no ex-BES, num negócio realizado fora do mercado regulamentado, anunciou hoje a entidade portuguesa.

“A aquisição resultou de uma transação ocorrida a 21 de maio de 2015”, lê-se no comunicado que está disponível na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que especifica que o negócio foi conduzido por uma participada do Citigroup, a Citigroup Global Markets Limited.

Após esta operação, cuja identidade do vendedor se desconhece, a entidade norte-americana passou a deter uma posição total de 113.262.901 ações do BES, a que se somam contratos ‘swap’, correspondentes a uma participação qualificada conjunta de 2,0137%.

Não consigo entender!

Ler em:

http://visao.sapo.pt/bes-citigroup-compra-375-milhoes-de-acoes-e-fica-com-2-do-banco-mau=f821237#ixzz3bXkLo6BR

Também o “Ecónómico à Uma” noticiou sexta feira (29/05)

 Estado relança concurso para a venda do Banco Efisa

MARIA TEIXEIRA ALVES

 A venda do Banco Efisa está outra vez a concurso. O processo voltou à estaca zero depois de um ano em negociações com uma sociedade inglesa em que esteve praticamente fechada a venda. Mas no passado mês de Abril, os britânicos desistiram. Agora o processo volta ao princípio e os candidatos têm de apresentar propostas durante o mês de Junho.

[…]

Os capitais próprios do Banco Efisa rondam os 16 milhões de euros. Mas as propostas deverão ficar abaixo do book value, pois há algumas cautelas em relação ao valor de alguns activos, nomeadamente créditos e participações financeiras.

[…]

Segundo fontes do mercado, um dos obstáculos à venda tem sido o compromisso assumido com o BIC. Há uma dívida do Efisa de 40 milhões ao BIC e que tem de ser paga no acto da venda do banco. A dívida vence assim que o Estado deixar de ser accionista do Efisa.

Ler mais:

http://auma.economico.sapo.pt/noticias/estado-relanca-concurso-para-a-venda-do-banco-efisa_219711?_swa_cname=newsletter&_swa_csource=afiliado&_swa_cmedium=email&cpid=economicot3

O Governo vai entretanto vendendo património da Segurança Social como noticiou o “Económico à Uma” no dia 27/5

Venda de imóveis rende 8,8 milhões de euros à Segurança Social

CRISTINA OLIVEIRA DA SILVA

O primeiro concurso do ano para venda de imóveis da Segurança Social “teve um total de 30 imóveis licitados, com uma adjudicação de 8,814” milhões de euros, revelou fonte do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social ao Económico.

 É pelo menos o segundo ano consecutivo em que o montante realizado com as vendas aumenta. O valor arrecadado há uma semana e meia é superior ao obtido no único concurso realizado no ano passado: 6,9 milhões de euros. Em 2013, os cofres da Segurança Social encaixaram 4,3 milhões de euros com estas vendas.

De acordo com informação já veiculada pela Segurança Social, este concurso contou com uma selecção de 47 imóveis – de palacetes a moradias ou arrecadações – sobretudo nas zonas de Lisboa e Porto, com valor superior a 10 milhões de euros. O prazo para apresentação de propostas terminou a 15 de Maio.

[…]

Aos 8,8 milhões de euros conseguidos neste concurso, acrescem 5,2 milhões de euros que resultaram da venda isolada de outros imóveis até Abril, conclui a mesma fonte.

Comentário: Como se faz a avaliação do que se vende, a quem se vende e qual o destino do valor dessa delapidação, de um património adquirido com capitais das quotizações pagas pelos trabalhadores (agora reformados) e empresas onde trabalharam e a quem anunciam novos cortes nas pensões?

Ler mais:

http://auma.economico.sapo.pt/noticias/venda-de-imoveis-rende-88-milhoes-de-euros-a-seguranca-social_219494?_swa_cname=newsletter&_swa_csource=afiliado&_swa_cmedium=email&cpid=economicot3

Por último dado o seu interesse e actualidade no contexto actual segue um artigo publicado no dia 26/5 na “Visão on-line

Ganhamos alguma coisa com as privatizações?

 Com a venda da TAP à porta e a concessão dos transportes de Lisboa e do Porto, o que resta ao Estado das suas grandes empresas emblemáticas? A vinda da troika para Portugal trouxe um plano de privatizações monumental, que rendeu 9,2 mil milhões de euros. Para onde foi o dinheiro, quem nos anda a comprar, e quais são as (des)vantagens para nós, contribuintes e consumidores

IMAGEM PRIVATIZAÇÕES 1

IMAGEM PRIVATIZAÇÕES 2

IMAGEM PRIVATIZAÇÕES 3

Comecemos pelas nacionalidades. A EDP foi para os chineses; a REN e a Fidelidade também; a ANA está com os franceses; os hospitais da Caixa Geral de Depósitos foram comprados por brasileiros; os CTT são de fundos e financeiras suíços, americanos, alemães, franceses, irlandeses e mais uns quantos; e a Empresa Geral do Fomento foi a única a ser comprada por portugueses.

[…]

E agora? “Em última análise, é o Presidente da República Popular da China quem controla a eletricidade em Portugal, e é uma empresa francesa quem controla duas importantes portas de entrada na capital do País: o aeroporto e as pontes Vasco da Gama e 25 de Abril”, resume Paulo Morais, conhecido por denunciar a corrupção, através da associação cívica Transparência e Integridade, e agora também candidato à Presidência da República.

[…]

O Estado é mau gestor?

O caso dos Correios de Portugal é paradigmático. Para preparar a empresa para a privatização, o Estado continuou o trabalho de reestruturação, reduzindo as estações dos correios e o número de funcionários, com mais de mil postos de trabalho destruídos desde 2012. Ao mesmo tempo que continuava a diversificar os serviços e fontes de rendimento. Os cidadãos contestaram a perda de cobertura territorial. E o Estado perdeu, com a privatização, os dividendos que recebia, uma vez que os CTT, nos últimos anos, tornaram-se numa empresa lucrativa. Por outro lado, encaixou 909 milhões de euros, que serviram para abater à dívida pública.

Sem dúvida que a nossa dívida seria maior se não fossem as receitas das privatizações. Mas estas, que totalizaram 9,2 mil milhões de euros desde 2011, são, ainda assim, uma gota no oceano da dívida pública, que atualmente ascende aos 225 mil milhões de euros. “O que o Estado arrecada com as privatizações não compensa o que perde com os dividendos que recebia. Até porque o Governo tem vendido as empresas lucrativas e concessionado as que não dão lucro. Na concessão, a operação é entregue aos privados, ficando o Estado com a dívida destas empresas”, refere Mariana Mortágua.

A deputada do Bloco de Esquerda fez as contas às privatizações desde 1977. “No total arrecadámos 38 mil milhões de euros. Ora, nesse período, só a EDP terá dado 8 mil milhões de lucros e a PT 12 mil milhões em dividendos. Além disso, muitos dos privados que compram as empresas públicas têm sede fiscal na Holanda ou no Luxemburgo, ficando o Estado a perder também em impostos”,

[…]

A luta está na rua. Mas dificilmente travará esta vaga de privatizações.

O artigo é extenso mas é importante a sua leitura e se possível guardar o texto, pois a memória é curta e manipulada de acordo com os interesses políticos de quem quer governar (diga-se estar no poder)

Não deixe de ler em:

http://visao.sapo.pt/ganhamos-alguma-coisa-com-as-privatizacoes=f820784#ixzz3bXb5LmaL

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: