O DRAMA DOS MIGRANTES NUMA EUROPA EM DECLÍNIO E CAPTURADA POR ERDOGAN E OBAMA – 16. OBAMA, PRÉMIO NOBEL DA PAZ MAS IMPERADOR EM VIAGEM – OLHEMOS PARA A SUA VIAGEM PELA EUROPA, por ROLAND HUREAUX

refugiados - I

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

europe_pol_1993

Obama, Prémio Nobel  da Paz mas Imperador em viagem

Olhemos para a sua viagem pela Europa

Causeur_svg

hureaux.thumbnail

Roland Hureaux, Obama, Prix Nobel de la paix mais Imperator en tournée. Retour sur son voyage en Europe

Causeur.fr, 11 de Maio de 2016

Ambíguo, ou mesmo frequentemente traiçoeiro, o presidente dos Estados Unidos conduz uma política internacional que não é de fácil leitura. Contudo, isso  não o impediu de realizar uma viagem quase imperial sobre o continente europeu em que distribui elogios e críticas …

Obama Imperador
Obama aquando da reunião do G5 em Hanover  (Photo : SIPA.AP21887029_000002)

 

Considerando a tournée quase imperial que Barack Obama acaba de  fazer pela  Europa, como é que se pode deixar de ter dificuldades em  compreender as críticas dos conservadores americanos contra este presidente que eles têm como  responsável do enfraquecimento do poder americano no mundo? Imperial, a tournée europeia do presidente mostrou  a força que o Presidente assumia: veio  a  Londres falar da  sua hostilidade ao Brexit,  a Berlim defender a aprovação do Tafta e felicitar Merkel pelo seu largo acolhimento dos migrantes, ele, em cada vez que falou, falou como sendo o Chefe. Note-se, de  passagem que a etapa de Paris não lhe pareceu necessária: a França de François Hollande  já  não conta, não passa de um moço de recados..

É a primeira vez de resto que o actual presidente parece interessar-se tanto pela  Europa. Estranho Obama: mestiço  com um aspecto de patrício  que não tem  um só antepassado escravo (1), descendendo  pela parte de sua mãe de Jefferson Davis, presidente  da Confederação sulista  durante a guerra da  Secessão, de Saint Louis e de Guillaume o conquistador (2) ele ter-se-á mostrado  durante  muito tempo dar a prioridade ao Pacífico, onde passou a sua juventude. A América começaria a preocupar-se com a deslocação possível da Europa?

No entanto  são tantas as acusações feitas pelos  conservadores! Obama teria presidido ao enfraquecimento dos Estados Unidos, ou mesmo tê-lo-ia desejado, seria secretamente muçulmano e por aí seria inimigo do seu próprio  país. A sua política estrangeira é contudo de difícil leitura. É certo que fez as pazes  com  Cuba cuja importância estratégica já não é o  que era. Mais decisivo: o acordo de Washington com o Irão (14 de Julho de 2015) que faz urrar  Israel. Obama evacuou o Iraque como tinha  prometido mas não para aí alcançar  a paz. Continua a bombardear o Afeganistão mesmo se houve redução dos efectivos. Também não, contrariamente às suas promessas, não fechou a prisão de Guantanamo. Os seus inimigos conservadores põem estes progressos por  conta pela  sua qualidade de suposta  pomba validada aliás pelo seu Prémio  Nobel da paz. E também validados pelos seus apoios à  esquerda, de resto.

Um mestre da ambiguidade

No entanto quantas acções duvidosas neste mestre da ambiguidade! Vendo bem,  o seu passivo é pesado: foi   efectivamente o governo Obama que presidiu, com a secretária  de Estado Hillary Clinton, às primaveras árabes das quais, hoje sabemo-lo. quanto elas  foram manipuladas e é que como deram mal resultado. Houve a destruição da Líbia, há o facto que tentou a destruição da Síria apoiando  os  rebeldes  jihadistas (pretensos  democratas) que combatiam o presidente Assad, e que de maneira oculta  ajudou à constituição de Daech no Norte do Iraque e no Leste da Síria, apoiando ao mesmo tempo os Curdos. Alimentando estas guerras, incentivou as migrações de refugiados  para a Europa surgidas nesta sequência das suas de acções. .

O mundo esteve muito perto da guerra em Agosto de 2013 quando armas químicas foram utilizadas nos subúrbios de Damasco. Os Estados Unidos estavam prontos para bombardear a Síria quando Obama recuou, aceitando a mediação de Putin. Foi o presidente que salvou a paz ou, como ele também o disse, o Estado-maior que o dissuadiu de atacar, sabendo a capacidade de resposta russa? Não podia em nenhum caso ignorar o que todos hoje sabem: que se tratava  de um golpe montado pelos rebeldes. (3) .

