“LISBOA NA RUA”, DIA 17 DE SETEMBRO, ÀS 19 H , NA RIBEIRA DAS NAUS, ORQUESTRA DE JAZZ DO HOT CLUB DE PORTUGAL

Com o lema “Lisboa é minha, é tua e de quem a apanhar”, o Lisboa na Rua celebra o Verão na cidade. Traz-nos música às praças e cinema aos becos, exposições aos largos e performances às ruelas, para oferecer noites e fins-de-tarde memoráveis aos lisboetas e aos que nos visitam.

A programação do Lisboa na Rua é grátis e é ecléctica porque se quer de e para todos. Viajamos pelo jazz das big bands até à música de bandas francesas emergentes, que actuam num coreto de Lisboa como se fosse em Paris. Porque a identidade da cidade é também ela múltipla e diversa, sem deixar de ser portuguesa e fadista dos sete costados: tanto ouvimos fado no Largo de São Carlos como ragtime nos parques, a fazer lembrar os loucos anos 20.

A cidade é a musa desta edição do Fitas na Rua, que transporta o cinema para sítios inesperados, procurando um casamento perfeito entre a temática do filme e o lugar em que é exibido. As fitas mostram-nos Lisboa vista pelos nossos olhos e através do olhar do outro, em muitos tempos diferentes.

A arte contemporânea está presente e é para todos, através de exposições, performances, vídeo arte e intervenções no espaço público. E este ano, o teatro também marca presença, através de uma parceria com o Teatro Nacional D. Maria II, que sai à rua connosco.

Para ver programação completa:

http://www.lisboanarua.com/2015/wp-content/uploads/2015/08/lisboanarua2015-programa-web.pdf

17.9 lx

17 Setembro ORQUESTRA DE JAZZ DO HOT CLUB DE PORTUGAL

17 Setembro Ribeira das Naus 19h00 ORQUESTRA DE JAZZ DO HOT CLUB DE PORTUGAL “A música de Glenn Miller” A Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal (OJHCP) surgiu em 1991, reunindo alguns dos melhores músicos de jazz nacionais. Para além de inúmeras actuações por todo o país, destacam-se os concertos de inauguração da programação de Jazz na Culturgest (Lisboa), tendo como solista o trompetista Freddie Hubbard, o concerto com Maria João e Mário Laginha no Jazz em Agosto, da Fundação Calouste Gulbenkian, e as colaborações com os históricos Benny Golson, Curtis Fuller e Eddie Henderson. Em 1999, no centenário de Duke Ellington, apresentou-se com os saxofonistas Mark Turner e John Ellis. Recriou as obras de Miles Davis/Gil Evans – Porgy and Bess e Sketches of Spain, sob a direcção do maestro Robert Sadin, tendo como solistas os trompetistas Tim Hagans e Tom Harrel. Dirigida actualmente por Luís Cunha, a OJHCP tem integrado no seu repertório variadíssimos compositores, que vão desde contemporâneos como Kenny Wheeler, Maria Schneider e John Hollenbeck, aos clássicos e históricos como Duke Elligton, Count Basie, Thad Jones, Bob Brookmeyer ou Charles Mingus. Para este concerto, a OJHCP irá apresentar um dos programas tradicionais mais famosos da era do swing: a música de Glenn Miller. Sendo este maestro/compositor um trombonista, este instrumento tem papel de relevância no seu estilo inconfundível, baseado em orquestrações doces, meticulosamente executadas. A OJHCP irá pela primeira vez interpretar estes clássicos que, à imagem do movimento que popularizou este estilo, irão por certo convidar o público a “swingar”.

Leave a Reply