ESTARÁ O REINO UNIDO A FABRICAR O NEUROTÒXICO PARA JUSTIFICAR “ACÇÃO” SOBRE A RÚSSIA? – organizado por JÚLIO MARQUES MOTA a partir de ZERO HEDGE.

Estará o Reino Unido a fabricar o neurotóxico para justificar ‘Ação’ sobre a Rússia?

Is The UK Manufacturing Its Nerve Agent Case For ‘Action’ On Russia?

Disponível em:  Tyler Durden

16 de Março de 2018 

https://www.zerohedge.com/news/2018-03-15/uk-manufacturing-its-nerve-agent-case-action-russia

Ou:

The UK government is manufacturing its nerve agent case for ‘action’ on Russia Official claim that ‘Novichok’ points solely to Russia discredited

Nafeez Ahmed

Disponível em:

https://medium.com/insurge-intelligence/the-british-governments-russia-nerve-agent-claims-are-bullshit-a69b4ee484ce

14 de Março de 2018

A alegação oficial segundo a qual “Novichok” aponta apenas para a Rússia está desacreditada …

Na segunda-feira, a primeira-ministra Theresa May anunciou que o ex-espião russo Sergey Skripal e sua filha Yulia foram envenenados com “um agente neurotóxico de tipo militar desenvolvido pela Rússia” conhecido como “Novichok”.

O agente químico foi identificado pelo Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa em Porton Down. May referiu-se ao “conhecimento do governo britânico de que a Rússia produziu anteriormente este agente e ainda seria capaz de o estar a fazer ” para depois concluir que a culpabilidade da Rússia no ataque “é altamente provável”.

Por estes motivos, ela afirmou que apenas dois cenários são possíveis:

“Ou isso foi um ato direto do Estado russo contra o nosso país. Ou o governo russo perdeu o controle desse agente neurotóxico de efeitos potencialmente catastróficos e permitiu que ele caísse nas mãos dos outros ”.

A linha do governo britânico tem sido calorosamente saudada de forma puramente acrítica por toda a imprensa mundial, com muito pouca análise quanto à sua plausibilidade.

Mas há um problema: longe de oferecer uma pista clara de evidências contra os laboratórios de guerra química de Vladimir Putin, o uso de Novichok no ataque com gás neurotóxico em solo do Reino Unido aponta para um grupo mais amplo de suspeitos potenciais, dos quais a Rússia é de facto. o menos provável.

A Rússia realmente destruiu as suas capacidades de agentes neurotóxicos de acordo com a OPCW

No entanto, um esforço conjunto está a ser feito para transformar os factos nas suas cabeças.

Nenhum sinal mais claro disso pode ser encontrado do que na declaração do Embaixador Peter Wilson, Representante Permanente do Reino Unido na Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), na qual ele afirmou que a Rússia “falhou durante muitos anos” em divulgar plenamente o seu programa de armas químicas.

Wilson estava a citar uma queixa feita um ano antes pelo Departamento de Estado dos EUA de que a Rússia não teria feito uma declaração completa do seu stock de armas químicas: “Os Estados Unidos não podem certificar que a Rússia cumpriu as suas obrigações sob a Convenção”.

No entanto, essas alegações são contraditas pela própria OPCW, que em Setembro de 2017 declarou que a agência global independente tinha verificado rigorosamente a destruição completa do programa de armas químicas da Rússia, incluindo, é claro, as suas capacidades de produção de agentes neurotóxicos.

O diretor-geral da OPCW, Ahmet Üzümcü, felicitou a Rússia com a seguinte informação pública:

“A conclusão da destruição verificada do programa de armas químicas da Rússia é um marco importante no cumprimento das metas da Convenção sobre Armas Químicas. Felicito a Rússia e felicito todos os seus especialistas que estiveram envolvidos pelo seu profissionalismo e dedicação. Também expresso o meu agradecimento aos Estados Partes Interessadas que ajudaram a Federação Russa no seu programa de destruição e agradecer à equipe da OPCW que verificou essa destruição.”

O comunicado de imprensa da OPCW confirmou que:

“O restante do arsenal de armas químicas da Rússia foi destruído no Centro de Destruição de Armas Químicas de Kizner na República de Udmurt. Kizner foi a última instalação operacional de sete instalações de destruição de armas químicas na Rússia. As seis outras instalações (Kambarka, Gorny, Maradykovsky, Leonidovka, Pochep e Shchuchye) concluíram o trabalho e foram fechadas entre 2005 e 2015.”

Os relatórios da OPCW sobre a Rússia confirmam que a agência não encontrou evidências da existência de um programa ativo de Novichok. Deve-se notar que o Dr. Robin M. Black, um antigo do Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa da Porton Down, faz parte do Conselho Consultivo Científico da OPCW. E uma revisão científica do Dr. Black também levantou dúvidas sobre a Novichok, observando que as suas propriedades e estruturas não foram confirmadas independentemente.

Portanto, em resumo, a OPCW não concorda com a vaga insistência americana e britânica de que a Rússia não declarou todos os seus stocks e instalações de armas químicas e não concorda com a insistência de que os stocks ou instalações de produção de Novichok ainda existem na Rússia. Mas parece que nem Sua Excelência o próprio Peter Wilson.

Amb. Peter Wilson (United Kingdom)

Numa declaração à OPCW em Novembro de 2017, o embaixador Wilson congratulou-se com o facto da OPCW ter verificado a destruição completa do programa de armas químicas da Rússia, com um grande elogio ao seu diretor, Ahmet Üzümcü. Wilson enumerou as inúmeras conquistas deste último, incluindo:

“… a conclusão da destruição verificada do programa de armas químicas da Rússia.”

Ele não disse nada sobre as ações da Rússia poderem estar incompletas ou de que as ações da OPCW terem sido inadequadas. Então, como é que é credível a sua recente insinuação de que a posição da OPCW está errada?

Indiscutivelmente, não muito. Porque a alegação, tendo origem numa posição do Departamento de Estado americano de que a Rússia não declarou todas as suas armas químicas, baseia-se na afirmação de que a capacidade da Novichok ainda existe. Mas tanto o Dr. Black, da Porton Down, quanto o Conselho Consultivo Científico da OPCW questionaram a “existência” da Novichok.

Indiscutivelmente, não muito. A falta de credibilidade da crítica anglo-americana quanto à destruição das suas armas químicas pela Rússia foi anunciada num relatório detalhado do respeitado Instituto Clingandael de Relações Internacionais. O relatório, cofinanciado pela União Europeia, criticou os Estados Unidos por adotarem uma abordagem politicamente inútil sobre a questão das armas químicas em relação à Rússia, enquanto atrasavam hipocritamente as suas próprias obrigações de conformidade, o que foi feito de uma maneira que contornou os mecanismos da OPCW. Vale a pena reproduzir todo o texto na íntegra:

“a nível político, houve algumas desvantagens. Particularmente interessante é que as preocupações de conformidade tendem a ser levantadas pelos EUA, enquanto este estado está a ser criticado por atrasos no desarmamento. Em 2005, os EUA expressaram preocupação com os programas ofensivos de investigação e desenvolvimento (R & D) de armas químicas bem como declarações incorretas sobre transferências antigas de armas químicas e instalações não-declaradas destas armas na Rússia, China, Irão, Líbia e Sudão. Os EUA decidiram tratar essas preocupações por meio de canais bilaterais, em vez de envolver diretamente mecanismos formais da OPCW. Enquanto isso, os próprios EUA têm sido criticados por exportar armas classificadas como “agentes toxicológicos” (principalmente gás lacrimogêneo) para vários países do Médio Oriente (entre 2009 e 2013). Desde o 11 de Setembro, os EUA também intensificaram a sua R&D em agentes químicos não letais, junto com novos meios de entrega e de dispersão. A Convenção sobre armas químicas (CWC) (Artigo II, parágrafo 2) cobre compostos químicos com efeitos incapacitantes ou irritantes… Juntamente com o atraso na destruição dos stocks de armas químicas nos EUA, isso prejudicou a posição dos EUA dentro da CWC, minando o seu papel como ‘regime hegemônico’. Como essas preocupações de conformidade permanecem sem solução, isso também afetou ipso facto a autoridade da CWC e, portanto, da OPCW.”

Por outras palavras, os EUA não levantaram as suas alegadas preocupações sobre instalações não declarados da Rússia para a produção de Novichoks através dos mecanismos apropriados via OPCW, mas apenas bilateralmente. Porquê?

Uma possível explicação é que, ao não trabalhar com a OPCW, os EUA contornaram efetivamente o processo de verificação internacional pelo qual a questão da Novichoks, se real, poderia ser adequadamente investigada e avaliada. Isso permitiu convenientemente que os EUA e a Grã-Bretanha alegassem, totalmente sem provas, que a Rússia estava em não conformidade com a Convenção sobre Armas Químicas ao insistir que os seus stocks e capacidades de produção de Novichoks continuavam a não ser declaradas. No entanto, é precisamente a própria recusa dos EUA em divulgar e navegar na questão através da OPCW que significa que a questão pode ser considerada como não resolvida para sempre.

Chegados a este ponto, nem os EUA nem a Grã-Bretanha ofereceram qualquer evidência real do motivo pelo qual o processo de verificação da OPCW na Rússia sobre o desmantelamento da sua capacidade de armas químicas deveria ser desacreditado. Eles não forneceram nenhuma prova de que a Rússia tenha algum stock de Novichok.

A OPCW é, naturalmente, a mesma agência em cujas investigações independentes o Ocidente está a confiar para determinar a culpabilidade em grandes ataques com armas químicas na Síria. Porquê, então, as conclusões da OPCW sobre a Síria deveriam ser consideradas verdade do evangelho, enquanto as suas conclusões sobre a Rússia seriam rejeitadas?

Outros estados têm recursos para produzir Novichok, mas o governo britânico não quer investigá-los.

O veredicto de autoridade da OPCW sobre as capacidades de armas químicas da Rússia, agora destruídas, deve ser suficiente para que alguém deixe de pensar na acusação da responsabilidade russa pelo ataque com Novichok.

Em vez disso, o governo britânico parece não ter interesse em investigar o facto de que existem outras agências estatais com capacidades significativas de produção do agente neurotóxico. Como, por exemplo, o seu aliado, os Estados Unidos.

Sob Boris Yeltsin, que venceu as eleições russas graças à intromissão secreta do Ocidente, o governo russo declarou que não estava a armazenar Novichok. É por isso que Ieltsin não relatou a existência de Novichok sob as convenções de armas químicas na época – porque a posição oficial russa era de que os stocks não existiam mais. Os aliados ocidentais de Yeltsin não discordaram na época

Pelo contrário, os americanos estavam envolvidos no desmantelamento das capacidades russas restantes de Novichok.

Em Agosto de 1999, como relatou a BBC, especialistas americanos em defesa chegaram ao Uzbequistão para ajudar a “desmantelar e descontaminar uma das maiores instalações de testes de armas químicas da ex-União Soviética”. A instalação era conhecida como “um importante local de investigação para uma nova geração de armas químicas altamente letais, conhecidas como Novichok ”, e forneceram aos EUA uma ampla oportunidade para aprender sobre esse agente neurotóxico e para o reproduzirem para fins de teste e defesa.

Mas não são apenas os EUA. De acordo com Craig Murray – ex-embaixador dos EUA no Uzbequistão e, anteriormente, diplomata de longa carreira no Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido, que trabalhou na África, Europa Oriental e Ásia Central – o próprio governo britânico tem capacidades avançadas para produzir Novichok:

“O grupo ‘novochok’ de agentes neurotóxicos – um termo muito vago simplesmente para um conjunto de novos agentes neurotóxicos que a União Soviética estava a desenvolvendo desde há cinquenta anos – quase que certamente foi analisado e reproduzido por Porton Down. Isso é totalmente o razão pela qual Porton Down existe. Estas instalações têm sido utilizadas para fabricar armas químicas e biológicas como armas, e hoje ainda as fabrica em pequenas quantidades para pesquisa sobre defesa e antídotos. Após a queda da União Soviética, os químicos russos disponibilizaram muitas informações sobre esses agentes neurotóxicos. E um país que sempre fabricou agentes neurotóxicos persistentemente e muito semelhantes é Israel. ”

Mas o governo britânico não quer investigar Porton Down, nem mesmo quer excluir a possibilidade de que ele possa ter “perdido o controle” de alguns dos seus stocks de Novichok.

Porton Down: orgulhosamente faz experiências sobre gases neurotóxicos desde os anos 1950 a 1989 utilizando a própria população.

Porton Down, Salisbury, the UK Ministry of Defence’s Defence Science and Technology Laboratory.

Talvez o governo esteja preocupado com o que realmente descobriria se levantasse muitas questões sobre as próprias instalações de Porton Down.

A instalação tem uma história um pouco conturbada em relação ao abuso de programas de armas químicas e biológicas que foi amplamente esquecida. Esta história ilustra que o governo britânico não tem sido, em absoluto, avesso ao uso de armas químicas e biológicas na sua própria população, apenas para ver o que acontece.

Há dois anos atrás, o Independent relatou uma nova pesquisa histórica em que descobriu que, durante a Guerra Fria, o governo britânico “usava o público em geral como cobaias biológicas e químicas involuntárias e numa escala muito maior do que se pensava anteriormente”.

Mais de 750 operações secretas foram realizadas em “centenas de milhares de britânicos comuns”, envolvendo “ataques de guerra biológicos e químicos lançados de aeronaves, navios e veículos rodoviários”.

