RELENDO UMA OBRA-PRIMA: “SOLDADÓ”, de CARLOS VALE FERRAZ – por MÁRIO BEJA SANTOS

soldado-ii

 

A derrisão, a chacota, o divertimento quase ilimitado em torno da guerra é uma permanente tentação literária. Perante o tratamento sério, a agitação de valores, o discurso sobre a bravura, o heroísmo, a plena abnegação de si, o escritor que se pauta pelo burlesco, a chalaça, a paródia e o chocarreiro modela a trama narrativa como se virasse a guerra do avesso, e quanto maior é a inspiração e o talento a prosa comediante torna-se plausível, o leitor é tomado por um humor cáustico e, no final, sabe bem medir as consequências da carga metafórica de tudo quanto leu. Quando lemos aqui no blogue o Jorge Cabral ou o Alberto Branquinho, dois alquimistas do riso, ficamos com a noção de que a gargalhada é o perfeito contraluz para estes teatros de guerra onde tudo corre ao contrário e a valentia tem outro significado.

Vem este apontamento para localizar “Soldadó”, de Carlos Vale Ferraz, ao que sei a sua única incursão pela graça fértil, esfuziante (Editorial Notícias, 1997). A contracapa é esclarecedora: “Soldadó é um militar destacado para África, em plena guerra colonial. Pouco dotado de inteligência e obediente que nem um cão, Soldadó sente-se às mil maravilhas nas suas funções militares. De um combate misterioso que ninguém sabe ao certo como começou, Soldadó foi o único ferido. Abre-se um inquérito para tentar esclarecer os factos ocorridos. É neste inquérito que os sargentos vão contando ao comandante encarregado do relatório a história incrível de Soldadó – o seu nascimento em cabeça seca, a sua incursão na vida militar, a viagem para África a bordo do Niassa, as suas funções militares em África. Com muito humor, são também relatados pitorescos e caricatos acontecimentos militares, pondo em causa toda a instituição militar e, muito particularmente, a guerra colonial”. É literatura tão universal quanto “Lugar de Massacre”, de José Martins Garcia, outro monumento literário, já com dois doutoramentos à sua custa, e de aqui já se fez referência. É certo que o autor transfere toda esta pirotecnia, todo este humor em fogo preso para Moçambique, mas cabe ali qualquer teatro de operações.

O nosso herói chama-se Fergusinho do Ó, não sabia ler nem escrever, era básico, mas não havia ninguém mais disponível do que ele: cangalheiro, sacristão, fiel de armazém, projecionista de filmes pornográficos, estivador e até piloto e guarda-costas de cíclicas excursões de prostitutas, vindas para animar os infortunados guerreiros.

Tudo se passa em Mueleka, um comandante recém-chegado promove uma reunião para apreciar o insólito caso do Soldadó. É este processo delirante que se vai desenovelando como portentosa comédia de costumes de corporação militar. Estão presentes o tenente-coronel, comandante de Mueleka, o segundo comandante e mais uma data de gente, como é o caso do narrador. O comandante quer tudo em pratos limpos, ao capitão Gorgulho cabe as primícias, Fergusinho do Ó nasceu em Cabeça Seca, terra de hereges, lá no ermo nortenho. O Soldadó foi apurado para as fileiras se bem que completamente blindado de inteligência, coube-lhe como escola o Regimento de Infantaria 13. Ficou demonstrado que não lhe podiam entregar uma G3, o Soldadó, por artes mágicas, disparava em todas as direções, só a boa sorte evitou acidentes mortais, foi assim que o reclassificaram em soldado básico, não sentiu qualquer pesar, depois foi mobilizado para a guerra. Passo a passo, o Soldadó aparece associado a peripécias descomunais: durante uma missa campal deitou no cálice da consagração bagaço da intendência, o capelão contorcia-se de sufocação, com a goela em chamas. O tenente-coronel mais congestionado fica com a descrição das gentes de Cabeça Seca, a chegada das putas de Kampuka e a missão do Soldadó em receber as verbas pela prestação de serviço, controlando os tempos da mesma. A trama narrativa é uma delícia e não deixa desfalecer o leitor, à volta daquele tenente-coronel desfilam oficiais e sargentos de vária ordem, cada um é mais hílare que o outro, a facécia seguinte é mais divertida e descomposta que a anterior. Os testemunhos prosseguem, é preciso descobrir-se como é que o Soldadó está prestes a acabar a segunda comissão em Mueleka, querem fazer do Soldadó um herói e acabam por descobrir esta terrível irregularidade que em termos de justiça militar vai custar uns bons castigos a uma certa hierarquia negligente. O Soldadó impôs-se, não há missão em que não se revele imprescindível e não dê bom andamento ao serviço, já zelou pelas meninas que visitam regularmente o quartel, foi cangalheiro, é exemplar como fiel de armazém, eis senão quando uma visita à habitação do Soldadó revelou algo de surpreendente: aqui se descobriram fios de ouro e de prata, carteiras todas limpas de dinheiro, algumas contendo fotografias de familiares, enfim, coisas que o soldado achara um desperdício irem para o fundo da terra numa urna de pinho, havia até mesmo dinheiro enrolado em notas o que indiciava que o Soldadó também descobrira as delícias com as meninas vindas de Kampuka. E não menos impressionante foi descobrir-se uma metralhadora HK, uma caixa de cinco dúzias de granadas de mão, uma G3, uma faca de mato e uns binóculos que ninguém soube como tinham ali ido parar. Acontece que este material terá tido muita utilidade quando começou um misterioso ataque a Mueleka, saiu do quarto, disparou infatigavelmente até ser ferido por um estilhaço.

Aquele ato veio mesmo a calhar, Mueleka estava nesse dia a ser visitada pelos altos comandos, aquele herói dava jeito, ainda por cima o general tinha ouvido o farto fogachal, o comandante viu ali a boa circunstância para conquistar uma medalha. Iniciado o processo para a condecoração, descobre-se que o soldado anda por ali há quase duas comissões, desaparecera a nota de substituição, ninguém deu por nada quanto à falta de rendição do Soldadó. Voltara-se o feitiço contra o feiticeiro. Quem fez o relatório do foguetório descobriu que este fora uma brincadeira combinada entre a companhia de caçadores e a artilharia para assustar o general e os oficiais do Estado-maior. O comandante tudo ouvia, já com os olhos revirados e exigiu que constasse que a guarnição de Mueleka sofrera um violento ataque do inimigo, do qual resultara um ferido e danos em instalações. E foi perentório, quem afirmasse o contrário iria a tribunal militar por traição. Atendendo ao tempo de serviço, disseram-lhe que iria rapidamente para casa, ele opôs-se: “Meu alferes, eu fico cá e o exército escusa de mandar vir outro soldado da metrópole para me substituir!”. Quis o destino cruel que a história, até agora pícara, tivesse um desfecho truculento, mesmo o comportamento dos soldados obedientes é imprevisível, e depois do que aconteceu o comando, oficiais e sargentos estavam radiantes, não percebiam a dor daquele Soldadó que se afeiçoara, de alma e coração, a Mueleka.

É uma novela espantosa, este “Soldadó”, pela arquitetura da irreverência, pela graça transbordante, pela galeria de gente pícara. Não dá para entender o silêncio à volta desta obra-prima, tão necessitada está de reedição.

1 Comment

Leave a Reply