CONTOS & CRÓNICAS – CARLOS REIS – OS ARTIGOS IMPUBLICÁVEIS – SALVADOR SOBRAL

 

Meu caro e querido Salvador Sobral

Ter de repente esta musicalmente abúlica e pindérica população a teus pés, não te afecta em demasia, eu sei, eu ainda assim calculo. É natural que te saiba bem, afinal és um cantor notável, com um ouvido notável e uma voz notável, um intérprete notável de notáveis temas, notavelmente por ti interpretados.

Mas aquilo que tu sabes que vales como intérprete e cantor, nada tem a ver com as histéricas e femininas juvenis histerias, nem com os patriotiqueiros profissionais da pimbalhice musical, provincianos de sempre, portucalenses festiválicos de várias gerações.

E eu digo isto, eu digo estas coisas, não por causa da televisão, não por causa do festival cançoneteiro –  mas porque te conheci, por acaso e por entre um público restrito (embora popular, note-se) onde os habituais pindéricos hermafrodito/patrioto/festiválico/pires de ouvido não têm acesso, nem vontade, nem conhecimento, nem opção.

A música deles é a televisão. O seu acervo musical é a televisão. O seu gosto musical é a televisão. Que os fornece, propicia e proporciona e a que eles aderem, como a Fátima ou ao Futebol. Para quê pensar, pesar, optar, concluir?

Foram os gigantescos e trabalhados meios de comunicação, que desta vez coincidiram (mero acaso, evidentemente) com a tua irredutível e inconcebível vitória, que te guindaram a este topo em que actualmente resides. Se acaso fosse qualquer outro e não tu, o histerismo seria o mesmo.

Tudo coisas que tu sabes. Que eu presumo que sabes.

Tu, que és também inteligente, afirmaste mesmo, em desagradáveis e obsessivas entrevistas televisivas, que sabias do lado efémero destas coisas e do breve e inevitável oblívio das mesmas.

Uma coragem e simplicidade registáveis, além da inteligência. Que o nosso pindérico povo tanto necessita para se afirmar sem nenhum (dele) esforço qualquer ou aparente necessitar. No que toca à Música, então melhor nem falar. E o que vier à rede é peixe, sejam campeonatos de futebol, sejam cantores pimba evidenciados, seja lá o que for de reles e pindérico. A cultura, o gosto e o livre arbítrio ainda não se instalaram nesta nossa generalidade.

Continuarei a recordar-te os boleros e os standards de Jazz (no tom original, como uma vez me confidenciaste) em mal frequentados locais, como sejam o Café Tati aos domingos, o Hot Clube quando calha ou a Fábrica de Braço de Prata às quintas feiras, espontâneas e de borla.

Na certeza que os públicos que ali têm estado, estão e (oxalá que sim) estiverem são quem te conhece, aprecia e deseja ouvir, independentemente de um festival que justamente ganhaste.

Carlos

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: