Posts Tagged: carlos de matos gomes

A DESCOLONIZAÇÃO É UM ABSURDO – a propósito da apresentação de “A ÚLTIMA VIÚVA DE ÁFRICA”, de CARLOS VALE FERRAZ – enviado por CARLOS DE MATOS GOMES

      A descolonização é um absurdo Este é um texto do romancista Carlos Vale Ferraz, porque foi através de um romance do Carlos Vale Ferraz, a “Última Viúva de África” que desenvolvi a ideia do absurdo da descolonização,

A DESCOLONIZAÇÃO É UM ABSURDO – a propósito da apresentação de “A ÚLTIMA VIÚVA DE ÁFRICA”, de CARLOS VALE FERRAZ – enviado por CARLOS DE MATOS GOMES

      A descolonização é um absurdo Este é um texto do romancista Carlos Vale Ferraz, porque foi através de um romance do Carlos Vale Ferraz, a “Última Viúva de África” que desenvolvi a ideia do absurdo da descolonização,

O 25 DE ABRIL DE TODAS AS CONSPIRAÇÕES- por Carlos de Matos Gomes

A partir do Verão de 1973 todas as fações do regime, todas as personalidades marcantes e todas as instituições conspiram uns com os outros ou contra os outros. A partir do Verão de 1973 todas as fações do regime tinham

O 25 DE ABRIL DE TODAS AS CONSPIRAÇÕES- por Carlos de Matos Gomes

A partir do Verão de 1973 todas as fações do regime, todas as personalidades marcantes e todas as instituições conspiram uns com os outros ou contra os outros. A partir do Verão de 1973 todas as fações do regime tinham

A HOMENAGEM A CARLOS DE MATOS GOMES

Terminamos dentro de cinco minutos a homenagem a um argonauta que, para poder satisfazer compromissos inadiáveis, interrompe a sua rubrica BISCATES. Os BISCATES eram como um vento que impulsionava a nossa ARGOS um dia por semana. Os psicólogos (temos uma docente de Psicologia na equipa coordenadora) dirão

A HOMENAGEM A CARLOS DE MATOS GOMES

Terminamos dentro de cinco minutos a homenagem a um argonauta que, para poder satisfazer compromissos inadiáveis, interrompe a sua rubrica BISCATES. Os BISCATES eram como um vento que impulsionava a nossa ARGOS um dia por semana. Os psicólogos (temos uma docente de Psicologia na equipa coordenadora) dirão

CRÓNICA DE DOMINGO – CARLOS DE MATOS GOMES E O 25 DE NOVEMBRO – por Carlos Loures

Para muitos de nós, que vemos  o 25 de Abril como a data da libertação, uma espécie de «dia de todos os prodígios», torna-se difícil compreender a forma como militares que corajosamente derrubaram o regime salazarista, aceitaram o 25 de

CRÓNICA DE DOMINGO – CARLOS DE MATOS GOMES E O 25 DE NOVEMBRO – por Carlos Loures

Para muitos de nós, que vemos  o 25 de Abril como a data da libertação, uma espécie de «dia de todos os prodígios», torna-se difícil compreender a forma como militares que corajosamente derrubaram o regime salazarista, aceitaram o 25 de

«A MULHER DO LEGIONÁRIO» DE CARLOS VALE FERRAZ – por JOSÉ DO CARMO FRANCISCO

Depois da estreia com «Nó cego» (1982) Carlos Vale Ferraz (n.1946) vê publicado o seu nono livro de ficção, este «A mulher do legionário». A pedra angular da narrativa é Fernanda, filha de Eduardo Lobo, um homem sobre cujo suicídio

«A MULHER DO LEGIONÁRIO» DE CARLOS VALE FERRAZ – por JOSÉ DO CARMO FRANCISCO

Depois da estreia com «Nó cego» (1982) Carlos Vale Ferraz (n.1946) vê publicado o seu nono livro de ficção, este «A mulher do legionário». A pedra angular da narrativa é Fernanda, filha de Eduardo Lobo, um homem sobre cujo suicídio

RELENDO UMA OBRA-PRIMA: “SOLDADÓ”, de CARLOS VALE FERRAZ – por MÁRIO BEJA SANTOS

  A derrisão, a chacota, o divertimento quase ilimitado em torno da guerra é uma permanente tentação literária. Perante o tratamento sério, a agitação de valores, o discurso sobre a bravura, o heroísmo, a plena abnegação de si, o escritor

RELENDO UMA OBRA-PRIMA: “SOLDADÓ”, de CARLOS VALE FERRAZ – por MÁRIO BEJA SANTOS

  A derrisão, a chacota, o divertimento quase ilimitado em torno da guerra é uma permanente tentação literária. Perante o tratamento sério, a agitação de valores, o discurso sobre a bravura, o heroísmo, a plena abnegação de si, o escritor

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – CRÓNICA TAUROMÁQUICA

Para que servem as primeiras páginas dos jornais e os grandes casos dos noticiários das TV? Se pensarmos no que as primeiras páginas e as aberturas dos telejornais nos disseram enquanto decorriam as traficâncias que iriam dar origem aos casos

