NÃO AO TTIP – PRODUTORES EUROPEUS DE MILHO DENUNCIAM O TTIP

 

 

cabeçalho - IV

flyer-sobalimentar

 

Os agricultores comunitários e a indústria de processamento de milho denunciaram o impacto negativo que poderá ter o acordo de livre-comércio entre a UE e os EUA conhecido por TTIP.

As organizações representativas dos produtores e transformadores de milho mostraram a sua preocupação em comunicado por alturas da 11ª ronda negocial em Miami, receando um aumento da entrada do cereal americano no espaço europeu.

Subscreveram o comunicado a Comissão da Organizações Agrárias e Cooperativas Europeias, a Organização de Produtores de Milho e as Associações de Produtores de Etanol, Fécula e Puré Starch Europe.

Produtores e industriais afirmaram que os EUA possuem uma forte indústria de etanol e de fécula devido a disporem de substanciais ajudas muito superiores ao que sucede na UE. Em resultado, as fábricas obtêm a matéria-prima a preços muito inferiores relativamente aos seus concorrentes europeus.

Ainda segundo o comunicado, os preços da energia nos EUA são cerca de 10 vezes inferiores aos europeus devido às restrições na exportação de gás e petróleo americanos e às políticas ambientais europeias.

Por estas razões, pediram a manutenção das taxas alfandegárias, uma vez que liberalização em consequência do TTIP originaria uma concorrência desleal e poria em perigo cerca de 150.000 empregos europeus relacionados com a indústria, além de afectar os rendimentos de 3,5 milhões de agricultores.

Produtores e industriais declararam apoiar um acordo transatlântico se se cumprirem certas condições-chave. Acrescentaram que os seus sectores representam uma facturação de 26.000 milhões de Euros….

Comentário

Cada vez mais associações de produtores e industriais vêm a público protestar contra o TTIP, por ganharem consciência dos graves prejuízos que o tratado acarreta para os diversos sectores. Não temos assistido a um movimento semelhante por parte daquelas actividades económicas que supostamente beneficiariam com o acordo. Estas preferem trabalhar na sombra, nos lobbies, no segredo dos gabinetes e evitam vir a público defender claramente os seus interesses. Esta dualidade de critérios é bem elucidativa dos valores que defendem uns e outros, bem como dos processos usados para os concretizar.

EFEAGRO, Bilaterals.org, 21/10/2015

www.bilaterals.org/?/los-produtores-europeos-de-maiz&lang=en

Tradução e adaptação de José Oliveira

Leave a Reply