A COLUNA DE OCTOPUS:Quem vai pagar a factura do próximo Festival da Canção?

. .

A tradição faz com que quem ganha o Festival da Canção da Eurovisão será o organizador no ano seguinte. Mas isso tem custos. Claro que os pequenos países vêm nessa “oportunidade” a ocasião de serem “badalados” e de fazer crescer o turismo. Os países mais poderosos vêm esse evento como um gasto de dinheiro inútil. Existem sempre cinco candidatos a vencer o festival: a França, a Itália, a Alemanha, o Reino-Unido e a Espanha. A organização de um desses festivais tem um custo de cerca de 40 milhões de euros. O custo cabe à televisão pública nacional de cada país. Ou seja, ao contribuinte que como em Portugal está a cargo da RTP. Portanto serão os contribuintes a pagar o próximo festival em Portugal. Durante estes últimos anos, a Bulgária, a Croácia ou Eslovénia recusaram-se a participar na competição por razões financeiras. Todos os anos, a televisão nacional organizadora apenas recebe a venda dos bilhetes, uma parte do sponsoring e uma parte do dinheiro dos votos (chamadas, SMS,..). Os custos são enormes: cena, luzes, electricidade, empregados, segurança, infrastructuras, transporte, recepção. Por todos estes factos é que muitos países “favoritos” não estão minimamente interessados em ganhar o festival, por isso mesmo se compreende a disparidade de votos no momento da “escolha” do candidato vencedor e por consequência o país organizador da próxima edição. Neste contexto, podemos questionar: qual o país que quer ganhar? Nenhum. A desgraça de ganhar e de ter de organizar o próximo festival é uma verdadeira desgraça. É um empreendimento vocacionado à perda, porque contrariamente ao futebol, não existe publicidade durante o Festival da Eurovisão. E como já foi dito as únicas receitas são as taxas dos votos, os bilhetes e alguns sponsors, ou seja muito pouco. Os países do sul da Europa estavam a afastar-se do festival da Eurovisão, era necessário um desses países ganhar. Portugal já estava “encalhado” para ganhar. Portugal ganha com uma canção banal, sem qualquer nível artístico particular, já estava dado como vencedor. Pode parecer muito elogioso, mas tudo isto estava planeado com antecedência, daí a votação inesperada e inusitada. Dizem que o retorno dos 40 milhões de euros investidos pela nossa televisão publica (dinheiro de todos os contribuintes) poderá ser de 80 milhões, mas nessa caso trata-se de retorno de empresas privadas de turismo ou hotelaria que não se irá traduzir com um retorno para todos nós, só para empresas privadas.

 .

. .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: