A GALIZA COMO TAREFA – civilização – Ernesto V. Souza

O dia nasceu escuro. Por importunar Santa Luzia e o saber popular, parece noite pecha às sete e trinta. Chove ligeiro, mas venta pesadamente e em surpresa. Redemoinhos que lutam a cada volta de rua emboscados, no desespero do campo aberto dão batalha e acometem furiosos nos largos contra os guarda-chuvas. Caíram, na noite, muitas folhas dos plátanos decorativos urbanos. As mesmas que continuam a chover e a voar por toda a parte, e foram deixando um tapete mole de dourados e castanhos úmidos que me traz saudades e cheiros, ao ir pisando, da mais remota infância, de outonos galaicos e caminhos doutrora.
O tempo está tolo, saúda-me coloquial uma companheira, na porta do trabalho, expansão cúmplice ante este pequeno protesto atmosférico proclamado pelas buzinas estressadas dos carros engarrafados aí por perto. Eu filosofo qualquer cousa por cumprimentar amável, em pensando para mim, que um par de exageros da natureza à solta e unas quantas estações mal dadas e as cidades colapsam, como nos tempos finais de Roma.
Os clássicos casam bem, uma e outra vez, com qualquer tempo. Cronológicos e meteorológicos. Mas já o meu pensamento matutino encalhou, ao subir as velhas escadas, em Eça de Queiroz. No escritor seródio, nomeadamente naquele Jacinto do conto e, depois, d’a Cidade e as Serras.
É verdade que o tópico era antigo e literário, já perfeitamente formulado no horaciano “beatus ille”,

Beatus ille qui procul negotiis,
ut prisca gens mortalium
paterna rura bobus exercet suis,
solutus omni faenore,
neque excitatur classico miles truci
neque horret iratum mare,
forumque vitat et superba civium
potentiorum limina. & etc… (Epodes, 2)

e que a ideia: aristotélica, ciceroniana, cristã, foi, por uso bucólico, epigramático, renascentista, barroco, neoclássico, romântico e moderno, convertida em troppo literário, protesto contra a vida da cidade e exaltação da vida camponesa, natural, isolada. Como tópico político-moral, hoje diríamos como livro de autoajuda, e ensinamento, já fora desenvolvido por Frei António de Guevara, quem publica o seu Menosprecio de corte y alabanza de aldea (1539), dedicada o Rei de Portugal e não o Imperador Carlos, no mesmo ano em que ocupa, um tanto degredado da corte (contra a que tanto nos predispõe, pela que suspira e a que voltará), a Sé do bispado de Mondonhedo.

Howard Phipps

Howard Phipps, gravado em madeira.

Camões e Gil Vicente, sabemos, foram leitores de Horácio, Ovídio e Virgílio, o mesmo que Sá de Miranda, Afonso X de Castela e D. Diniz de Portugal, e o tópico da retirada e da exaltação da vida camponesa reaparece com cada crise, avisos e decepções da civilização, o progresso e a vida urbana: classicismo, literatura pastoril, arcadismo e neo-arcadismos, romantismo, primitivismos. Shakespeare, Chateaubriand, Wordsworth, Renan, Emerson, Thoreau, Twain, Synge, Tolkien, as manifestações são constantes. Onipresente em Aquilino Ribeiro ou até nas correspondências íntimas de Rodrigues Lapa, também o tópico teve grande sucesso na literatura galega, misturado com a identificação nacional-popular e a conservação das essências pátrias, junto com a língua galega, no espaço rural e camponês. Pintos, Rosalia, Pondal, Garcia de Mosquera, Crecente Vega, Risco, Otero Pedrayo, Cunqueiro e até Neira Vilas, em prosa e verso, deixarão adaptações de Horácio, e Frei Luis de León.

De qualquer jeito, não é, nestes tempos, má leitura. A ideia na que Eça trabalhou desde 1893 até a sua morte, tem hoje a sua graça, está na moda, e mais com o título original do conto publicado pelo Jornal de Notícias do Rio de Janeiro, em 1892. Até ganhou e acentuou o contraste, comodidades, tecnologia à última, dispositivos, consumismo exagerado, nos tempos ultra-rápidos, mega-comunicados, hiper-técnológicos, pro-apocalípticos, redes sociais superficiais, comunicação acelerada, e saturação de imagens cansativas em que vivemos. Aquela obra, tão analisada como programa de restauração nacional, e que no hoje globalizado mais parece épica precursora de um programa decrescentista.

One comment

  1. Abanhos

    Delícia ler este homem sábio, orgulhoso e humilde…que é a forma mais esquisita do orgulho

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: