COMBOIO MALANDRO, de ANTÓNIO JACINTO – por FAUSTO

Imagem1

 

 

(1924 - 1991)
(1924 – 1991)

 

 

 

 

 

 

 

 

Comboio malandro - I

Comboio malandro - II

Ontem, 3 de Fevereiro, na Junta de Freguesia de Vila Franca de Xira, ocorreu a apresentação do livro de contos “Largo da Mutamba”, de Domingos Lobo, que recebeu o prémio Alves Redol em 2013. Embora com pouco público, como infelizmente acontece muitas vezes neste tipo de eventos, em que o número de pessoas a assistir é inversamente proporcional ao valor da obra apresentada, a sessão decorreu com brilhantismo, tendo o seu ponto alto com Domingos Lobo e Manuel Diogo  a declamaram poemas de cinco autores angolanos. O último foi este, Comboio Malandro, de António Jacinto. Já o tínhamos apresentado aqui, n’A Viagem dos Argonautas, em 30 de Outubro de 2014. Ver em:

CASTIGO PRÓ COMBOIO MALANDRO, DE ANTÓNIO JACINTO

Pensamos que o poema merece um segunda leitura, e que a interpretação do Fausto ainda o valoriza mais. Temos pena de não conseguir reproduzir a apresentação feita ontem pelo Domingos Lobo e pelo Manuel Diogo que foi excepcionalmente boa. Pode ser que um dia se consiga.

Leave a Reply