Posts Tagged: Ernesto V. Souza

A GALIZA COMO TAREFA – leis de ferro – Ernesto V. Souza

Arredor a gente caminha, ou está parada, vai nos carros particulares ou nos transportes públicos, aguarda pelos comboios, pelas aulas, petisca nos parques e perto das portas dos espaços comerciais, nas esperas de médicos, no super-mercado. Em qualquer parte e

A GALIZA COMO TAREFA – leis de ferro – Ernesto V. Souza

Arredor a gente caminha, ou está parada, vai nos carros particulares ou nos transportes públicos, aguarda pelos comboios, pelas aulas, petisca nos parques e perto das portas dos espaços comerciais, nas esperas de médicos, no super-mercado. Em qualquer parte e

A GALIZA COMO TAREFA – expectativas – Ernesto V. Souza

O calendário, rolando com trabalho os dias, chegou de novo a 25 de Julho. Mais um, de trabalho rotineiro, entre manhãs curtas faltas de ar, sem sombras na tarde abrasadora, após e antes de noites eternas de calor insone. As

A GALIZA COMO TAREFA – expectativas – Ernesto V. Souza

O calendário, rolando com trabalho os dias, chegou de novo a 25 de Julho. Mais um, de trabalho rotineiro, entre manhãs curtas faltas de ar, sem sombras na tarde abrasadora, após e antes de noites eternas de calor insone. As

A GALIZA COMO TAREFA – reconhecimento – Ernesto V. Souza

Cando eu me consideraba o derradeiro supervivente dun pobo suicida, chegou a min a voz alentadora dun escritor. Era Antón Vilar Ponte.  A súa chamada tivo a virtude de xuntar a uns poucos galegos que non-os coñeciamos, pero que dende

A GALIZA COMO TAREFA – reconhecimento – Ernesto V. Souza

Cando eu me consideraba o derradeiro supervivente dun pobo suicida, chegou a min a voz alentadora dun escritor. Era Antón Vilar Ponte.  A súa chamada tivo a virtude de xuntar a uns poucos galegos que non-os coñeciamos, pero que dende

A GALIZA COMO TAREFA – Carvalho Calero, no centro da Galáxia, 1980 – Ernesto V. Souza

A história, a contrário do que se nos aprende na idade escolar, não é uma evolução graduada e progressiva de feitos, fatos, sucessos, personagens, grupos, ideias e acontecimentos, as mais das vezes é uma sucessão de mudanças, de alterações súbitas,

A GALIZA COMO TAREFA – Carvalho Calero, no centro da Galáxia, 1980 – Ernesto V. Souza

A história, a contrário do que se nos aprende na idade escolar, não é uma evolução graduada e progressiva de feitos, fatos, sucessos, personagens, grupos, ideias e acontecimentos, as mais das vezes é uma sucessão de mudanças, de alterações súbitas,

A GALIZA COMO TAREFA – conjugando futuros – Ernesto V. Souza

Na última Assembleia da AGAL (Associaçom Galega da Língua) foi anunciado o lançamento do projeto do completo conjugador verbal que complementa o não menos completo Dicionário Estraviz. O popular e-estraviz, versão eletrônica, atualizada e mais completa do clássico dicionário da

A GALIZA COMO TAREFA – conjugando futuros – Ernesto V. Souza

Na última Assembleia da AGAL (Associaçom Galega da Língua) foi anunciado o lançamento do projeto do completo conjugador verbal que complementa o não menos completo Dicionário Estraviz. O popular e-estraviz, versão eletrônica, atualizada e mais completa do clássico dicionário da

A GALIZA COMO TAREFA – construções – Ernesto V. Souza

Na lógica dos documentários, e em favor da verossimilhança da narrativa, poderíamos indicar que a gente da Galiza, e com ela as suas elites intelectuais, políticas e econômicas, apresentam bastantes divergências de atuação, lógica e comportamento das demais espanholas. Mesmo

A GALIZA COMO TAREFA – construções – Ernesto V. Souza

Na lógica dos documentários, e em favor da verossimilhança da narrativa, poderíamos indicar que a gente da Galiza, e com ela as suas elites intelectuais, políticas e econômicas, apresentam bastantes divergências de atuação, lógica e comportamento das demais espanholas. Mesmo

A GALIZA COMO TAREFA – Aliyah – Ernesto V. Souza

Nunca seria, reconheço, um bom general, nem um desses grandes estrategistas militares, políticos ou empresariais, capazes de sacrificar grandes recursos e contingentes humanos por um objetivo considerado de mais valor, por uma meta. Não. Duvido que eu passasse de sargento,

A GALIZA COMO TAREFA – Aliyah – Ernesto V. Souza

Nunca seria, reconheço, um bom general, nem um desses grandes estrategistas militares, políticos ou empresariais, capazes de sacrificar grandes recursos e contingentes humanos por um objetivo considerado de mais valor, por uma meta. Não. Duvido que eu passasse de sargento,

