JEAN-ARTHUR RIMBAUD – POETA E TRAFICANTE DE ARMAS – I – por CARLOS LOURES

DEBATE: QUE RUMO QUEREMOS PARA A DEMOCRACIA EM PORTUGAL? – Depoimento de Carlos Loures

Há dias atrás, referi aqui o espanto que causou em alguns meios intelectuais a publicação da correspondência privada de René Magritte com o seu agente em Nova Iorque. Surpreendeu, sobretudo, a minúcia do grande pintor surrealista belga na abordagem das questões comerciais relacionadas com os seus quadros. A propósito desse pequeno e despretensioso texto, travou-se depois um interessante debate com judiciosas intervenções, particularmente as do Adão Cruz e do Josep Vidal. Na realidade, poetas, pintores, escritores, artistas, em suma, têm de sobreviver como qualquer outro ser humano – transaccionando a sua obra ou desenvolvendo outras actividades.

E acredito que o carácter prosaico de algumas dessas actividades choque as pessoas que vêem no artista o demiurgo, o criador de transcendência, não conseguindo vislumbrar para além da persona o ser humano, o homem-comum.  Usando mais uma vez Fernando Pessoa como exemplo, não terá sido um desperdício para a Literatura Universal que ele tenha gasto tempo a escrever cartas comerciais? Cartas, aliás, escritas num inglês de uma qualidade tão refinada que os destinatários se surpreendiam com a linguagem com que o correspondente tratava assuntos comerciais. Por outro lado, terá sido essa experiência que lhe permitiu escrever o Livro do Desassossego.

Numa conferência que deu em Tomar, em meados dos anos 60. o escritor Alves Redol  referiu que numa reunião de trabalho de uma agência de publicidade, estavam quatro escritores muito conhecidos (Redol era um deles) tentando encontrar a melhor frase para o anúncio a uma máquina de lavar. Hei-de um dia abordar aqui a relação da publicidade com a literatura e a arte. Pessoa (que também escreveu tetxos para anúncios) perdendo tempo num escritório, Alves Redol, e tantos outros escritores,  procurando as palavras mais apelativas para vender electrodomésticos, são dois exemplos.

Porém, o caso de Jean-Arthur Rimbaud  (1854 -1891), é ainda mais chocante. A sua obra principal – Une Saison en Enfer, images - IIIluminations e Bateau Ivre – foi escrita entre os 15 e os 18 anos, na adolescência, portanto. Com Lautréamont  e Alfred Jarry, foi, mesmo assim, um dos maiores poetas do Simbolismo francês e, já no século XX. uma das maiores referências do movimento surrealista. E as suas  obras, mais de um século após terem sido escritas, ainda são inovadoras.

Numa conversa à mesa do Gelo, ouvi uma vez Herberto Hélder afirmar que um jovem pode ser um grande poeta (e referiu o exemplo de Rimbaud), mas que só a maturidade confere a experiência indispensável a um bom romancista. Parece-me uma teoria comprovada – poeta pode-se ser em qualquer idade; romancistas adolescentes, não me estou a lembrar de nenhum e se existe é a tal excepção que confirma a regra. Numa carta a Izambard e a Paul Demeny explicava o seu método para chegar à transcendência poética ou o poder visionário através do “longo, imenso e sensato desregramento de todos os sentidos.” (Les lettres du Voyant [As Cartas do Vidente]).

Como é possível que um poeta luminoso como Jean-Arthur Rimbaud, que um jovem de um tão invulgar génio poético, tenha dado lugar a um adulto tão diferente? A um traficante de armas?

Disso falaremos amanhã.

(Continua)

________

 

Este artigo de Carlos Loures foi publicado no Estrolabio em 12 de Fevereiro de 2011. Clicar em:

http://estrolabio.blogs.sapo.pt/1031612.html

 

Leave a Reply