ARTISTAS UNIDOS – NEWSLETTER

header

E-Card Abril 2016

E o filme AINDA NÃO ACABAMOS estreia esta quinta feira, 14 no Cinema Ideal. Só até 20. No Teatro da Politécnica continua o ciclo S.O.S. d’Os Possessos com a estreia de PRIMEIRA GERAÇÃO de Nuno Gonçalo Rodrigues (14 a 16 de Abril) Enquanto nos preparamos para estrear JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams (27 de Abril, no Teatro da Politécnica) e a preparar uma exposição do Jorge Martins para a Sala das Janelas (inaugura a 27 de Abril), GOTA A GOTA. Na Sala dos Passos Perdidos, na Assembleia da República, apresentamos NESTA HORA PRIMEIRA nos 40 anos da Constituição (4a, 13 de Abril).

Ainda não acabámos - II

AINDA NÃO ACABÁMOS como se fosse uma carta de Jorge Silva Melo

Com depoimentos de Álvaro Lapa, Fernando Lemos, Jean Jourdheuil, Jorge Martins, José Medeiros Ferreira, Luiza Neto Jorge, Manuel Wiborg, Sofia ArealSpiro Scimone e a participação de  Américo SilvaAntónio SimãoCatarina WallensteinElmano SanchoIsabel Muñoz Cardoso, João Meireles, João Pedro Mamede,  Maria João Luís, Maria João PinhoMiguel Borges, Pedro CarracaPedro GilRita BrüttRúben GomesVânia Rodrigues (e muitos outros) Cenários e Figurinos Rita Lopes Alves Fotografia  José Luís Carvalhosa Som Armanda CarvalhoMontagem Miguel Aguiar e Vítor Alves Realização Jorge Silva Melo Produção Artistas Unidos/RTP

No Cinema Ideal de 14 a 20 de Abril

Sou eu que escrevo esta carta, como se fosse uma carta, sim, sou eu. Não tanto para falar de mim, mas do que me prometeram, daquilo que perdi, daquilo que consegui continuar. Prometeram-me um mundo de linhas simples, cresci quando se fazia, ao lado da minha escola, o edifício das Águas Livres de Nuno Teotónio Pereira, Portugal saía do português-suave que se sobrepôs ao modernismo. O mundo que imaginei meu seria assim, simples, sem enfeites. Foi o que me prometeram tantos dos que vieram antes de mim. Visito aqui os locais – nem todos – que me disseram seriam os da minha vida. Que foi feita por outros que a desenharam. Em Lisboa, ou em Paris, onde trabalhei e onde me sinto em casa. Ou Roma onde não cheguei a instalar-me. Lembro muita gente que me contou o mundo – mas nem todos.. É uma carta. Ou… É um auto-retrato (auto-filme? auto-golo) comigo de costas: para que quem veja, veja o que eu vejo. Aquilo que vejo (vi, verei) será aquilo que sou? Mas é uma carta, é a ti que quero contar, a ti, rapaz que quiseste ser actor.

Jorge Silva Melo

SOS

S.O.S. ciclo organizado pel’Os Possessos

PRIMEIRA GERAÇÃO de Nuno Gonçalo Rodrigues Com Diogo Janeiro, Inês Coelho, Inês Santos, Inês Sousa, Joana Bogarim, Márcia Silva, Samuel Belchior Encenação, Cenografia e Figurinos Gonçalo Quirino Uma produção Colégio José Álvaro Vidal – Fundação CEBI Apoio Artistas Unidos, OS POSSESSOS M16

No Teatro da Politécnica, 14 a 16 de Abril
5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas
| 961960281 | 213916750 (dias úteis 10h às 18h)
Preço único: 6€


Acabaste de sair de um estado de suspensão temporária das funções vitais. Está tudo bem, mas estiveste a dormir durante muito, muito tempo. Os sinais vitais estão bem, a confusão que sentes faz parte do processo. Lentamente tudo voltará. Estamos muito satisfeitos. Tudo correu bem, dentro da absoluta normalidade.

Primeira Geração, Nuno Gonçalo Rodrigues

Achamos que isto é um sonho, mas pode ser outra coisa. Acordamos e temos uma nova vida, ou o sonho continua, porque só somos nós aqui, os novos, e são só nossas as escolhas – só nós sabemos o sentido, a direcção, o programa. Somos o controlo remoto da televisão. E não desligamos. Não podemos destruir um mundo que acaba de nascer.

Fotografia © Alípio Padilha

Jardim Zoológico de Vidro

JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO de Tennessee Williams Tradução José Miguel Silva Com Isabel Munoz CardosoJoão Pedro Mamede, José Mata e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Coordenação Técnica João Chicó Produção João Meireles Assistência de Encenação António Simão Encenação Jorge Silva Melo M14

No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00
Reservas | 961960281 | 213916750 (dias úteis das 10h às 18h)

TOM Hoje em dia o mundo é atravessado por relâmpagos que o iluminam! Apaga as velas, Laura – e adeus…

Tennessee Williams, Jardim Zoológico de Vidro

Derrotados, sim, abandonados, sem hipótese, deixados para trás, com a electricidade cortada e contas por pagar, vencidos: mas estes são os invencíveis, esses sonhadores que Tennessee Williams cantou.

Jorge Silva Melo

Fotografias © Jorge Gonçalves

 

Jorge Martins

GOTA A GOTA de Jorge Martins

Fotografias 2014-2015

No Teatro da Politécnica de 27 de Abril a 4 de Junho
3ª a 6ª das 17h00 | Sáb. das 15h00 até final do espectáculo

Inauguração a 27 de Abril pelas 21h00 

Nesta hora primeira

NESTA HORA PRIMEIRA nos 40 anos da Constituição da República Portuguesa Com André Pardal, Andreia BentoAntónio Simão, David Esteves, Isabel Muñoz Cardoso, Joana Reis, João MeirelesJoão Pedro MamedeJorge Silva Melo, Leonor Buescu, Maria Manuel, Miguel Galamba, Nuno Gonçalo RodriguesPedro Carraca, Simon Frankel, Rafael BarretoTiago Matias e os estagiários da ESTC João Maia, Lara Matos e Rodrigo Ribeiro Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Direcção Musical Rui Rebelo Luz Pedro Domingos Montagem José Manuel Reis Produção João Meireles Assistência de Encenação António Simão/Pedro Carraca Montagem de textos e Encenação Jorge Silva Melo

Na Sala dos Passos Perdidos da Assembleia da República, 13 de Abril, 18h30 e 21h30

Documentos que ecoam ainda hoje, cartas, discursos, notícias soltas, falas da rua, comunicados, perguntas, dúvidas, acusações, convicções, hesitações. E assim falaremos das “dificuldades [que] nunca escassearam, dos problemas [que] surgiram de todos os lados (esperados uns, outros inesperados), das hesitações [que] foram numerosas, dos incómodos quotidianos, da angústia frequente, [pois] no caminho percorrido muitos foram os trechos sinuosos, os exemplos que demos nem sempre teriam sido os mais edificantes” no dizer claro que demos nem sempre teriam sido os mais edificantes” no dizer claro de Henrique de Barros. Queremos assim falar desse ano em tantas coisas primordial, em que homens e mulheres finalmente eleitos, souberam, todos eles “dar provas, de vitalidade, resistência, autodomínio, serenidade e perseverança, recusaram-se a desertar.”

Fotografia © Jorge Gonçalves

Apoios Contactos - Apoios

Leave a Reply