CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – UMA CIDADE NOVA SE CONSTRÓI CARIADA / PASSEIO: A LISBOA DE MÁRIO DIONÍSIO – OFICINA: ILUSTRAR UM POEMA – A PALETA E O MUNDO – CINEMA: PARIS QUE DORME, CHUVA E RUÍNAS

24 a 27 de Junho de 2016

Sexta-feira, 24 de Junho,
18h30
A Norte, o vento frio na cara, mais abaixo, o vento quente do deserto. Passamos pela queda do comunismo, pelas ruínas, fachadas e toda a poluição (e que faço eu aqui?). Projecções plásticas, não prometemos, mas encontrámos línguas impossíveis e imaginamos drogas aqui e ali. E apitos, vozes iradas, (de repente) gritos. A paisagem? É a noite e a madrugada. Entretanto, noutros textos, visitamos dolorosas arquitecturas.O nosso mapa é um disco: Mutantes S.21 dos Mão Morta.

Abrimos o mapa: «Lisboa, Cais do Sodré». Depois, Amesterdão, Budapeste, Barcelona, Marraquexe, Berlim, Paris e Istambul. No fim, a «cidade de sempre» ou o «reino da luz» por descobrir. Sonhos de mil e uma fantasias a toda a velocidade.

Sessão organizada por Lara Afonso, Marta Raposo e Youri Paiva. Com participações do mundo inteiro.

Sábado, 25 de Junho, 15h
Ponto de encontro:
Casa da Achada
Ser livre em pleno salazarismo não era nada fácil: o controlo asfixiante, a censura, havia a PVDE/PIDE e qualquer voz contra era logo calada, reduzida ao silêncio.Mário Dionísio era um espírito livre, atravessou toda a ditadura, mas conseguiu recortar o seu espaço de liberdade: a escrita, a pintura, o jornalismo e, depois, os cafés, as tertúlias, o empenho político, nunca abdicando do seu «mundo». Com dificuldades, com derrotas, mas nunca se rendeu.

Este passeio quer ser uma (re)descoberta da Lisboa diferente de Mário Dionísio, do MUD e do Diabo, do Grémio Alentejano, do Café Portugal e do Martinho. Locais cheios de histórias e estórias que serão visitados e acompanhados com a leitura de excertos de livros, entrevistas, artigos e poemas do Mário Dionísio, protagonista desta Lisboa Livre.

Passeio orientado por Eupremio Scarpa e com leituras a várias vozes.

A Casa da Achada, bem como a sua biblioteca, fecha, neste dia, a partir das 15h.

Domingo, 26 de Junho, das 15h30 às 17h30

Retomando a poesia de Mário Dionísio (tratados na oficina de leitura que decorreu no mês de Maio),  vamos, com Carla Mota, pegar em folhas de papel com estes poemas impressos e ilustrá-los com materiais diversos. Aproveitar a mancha de texto, cortar e colar, compor e decompor, riscar com canetas, lápis ou pastel, fazer uma mancha em aguarela, desenhar ou pintar… Experimentar a mistura de técnicas e materiais diversos. É este o desafio…

Número máximo de participantes: 10.
Para todos a partir dos 10 anos.

Segunda-feira, 18 de Abril, 18h30

Continua a leitura comentada, com projecção de imagens, de A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio. Vamos na 4ª parte, «Durante as grandes tempestades». Quem lê o 1º capítulo, «”French-cancan” e música de câmara», é Lena Bragança Gil.

ATENÇÃO, estamos a fazer uma campanha de angariação de fundos para a reedição de A Paleta e o Mundo. Vejam aqui como contribuir.

Segunda-feira, 18 de Abril, 21h30

Na última sessão do ciclo de cinema «Outras cidades», projectamos os filmes Paris que dorme (1924, 35’) de René Clair, Chuva(1929, 15’)
de Joris Ivens, apresentados por João Pedro Bénard, e Ruínas(2009, 60’) de Manuel Mozos, apresentado pelo realizador.

A Casa da Achada já tinha programado, no Verão de 2014, um ciclo de filmes – «Cidades de certa maneira» – sobre a temática das cidades. Porque fazemos questão em não repetir filmes já exibidos, propomos agora que a abordagem ao tema da cidade seja feita por filmes em que a arquitectura seja – de vários modos e por razões muito diferentes – o factor comum.

Em Julho, começa o ciclo de cinema ao ar livre «Fronteiras».

