NESTE DIA…NASCERAM MARIA HELENA VIEIRA DA SILVA E WILLIAM BUTLER YEATS

nestedia38

Maria Helena Vieira da Silva nasceu em Lisboa no dia 13 de Junho de 1908, na rua das Chagas, freguesia da Encarnação. Demos a voz à nossa colaboradora Rachel Gutiérrez, em texto de 16.12.2014 (Carta do Rio 29)

“Hoje quero falar sobre uma grande artista e personalidade fascinante, sobre quem já se escreveu muito, jamais o suficiente, porém, porque sua pintura, originalíssima, sobressai entre as mais representativas do século XX. Me refiro a Maria Helena Vieira da Silva, que durante alguns anos, no período conturbado da Segunda Grande Guerra, refugiou-se no Brasil com o marido também pintor, o judeu húngaro Arpad Szenes. E aqui fizeram grandes amigos: pintores, sendo o mais chegado o gaúcho Carlos Scliar; poetas, como Cecília Meireles, Murilo Mendes e Jorge de Lima; e músicos, como o pianista Arnaldo Estrela e sua mulher, a violinista Mariuccia Iacovino. Maria Helena foi também musicista: tocava piano e harmônio e seu compositor predileto era Bach, Johann Sebastian Bach.

foto

Sua pintura diferente, híbrida, ora abstrata ora figurativa e as duas coisas ao mesmo tempo, é vertiginosa, labiríntica e expansiva em sua nova concepção da perspectiva, que  sugere muitas palavras, títulos que poderiam ter os ensaios sobre ela, todos muito contrastantes, verdadeiros oximoros: Estruturas da Impermanência, ou Vertigem da Modernidade, ou Labirintos da Incerteza, ou Itinerário do Aberto, por exemplo… No século XX, assim como a literatura deixou de ser a escrita da aventura para tornar-se a aventura da escrita, da qual nossa Clarice Lispector é uma das mais ricas expressões, penso que a pintura de Vieira da Silva, além de ter deixado de ser a pintura do real para tornar-se uma espécie de real da pintura, é também um pensamento da pintura sobre o real. Sua pintura pensa e nos faz pensar. Ela mesma disse certa vez: “A gente finge que trabalha, mas não trabalha, medita.” E também disse que de nada tinha certeza: “É a incerteza que é a minha certeza! ”

As paredes, o chão, o teto avançam para o fundo. Mas no fundo outro espaço desponta. E em cada espelho um novo espaço nasce. É um lugar onde tudo está atento, denso de memória e de veemência. Lugar de revelação, de espanto e cismar e descobrimento.

Assim se referiu aos quadros de Vieira da Silva a grande poeta, sua compatriota contemporânea Sophia de Mello Breyner Andresen. E num poema dedicado a ela, como no mesmo movimento da pintura, sem vírgulas nem pontos para que a voz seja contínua, precipitada, vertiginosa como as formas e suas cores, as palavras que mais se fazem presentes são labirinto, minúcia, encruzilhada, escada, desvio, salas que se multiplicam, espelhos que devoram imagens. E “inelutável”, que é a palavra perfeita para definir a clara necessidade da arte da genial portuguesa.

A perspectiva em Vieira da Silva não é uma perspectiva matemática (geométrica) , não é a que se estudava nas escolas antigamente, mas a que poderia ser chamada de “perspectiva atmosférica” ou perspectiva aérea, essa que ela parece visualizar como se sobrevoasse cidades, portos, bibliotecas, edifícios. É muitas vezes uma visão esvoaçante, vertiginosa mesmo: um turbilhão. Tudo se passa como se num delírio ou sonho ela voasse sobre as cidades e as pintasse a partir do movimento vertiginoso de seu voo.

No poderosíssimo quadro La chambre à carreaux, que na verdade não são quadrados porque o movimento os torna losangos… nosso olhar é obrigado a abarcar a tela de fora para dentro e a dirigir-se para o fundo. A perspectiva não é deformada ou desfigurada, é transfigurada porque ela vê além, acima, os longes. É fascinante. Como se a incerteza criativa fizesse parte da criação.

Um de seus amigos mais íntimos, o poeta francês René Char, disse de forma definidora e definitiva: A obra de Vieira da Silva surgiu e o aguilhão de uma suave força obstinada, inspirada, reinstalou o que é preciso chamar de arte no mundo solidário da terra, que corre, e do homem, que se espanta.

Naturalizada francesa, Maria Helena Vieira da Silva morreu em Paris, em 1992. É uma artista do mundo.”

yeats

William Butler Yeats nasceu em 13 de junho de 1865, em Dublin, Irlanda. Foi um dos grandes nomes da literatura de língua inglesa.

Em 1889 fundou, juntamente com a escritora Isabella Augusta Gregorym, uma das incentivadoras do grupo teatral irlandês Renascimento Celta, o Irish Literary Theater de Dublin, transformado em 1903 na Irish National Theatre Society. Esta companhia, grande impulsionadora do teatro nacional irlandês, encenou especialmente peças de Yeats e de John Millington Synge.

A obra de Yeats compõe-se de poesia lírica de carácter simbolista e de diversas peças de teatro, inspiradas essencialmente na mitologia celta. Algumas das suas obras mais significativas são “Cathleen ni Houlihan” (1902), “On Baile’s Strand” (1904) e “Deirdre” (1907).

Ganhou o prémio Nobel de Literatura de 1923.

Ver: http://aviagemdosargonautas.net/2014/07/18/he-wishes-for-the-cloths-of-heaven-de-william-butler-yeats-traducao-de-rachel-gutierrez/ e

http://aviagemdosargonautas.net/2014/02/01/homenagem-a-yeats-por-rachel-gutierrez/

Leave a Reply