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – CRÓNICA TAUROMÁQUICA

Para que servem as primeiras páginas dos jornais e os grandes casos dos noticiários das TV? Se pensarmos no que as primeiras páginas e as aberturas dos telejornais nos disseram enquanto decorriam as traficâncias que iriam dar origem aos casos

TRIBUTO A CARLOS DE MATOS GOMES

Tínhamos programado a homenagem ao argonauta Carlos de Matos Gomes para começar no Domingo, dia 30 de Outubro e para terminar hoje, dia 5 de Novembro. O facto de termos uma grelha, pré-estabelecida, de rubricas, impediu-nos de, nos sete dias previstos

TRIBUTO A CARLOS DE MATOS GOMES

Tínhamos programado a homenagem ao argonauta Carlos de Matos Gomes para começar no Domingo, dia 30 de Outubro e para terminar hoje, dia 5 de Novembro. O facto de termos uma grelha, pré-estabelecida, de rubricas, impediu-nos de, nos sete dias previstos

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – PORTAS GOLDEN

  A mosca varejeira é conhecida pela mosca da merda. A corrupção atrai Paulo Portas como a merda atrai as varejeiras. São muitos os montes de merda onde Portas tem pousado ao longo do seu percurso: a universidade Moderna, o

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – PORTAS GOLDEN

  A mosca varejeira é conhecida pela mosca da merda. A corrupção atrai Paulo Portas como a merda atrai as varejeiras. São muitos os montes de merda onde Portas tem pousado ao longo do seu percurso: a universidade Moderna, o

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – A DIREITA VENDIDA

  O Estado Novo, ou o salazarismo, era um regime nacionalista. Por ser uma ditadura, conservador, anti-comunista e anti-liberal e, acima de tudo, por ter durado muito, o salazarismo foi confundido com a Direita portuguesa. Passou a ser entendido como

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – A DIREITA VENDIDA

  O Estado Novo, ou o salazarismo, era um regime nacionalista. Por ser uma ditadura, conservador, anti-comunista e anti-liberal e, acima de tudo, por ter durado muito, o salazarismo foi confundido com a Direita portuguesa. Passou a ser entendido como

Os lobos não usam coleira, Carlos Vale Ferraz – o livro e o filme

    O filme “Os Imortais” é um dos filmes portugueses que mais me agradou. Desde que há cerca de seis anos que o vi que procuro incessantemente. Este ano a espera acabou. A leitura obviamente não esperou muito mais!

Os lobos não usam coleira, Carlos Vale Ferraz – o livro e o filme

    O filme “Os Imortais” é um dos filmes portugueses que mais me agradou. Desde que há cerca de seis anos que o vi que procuro incessantemente. Este ano a espera acabou. A leitura obviamente não esperou muito mais!

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – A MAÇONARIA, O NARCISO E AS PRESIDENCIAIS.

Há assuntos que são como atirar sal para uma fogueira. Basta enunciá-los e começam traques e estalidos. É assim com Sócrates, com a reestruturação da dívida, com a descolonização, com Mário Soares, com os árbitros do Benfica, com o PREC,

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – A MAÇONARIA, O NARCISO E AS PRESIDENCIAIS.

Há assuntos que são como atirar sal para uma fogueira. Basta enunciá-los e começam traques e estalidos. É assim com Sócrates, com a reestruturação da dívida, com a descolonização, com Mário Soares, com os árbitros do Benfica, com o PREC,

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – ENTRE O MANICÓMIO E A GRUTA DO ALIBABÁ

Paula Teixeira da Cruz disse ter sido ameaçada, perseguida e agredida durante os anos em que esteve no Governo, como ministra da Justiça! Em entrevista à revista Sábado, fala dos vários episódios dramáticos que viveu a partir de 2012: apontaram-lhe

CARLOS DE MATOS GOMES – BISCATES – ENTRE O MANICÓMIO E A GRUTA DO ALIBABÁ

Paula Teixeira da Cruz disse ter sido ameaçada, perseguida e agredida durante os anos em que esteve no Governo, como ministra da Justiça! Em entrevista à revista Sábado, fala dos vários episódios dramáticos que viveu a partir de 2012: apontaram-lhe

«NÓ CEGO», ESTREIA AUSPICIOSA DE CARLOS VALE FERRAZ – por Carlos Loures

Numa das suas excelentes novelas, o escritor britânico Somerset Maugham (1874-1965). cria uma interessante personagem numa situação complicada – a de um grande escritor que, já velho, com uma obra extensa e prestigiosa obra de dezenas de livros, traduzido em numerosas línguas,

«NÓ CEGO», ESTREIA AUSPICIOSA DE CARLOS VALE FERRAZ – por Carlos Loures

Numa das suas excelentes novelas, o escritor britânico Somerset Maugham (1874-1965). cria uma interessante personagem numa situação complicada – a de um grande escritor que, já velho, com uma obra extensa e prestigiosa obra de dezenas de livros, traduzido em numerosas línguas,