“Aviões militares britânicas lançaram milhares de quilos de um produto químico de ‘potencial tóxico desconhecido’ nas populações civis britânicas em e à volta de Salisbury, em Wiltshire, Cardington, em Bedfordshire e Norwich, em Norfolk. Quantidades substanciais também foram dispersas por algumas zonas do Canal da Mancha e no Mar do Norte. Não se sabe até que ponto as cidades costeiras da Inglaterra e da França foram afetadas… os passageiros do metrô de Londres também foram usados ​​como porquinhos-da-índia numa escala substancialmente maior do que se pensava anteriormente. A nova investigação descobriu que um estudo de campo de guerra biológica até então desconhecido foi realizado no sistema de tubos da capital em Maio de 1964. A operação secreta – realizada por cientistas do centro de pesquisa de guerra química e biológica do governo em Porton Down, Wiltshire – envolveu a libertação de grandes quantidades de bactérias chamadas Bacillus globigii…

Veja-se:

https://www.independent.co.uk/news/uk/politics/how-the-british-government-subjected-thousands-of-people-to-chemical-and-biological-warfare-trials-10376411.html

Imagem do jornal Independent

Imagem 1:

 

Legenda no jornal:

Field trial personnel in 1956. The masks had to be worn to allow the collection of proxy warfare substances that had been sprayed from aircraft Imperial War Museums

Imagem 2:

Legenda: Commuters were exposed to toxic bacteria in 1964 (Getty)

Imagem 3:

Legenda:

Equipment for the isolation of patients in a germ free atmosphere, which was developed at Porton Down in collaboration with the Institute of Child Health (Getty)

Imagem 4:

Imagem 5:

Legenda: Aircraft, lorries and ships spread 4,600kg of cadmium sulphide in one decade

A nova pesquisa também mostra que muitos dos cientistas britânicos envolvidos “tinham graves dúvidas sobre os testes de campo … alguns tinham um forte sentimento de que não era politicamente aconselhável realizar testes em grande escala na Grã-Bretanha com agentes bacterianos vivos”. Tais reservas não pararam. o governo de continuar a autorizar essas experiências perigosas.

Porton Down também realizou extensos testes de agentes neurotóxicos em soldados britânicos por volta dessa época.

Menos conhecido, porém, é o fato de que membros das forças armadas britânicas “foram testados com Sarin, o mortal gás nervoso, em 1983, no centro de pesquisa de defesa do governo em Porton Down”, segundo documentos do Ministério da Defesa. obtido pelo The Telegraph. A Operação Antler, como foi chamada a investigação policial sobre as experiências, descobriu que os testes com agentes neurotóxicos tinham ocorrido até 1989.

Ver The Telegraph: https://www.telegraph.co.uk/news/uknews/1372319/Ex-ministers-face-police-inquiry-on-Porton-Down-tests.html

Uma unidade secreta de inteligência britânica está a organiza ativamente operações de propaganda de “armadilhas doces ” para incriminar os “adversários”

Mas este é particularmente o caso, dado o que sabemos agora sobre a intenção e as capacidades de desinformação do serviço de inteligência britânico ao lidar com “adversários”.

Há portanto fortes razões, então, para não ficar servilmente de acordo com a posição corrida do governo britânico ao julgamento da Rússia.

Documentos da Agência de Segurança Nacional publicitados pelo denunciante Edward Snowden revelaram que uma unidade secreta de inteligência britânica, Joint Threat Research and Intelligence Group (JTRIG), utiliza uma série de “truques sujos” contra “nações, hackers, grupos terroristas, suspeitos de crimes e traficantes de armas” que incluem a libertação de vírus de computadores, espionagem sobre jornalistas e diplomatas, interferência sobre telefones e computadores e uso de sexo para atrair alvos para “armadilhas de mel”, segundo uma investigação da NBC News.

Veja-se:

http://msnbcmedia.msn.com/i/msnbc/sections/news/snowden_cyber_offensive1_nbc_document.pdf

Embora grande parte do foco dessas operações seja on-line, elas também incluem o objetivo de “ter impacto no mundo real” e “utilizar técnicas on-line para fazer algo acontecer no mundo real ou on-line”. O modus operandi é “destruir , negar, degradar e atrapalhar os inimigos, desacreditando-os e colocando desinformação projetada para parecer que as ações foram realizadas por eles

Campanhas de propaganda podem usar enganos, mensagens em massa e “colocando histórias” via Twitter, Flickr, Facebook e YouTube. Uma seção do documento explica que essas operações de influência podem envolver esforços diretos para manipular o comportamento das pessoas em situações comprometedoras:

“Armadilha de mel; uma ótima opção. Muito bem sucedida quando funciona.

