SINAIS DE FOGO – “Obrigadinho, stor Pires” – por Soares Novais

Imagem5

Caros amigos da Nau, venho aqui fazer-vos uma confissão: mal soube que o stor Pires despachou a TAP fui ao “super” comprar uma garrafa de champanhe.

Em boa verdade não foi uma garrafa de champanhe, mas sim uma garrafita de espumante de marca branca, meio-seco, pois aqui em casa o orçamento familiar só vai ser recheado de mais três euros.

Três euros?! Sim, três euros, ou seja mais ou menos 600 escudos na moeda antiga, um euro para cada um que é quanto vai tocar a cada um de nós quando o Estado embolsar os “10 milhões” pela qual vendeu a mais importante e maior exportadora portuguesa ao senhor da Barraqueiro e ao senhor brasileiro-norte-americano.

Sei que o stor não festejou o negócio com champanhe. Disse-o ao simpático José Gomes Ferreira, aquele sujeito da SIC que tem o mesmo nome do Poeta, pois para o senhor uma venda de 10 milhões de euros significa pouco mais do que nada…

Além do mais, desde que presidiu a uma cervejeira, o stor assinala os pequenos e grandes feitos com uma “imperial” ou com um “fino”. Conforme o festejo seja a sul ou a norte deste seu amado país, que está em vias de perder uma das suas mais conhecidas e notáveis bandeiras.

Isso, stor, não o preocupa. Como também não o preocupa o facto de ter vendido a TAP por 5% do custo de um avião; por 2/3 do salário que o seu Sporting vai pagar ao Jesus salvador, nos próximos três anos; ou os 12 mil postos de trabalho que vão parar às mãos do senhor da Barraqueiro e do senhor brasileiro-norte-americano de que sem diz ser especialista em mandar pessoas para o desemprego.

O stor cumpriu a missão que lhe foi confiada. Ponto. E quem lhe confiou a missão irá agradecer-lhe tão grande empenho. Generosamente.

A si e ao stor secretário Sérgio, que foi quem deu a carinha e a voz em defesa de tão desejada venda e que bem merece um “pires” para os tremoços…

 

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply