EDITORIAL – Para que serve um blogue?

logo editorialO cadavre exquis, ou cadáver esquisito, é um jogo inventado pelos surrealistas, baseado no automatismo psíquico e na escrita automática, traves mestras do movimento. Vários jogadores escrevem um texto, cabendo a cada um uma frase. Vamos supor que a regra era responder a uma frase que termina em «para que serve»? A resposta pode, ou não, fazer sentido. Exemplo: «Para que serve um manual de condução?» e a resposta era «serve para que as flores percam o tom lilás»- Não faz sentido, pelo menos numa abordagem lógica imediata. Porém, se a pergunta for «para que serve um blogue?», as hipóteses de a resposta fazer sentido são grandes. Basta ler o ranking dos blogues mais lidos para compreender que um blogue serve para tudo.

Ou para nada?

Há muitas centenas de milhões de blogues no mundo. Nestes escassos segundos que passaram desde o começo do paragrafo, foram criados mais alguns. Por certo não haverá área do conhecimento que não esteja coberta por milhares de blogues (e do desconhecimento também não). Criou-se um universo virtual, que não para de crescer, por onde circula informação e muita desinformação.

Há temas mais explorados que outros(o futebol. por exemplo) mas nem merece a pena exemplificar. A informação torna-se duvidosa, sendo aconselhável cruzar vários posts – se todos coincidirem… O planeta, como McLuhan previu, começa a transformar-se numa aldeia.

É bom? É mau?

È bom porque dá voz a todos. ricos, pobres, opressores, oprimidos. È uma terapia ocupacional que evita pessoas com problemas de locomoção (por exemplo) fiquem encerrados, prisioneiros da sua incapacidade, abrindo-lhes uma janela para o mundo. Todos podem dar a conhecer as suas angústias e alegrias, frustrações e sucessos.

A Internet, com os blogs, os sites, as redes sociais é um mundo virtual que pode ajudar a transformar a realidade. À mistura com informação útil, o narcotráfico circula. É um instrumento maravilhoso e uma arma letal. A ciência avança.O hominídeo continua a sentir a forte nostalgia das cavernas.

Leave a Reply