EXPOSIÇÃO DE MÁRIO DIONÍSIO NO MUSEU DO NEO-REALISMO

  • «PASSAGEIRO CLANDESTINO – MÁRIO DIONÍSIO 100 ANOS»
    Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira

    Até 26 de Fevereiro de 2017
    «Com a curadoria de António Pedro Pita, a exposição fará a retrospetiva da obra do Poeta, ensaísta e pintor, que foi um dos teorizadores mais importantes do movimento literário neorrealista nos anos 40, sendo assinalável a sua regular colaboração em jornais e revistas literárias da época, como Presença, Altitude, Revista de Portugal, Seara Nova, Vértice, entre outras.
    Poeta de combate e de intervenção, Mário Dionísio, que nos deixou uma diversificada bibliografia no plano da ficção, do ensaio e da poesia, teve, com um bom acolhimento da crítica da especialidade, a sua primeira exposição individual apenas em 1989.»

NO NOSSO HORÁRIO DE ABERTURA* HÁ:

  • EXPOSIÇÃO «LISBOA ACIMA, LISBOA ABAIXO – LISBONNE: LECTURE D’UNE VILLE»
    Até 22 de Agosto
    Uma cidade como que «sentada à beira do tempo», semelhante a nenhuma outra na Europa, uma cidade à parte, ambientes macios, uma vida.
    História, terramoto, Revolução.
    Uma cidade sensível, que, como a água a dormir, esconde a sua memória. A luz dos azulejos de um azul celeste como grafitis eternos.
    Pode dizer-se de Lisboa tudo e o seu contrário. Os habitantes dirão muito menos. Então vamos ler a cidade: a arte de nela morar e de a compreender.
    Pela escrita, pelo desenho ou a pintura mural.
    Lisboa causa espanto. Os habitantes pensam assim, é a cidade que o faz. Daí este caminhar, este itinerário entre a discrição de uns e a complexidade do conjunto.
    Autores da exposição: Jean-Luc Le Douarec, francês, jornalista (textos); Alain Campos, francês, pintor (imagens).

 

  • BIBLIOTECA E MEDIATECA DA ACHADA
    A Biblioteca Pública da Achada tem secções de Literatura, Arte, Cinema, Teatro, História, Ciência, Literatura Infanto-Juvenil, etc… Pode-se ler no local ou requisitar livros.
    Na Mediateca estão disponíveis os filmes que temos vindo a projectar nos nossos ciclos de cinema.
    O catálogo da Biblioteca e Mediateca está disponível na internet, aqui
    .* 2ª, 5ª e 6ª feiras, das 15h às 20h
    sábados e domingos, das 11h às 18h

EM QUALQUER DIA, COM MARCAÇÃO, É POSSÍVEL CONSULTAR:

  • O CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO
    Constituído pelo arquivo de Mário Dionísio e pela sua biblioteca e de Maria Letícia Clemente da Silva (mais de 6000 volumes e mais de 200 publicações periódicas).
    O índice do espólio de Mário Dionísio pode ser consultado na internet, aqui.
    O índice da bibliografia de Mário Dionísio pode ser consultado na internet, aqui.
    O catálogo da biblioteca de Mário Dionísio e Maria Letícia Clemente da Silva pode ser consultado na internet, aqui.

QUEM QUER EXPERIMENTAR TEATRAR?

  • NO GRUPO DE TEATRO COMUNITÁRIO DA CASA DA ACHADA
    Quem quer experimentar usar a voz e o corpo para dizer coisas com ou sem palavras? O grupo, com F. Pedro Oliveira, ensaia habitualmente todas as terças-feiras às 21h. É só aparecer e participar.

QUEM QUISER E PUDER PODE AJUDAR A CASA DA ACHADA:

 

Escolas - I

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 [Contactos] Centro Mário Dionísio

Contactos

 

Morada Casa da Achada – Centro Mário Dionísio
Rua da Achada, 11, R/C
1100 – 004 Lisboa (ver localização)
Telefone 218 877 090
E-mail Casa da Achada
casadaachada@centromariodionisio.org
E-mail Livraria
livraria@centromariodionisio.org
E-mail Distribuição de Edições
livros@centromariodionisio.org
NIB NIB para donativos e pagamento de quotas
0036 0000 9910 5869 2830 8
Equipa de Comunicação Web

 

E-mail André Spencer e F. Pedro Oliveira

web@centromariodionisio.org

Leave a Reply