– Peça a alguém para ir a algum lugar na internet ou a um local físico a ser encontrado por uma “pessoa amiga”.

– JTRIG tem a capacidade de “moldar” o ambiente em certas ocasiões.

Tais capacidades e operações de fraude no coração do Estado britânico levantam questões perfeitamente razoáveis sobre se os serviços de inteligência do Reino Unido estão deliberadamente a tentar culpar a Rússia por razões geopolíticas – ou, talvez, até mesmo para as distrair do escrutínio de aliados de que poderiam ser suspeitos legítimos.

Segundo o ex-diplomata britânico Craig Murray, por exemplo, seria mais razoável lançar a rede de suspeitas sobre Israel por muitas das mesmas razões citadas pelo governo britânico:

“Israel tem agentes neurotóxicos. Israel tem a Mossad, que é extremamente qualificada em assassinatos sobre estrangeiros. Theresa May reivindicou a propensão russa a assassinar no exterior como uma razão específica para acreditar que a Rússia o fez. Bem, o Mossad tem uma propensão ainda maior de assassinar no exterior. E enquanto eu estou a sentir muitas dificuldades para ver um motivo russo em prejudicar a sua própria reputação internacional de forma tão dolorosa, Israel tem uma motivação clara para prejudicar a reputação russa de maneira tão dolorosa. A ação russa na Síria enfraqueceu a posição israelita na Síria e no Líbano de uma maneira fundamental, e Israel tem todos os motivos para prejudicar a posição internacional da Rússia por um ataque com o objetivo de se lançar a culpa sobre a Rússia. ”

Murray ainda ressalta que é improvável que os russos “esperem oito anos para fazer isso, eles poderiam ter esperado até depois do seu campeonato do Mundo.” Da mesma forma, faz pouco sentido assassinar de repente um “espião duplo ” que serviu no seu tempo e viveu em liberdade durante anos em Londres.

Murray não é um cego russófilo e, portanto, a sua análise crítica não pode ser afastada com base no partidarismo. Ele descreve-se a si-mesmo como “alguém que acredita que agentes do Estado russo assassinaram Litvinenko, e que os serviços de segurança russos realizaram pelo menos alguns dos atentados à bomba que forneceram o pretexto para o ataque brutal à Chechênia. Acredita que a ocupação russa da Crimeia e partes da Geórgia seja ilegal ”

Mas ele adverte que, dada a severa falta de evidências fiáveis sobre este caso, ele está “alarmado com os esforços frenéticos das indústrias de segurança, espionagem e armamentos para incitar a Russofobia e aquecer a nova guerra fria”.

De fato, o INSURGE acaba de relatar um extenso estudo do Exército dos EUA publicado no ano passado que não apenas afirmou inequivocamente que o expansionismo da NATO é o principal motor da beligerância russa, mas que o principal interesse da OTAN sempre foi reverter a influência regional da Rússia para que o Ocidente pudesse dominar os recursos naturais da Ásia Central e as rotas de oleodutos.

O documento recomendava que, em 2018, os EUA deveriam considerar a possibilidade de organizar uma campanha clandestina de “informação” para minar Putin.

É isso que estamos a ver agora, quando Theresa May corre para punir Putin?

Isso nos deixa com o seguinte. A história real da Novichok mostra que, dos países discutidos aqui, a Rússia é o único estado a ser certificado pela OPCW como tendo destruído o seu programa de armas químicas, incluindo as suas capacidades de produção de agentes neurotóxicos. A OPCW não encontrou evidências para indicar que a Rússia mantém uma capacidade ativa de produção de Novichok. O mesmo não é o caso dos EUA, Grã-Bretanha e de Israel.

Não há razão legítima para as autoridades britânicas descartarem que qualquer um desses estados poderia ter, no mínimo, “perdido o controlo ” dos seus stocks de agentes neurotóxicos. O facto de que o governo escolheu, em vez disso, fechar todas as vias de investigação além de alegar falsamente que a “única possibilidade” é que todas as estradas levem à Rússia, demonstra que estamos quase certamente no meio de uma operação de propaganda estatal concertada.

Pode acontecer que a Rússia tenha realmente realizado o ataque de Novichok. Mas neste momento, o estado britânico não tem base real para o presumir. O que implica que o Estado já decidiu que quer fabricar um caminho para intensificar as hostilidades com a Rússia, independentemente da falta de provas . E isso não augura nada de bom.

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: