A COMISSÃO EUROPEIA A PREPARAR UMA NOVA CRISE – 5. A UNIÃO DOS MERCADOS DE CAPITAL NÃO É UMA PANACEIA PARA A CRIAÇÃO DE EMPREGOS ESTÁVEIS E PARA CRESCIMENTO, PODE GERAR NOVOS RISCOS

logo_pt da comissão europeia

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

logo

 

 

Finance Watch, 2 de Junho de 2015

 

Bruxelas, 2 Junho de 2015 – A União dos Mercados de Capital  não é uma panaceia para a criação de empregos estáveis e para crescimento, e os responsáveis pelas políticas devem estar preocupados com os novos riscos sistémicos que um aumento da dependência de financiamento do mercado de capitais poderia introduzir para o sistema financeiro da UE, disse Finance Watch, a associação de utilidade pública dedicada à concepção de serviços financeiros ao serviço da sociedade.

Num encontro  com a imprensa organizado hoje pela Finance Watch para os correspondentes dos meios de comunicação italianos em Bruxelas, o responsável pela  Análise Política, Frédéric Hache, apresentou o documento  de Finance Watch “Capital Markets Union  in  5 questions”, em  que se explica porque é que os  cidadãos europeus devem estar preocupados com esta salsada de iniciativas propostas pela Comissão Juncker.

Finance Watch não apenas questiona  a capacidade da União dos Mercados de Capital  para fomentar o emprego e o crescimento em pequenas e médias empresas (PME), mas também teme que a proliferação  de empréstimos não-bancários (também chamado shadow banking) venha a  criar um ainda muito mais frágil sistema financeiro. Isto é muito problemático porque  o nosso sistema financeiro desempenha funções vitais para a economia e  a estabilidade do sistema financeiro é, portanto, uma condição prévia  para o crescimento sustentável.

Afirmou Hache:

“A nossa análise põe em evidência  o risco de a união dos mercados de capital poder enfraquecer o modelo de financiamento ao balcão da banca, o modelo  tradicional, as operações  bancárias assentes no relacionamento dos agentes banca e empresas que, quando realizado pelos bancos bem governados, está mais que provado  ser   a  fonte mais fiável  de financiamento para as PME,   durante e depois da crise. Em lugar disso, a união dos mercados de capital como está actualmente prevista promoveria os canais alternativos do financiamento tais como a titularização  que será provavelmente demasiado complexa  e demasiado cara para  beneficiar a maioria das PME. ”

O sector das PME  ainda enfrenta problemas intensos de acesso ao sistema financeiro em muitos países europeus, incluindo Itália (DG Enterprise and Industry 2014 SBA Fact Sheet, Italy, 2014). A proposta da união dos mercados de capital não parece capaz de responder eficazmente a este desafio. Finance Watch  questiona igualmente a capacidade desta aproximação da política para impulsionar o consumo, para enfrentar as  desigualdades e para dar a prioridade ao crescimento estável sobre as actividades que promovem a especulação.

A Comissão Europeia está actualmente num processo de consultas  sobre a estrutura proposta e aponta pôr em funcionamento a união dos mercados de capital em 2019. Embora isso  possa  parecer ainda longe, as decisões importantes  estão agora a ser  tomadas. Finance Watch  acredita que esta estrutura é mesmo muito importante e que enquanto tal merece  um debate democrático dado o seu impacto nas vidas dos cidadãos europeus e até para que as próximas décadas.

Outras publicações da Finance Watch :

“Capital Markets Union in 5 Questions” (pdf, 12 pages, also available in Italian,French and  Polish)

“A missed opportunity to revive “boring” finance?” (pdf, 98 pages) Finance Watch’s position paper on the long term financing initiative, good securitisation and securities financing

Cartoon on long term financing (pdf, 9 pages, also available in FrenchGermanPolishItalianDutch and Spanish)

Finance Watch, Capital Markets Union is not a cure-all for SME jobs and growth, may generate new risks.

Texto disponível em: http://www.finance-watch.org/press/press-releases/1104

Leave a Reply