Mais grave: a presidência Obama coincide com a subida dos perigos na Europa do Leste. Os acontecimentos da Praça  Maïdan em Kiev (22 de Fevereiro de 2014) foram, na verdade, e de  acordo com a expressão de Valéry Giscard de Estaing, “um golpe de Estado da CIA” contra um presidente, Viktor Ianoukovitch, regularmente eleito mas que tinha o defeito de ser pró-russo em  benefício de um poder insurreccional  pró-americano. A guerra que rebentou imediatamente no Leste da Ucrânia e a tensão que aí  se verifica é muito  forte é uma das suas consequências. Ninguém duvida que esta operação não poderia ter sido realizada  sem a luz  verde do Prémio  Nobel da paz. O acordo com o Irão, que passa para uma obra de paz, não tem ele  também como  objectivo principal cercar a Rússia?

Mesmo se a substituição em 2013 de Hillary Clinton por John Kerry, muito menos belicista, permitiu um certo apaziguamento, a NATO de resto decidiu no  início de 2016, aumentar sensivelmente a sua presença militar na Europa de Leste. E apelando  ao mesmo tempo a  uma larga coligação  contra o  Daech, o presidente Obama continua  clandestinamente a    fornecer  armas se não ao  Daech, que tinha ajudado  desde os seus inícios, pelo menos a   outros movimentos jihadistas, com a vontade deliberada de não permitir aos Russos de chegarem  à uma vitória total, único meio para restabelecer a paz neste infeliz país.

O método que consiste em estabelecer  cada semana uma lista de pessoas a mandar matar r sem processos em todos os quatro cantos do mundo – Ben Laden  terá sido a  vítima mais espectacular – tornou-se de uso corrente à Casa Branca sob a Administração Obama.

A América paga o preço dos seus equívocos

Os conservadores têm contudo razão em  denunciar uma perda de prestígio dos Estados Unidos, no Médio Oriente e no mundo. Mas esta perda de prestígio não é precisamente devida  a estes métodos  que logicamente devemos chamar de  hipócritas?

A América de Obama actua  sobre quase todas as frentes com um duplo jogo: apela ao mundo muçulmano para se orientar pela via da democracia e apoia os Irmãos muçulmanos, organiza coligações contra o jihadismo e  arma-os  em segredo, entende-se com o Irão pretendendo ao mesmo tempo continuar a  apoiar Israel e  a Arábia Saudita, apoia os Turcos e os Curdos, entende-se directamente com Moscovo ao mesmo tempo que põe óleo nas brasas,  ô quanto eles são  perigosos, da Europa do Leste, empurra os Europeus a punir  os Russos ao mesmo tempo que os Estados Unidos desenvolvem o seu comércio com os russos.

Diz-se que a fraqueza de Obama abriu as portas do Médio Oriente a  Putin. Mas não será  antes este duplo jogo que, fazendo do Médio Oriente um vasto inferno em  chamas, tornou necessária a intervenção de uma potência terceira de que muitos esperam que com ela se consiga a paz sobre a única base realista: a vitória unilateral sobre os islamitas e por conseguinte a manutenção Assad? Os Russos terão eles feito  outra coisa que levar à letra, quase sozinhos, o apelo de Obama à uma coligação  contra o  Daech em Agosto de 2015 para  voltar em toda a  legalidade sobre a cena do Médio Oriente.

Um Império tem muitos inconvenientes para os povos amantes da  liberdade mas, ao menos, espera-se dele  que preserve  a paz: pax romana outrora,  pax americana ontem. É aqui que está a sua legitimidade. Para isso, o Império deve falar alto e ser claro, estilo Trump se quisermos. Com a América de Obama, está-se longe disto.

Não excluímos seguramente que as contracções aparentes da política americana sejam devidas  a conflitos  entre os seus serviços: o rumor de acções divergentes no  terreno entre o  exército americano de um lado, a CIA do outro, no Norte do Iraque não é talvez sem fundamento. Seria portanto, não o resultado do jogo duplo mas uma autêntica fraqueza do executivo que seria necessário pôr em causa.

Seja como for, o resultado é o mesmo: contra os esquemas simplistas que opõem sumariamente falcões e pombas, Barack Obama mostrou que,  pela combinação de que é talvez com efeito uma fraqueza e certamente um jogo duplo  quase sistemático, uma política demasiado sofisticada podia constituir uma verdadeira ameaça para a paz

  1. Obama descende pelo seu pai de uma linhagem de chefes do leste africano e pela sua mãe descende da aristocracia sulista. 

  2. http://www.capedia.fr/

  3. Dois estudos independentes vão no mesmo sentido: https://www.rt.com/news/study-challenges-syria-chemical-attack-681/ e

 http://www.comite-valmy.org/spip.php?article6837

Roland Hureaux, Revista Causeur, Obama, Prix Nobel de la paix mais Imperator en tournée -Retour sur son voyage en Europe. Texto disponível em :

http://www.causeur.fr/obama-etats-unis-europe-otan-russie-38121.html

Leave a Reply