CARTA DO RIO – 123 por Rachel Gutiérrez

riojaneiro2

Neste domingo, 30 de outubro, tivemos o Segundo Turno das eleições municipais, e foi eleito prefeito do Rio de Janeiro o ex-ministro da Pesca e Agricultura (de 2012 a 2014) do governo da presidente deposta Dilma Rousseff, Marcelo Crivella, que além de político é engenheiro, escritor, cantor gospel, compositor e bispo (licenciado) da Igreja Universal do Reino de Deus, a mais conservadora e intolerante das igrejas evangélicas.

O candidato derrotado por Crivella, Marcelo Freixo, pertence ao que  muitos consideram uma outra religião: a do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), dissidência radical do Partido dos Trabalhadores (PT).

Para cumprir com o dever de votar, retornei ontem, com minha irmã e minhas sobrinhas, de um belo passeio à cidade de  Vassouras, no Estado do Rio, a celebrada “princesinha do café”.

No chamado Vale do Paraíba, visitamos fazendas, conhecemos pessoas interessantes e pude rever a Casa da Hera, uma das mais importantes construções do século XIX, que pertenceu ao comissário de café Joaquim José Teixeira Leite, pai da famosa Eufrásia, cujo longo caso de amor com Joaquim Nabuco tem inspirado vários livros, entre os quais  Um mapa todo seu, de Ana Maria Machado, tema de minha resenha na Carta do Rio 78.

Eufrásia Teixeira Leite (1850-1930) deixou em testamento “uma fortuna que poderia comprar 1,850 quilos de outro, aos preços da época, e cuja maior parte foi legada a instituições assistenciais e educacionais” da cidade. Sozinha, a corajosa financista que manteve negócios com alguns  dos mais ricos países do mundo, “multiplicou várias vezes a fortuna da família e seria bilionária nos padrões atuais.”

 

Voltando, porém, às eleições agora encerradas, duas abstenções chamaram muito a atenção: a do ex-presidente Lula, alegando que já está com 71 anos, portanto não é mais obrigado a votar; e a da ex-presidente Dilma Rousseff, ausente de Porto Alegre, onde costuma votar. E o resultado deste Segundo Turno confirmou o pior desempenho do PT desde 1985.

E o desalento e a descrença dos brasileiros nos nossos representantes atuais se reflete nos quase 29% de votos brancos e nulos nas eleições municipais das 57 cidades que tiveram Segundo Turno.

O país está triste. A violência nas grandes metrópoles tem crescido muito. Fica-se com vontade de morar no campo, ou numa cidade pequena, com pouco mais de 60.000 habitantes. Como Vassouras, por exemplo.

Outros ares, um repousante silêncio, calma e tranquilidade e muitos, muitos passarinhos. Na última visita, só faltaram as estrelas, pois os dias, neste fim de primavera, estiveram sempre bastante nublados.

unnamed-1

Leave a Reply