A GALIZA COMO TAREFA – desorientação – Ernesto V. Souza

Derrotas, ou sucessos eleitorais doutros, seriam mais ou menos passáveis, suportáveis e explicáveis se houvesse referentes, continuidade, uma estrutura política, uma rede de ativistas, militantes e votantes, consolidada, em vias de consolidação ou em desenvolvimento esperançado. Não é doado competir

A GALIZA COMO TAREFA – desorientação – Ernesto V. Souza

Derrotas, ou sucessos eleitorais doutros, seriam mais ou menos passáveis, suportáveis e explicáveis se houvesse referentes, continuidade, uma estrutura política, uma rede de ativistas, militantes e votantes, consolidada, em vias de consolidação ou em desenvolvimento esperançado. Não é doado competir

A GALIZA COMO TAREFA – world wide web war – Ernesto V. Souza

Não por mais anunciado, foi que estávamos precavidos. O conflito comercial Estados Unidos da América vs. República Popular da China, com Google e Huawei, como modernas esquadras tecnológicas em rumo de colisão, deflagrou assim, como qualquer uma das grandes guerras

A GALIZA COMO TAREFA – world wide web war – Ernesto V. Souza

Não por mais anunciado, foi que estávamos precavidos. O conflito comercial Estados Unidos da América vs. República Popular da China, com Google e Huawei, como modernas esquadras tecnológicas em rumo de colisão, deflagrou assim, como qualquer uma das grandes guerras

A GALIZA COMO TAREFA – evoluções – Ernesto V. Souza

A história da construção das línguas é a dos estados: é a história da burocracia, da administração, da educação, das crenças fixadas, dos símbolos e rituais, das assimilações e a da força. Em resumo e simplificando, poderíamos dizer, é a

A GALIZA COMO TAREFA – evoluções – Ernesto V. Souza

A história da construção das línguas é a dos estados: é a história da burocracia, da administração, da educação, das crenças fixadas, dos símbolos e rituais, das assimilações e a da força. Em resumo e simplificando, poderíamos dizer, é a

A GALIZA COMO TAREFA – discordâncias – Ernesto V. Souza

Quintas, toca-me, normalmente, levar os cativos à Escola Municipal de Música. Flauta uma, saxofone outro e mais banda, ambos. Com algum tempo de espera entre aulas, isto quer dizer que tiro toda a tarde, por perto, entre passeios no parque,

A GALIZA COMO TAREFA – discordâncias – Ernesto V. Souza

Quintas, toca-me, normalmente, levar os cativos à Escola Municipal de Música. Flauta uma, saxofone outro e mais banda, ambos. Com algum tempo de espera entre aulas, isto quer dizer que tiro toda a tarde, por perto, entre passeios no parque,

A GALIZA COMO TAREFA – bibliotopias – Ernesto V. Souza

Nos últimos dez anos, de mais em menos, e com cada vez mais distância de velhos carinhos e entusiasmos, fui abandonando a pesquisa acadêmica. Não estando no entorno universitário, não frequentando os ambientes culturais ajeitados e circos editoriais adequados, nem

A GALIZA COMO TAREFA – bibliotopias – Ernesto V. Souza

Nos últimos dez anos, de mais em menos, e com cada vez mais distância de velhos carinhos e entusiasmos, fui abandonando a pesquisa acadêmica. Não estando no entorno universitário, não frequentando os ambientes culturais ajeitados e circos editoriais adequados, nem

A GALIZA COMO TAREFA – moinantes – Ernesto V. Souza

No momento em que o capitalismo soube que era dono do campo e senhor absoluto da cena perdeu, precipitadamente, mas como por acaso, aquele interesse pelas formas e moral etonianas (good manners… / BAD MANNERS!!! por citar pela breve James

A GALIZA COMO TAREFA – moinantes – Ernesto V. Souza

No momento em que o capitalismo soube que era dono do campo e senhor absoluto da cena perdeu, precipitadamente, mas como por acaso, aquele interesse pelas formas e moral etonianas (good manners… / BAD MANNERS!!! por citar pela breve James

A GALIZA COMO TAREFA – geografia – Ernesto V. Souza

Nos últimos anos, as escolhas da Real Academia Galega afastaram-me mais que muito de uma celebração muito querida e que me pareceu, desde que lembre, um grande acerto político e cultural, académico e popular. O Dia das Letras galegas, já

A GALIZA COMO TAREFA – geografia – Ernesto V. Souza

Nos últimos anos, as escolhas da Real Academia Galega afastaram-me mais que muito de uma celebração muito querida e que me pareceu, desde que lembre, um grande acerto político e cultural, académico e popular. O Dia das Letras galegas, já

A GALIZA COMO TAREFA – nevoeiros – Ernesto V. Souza

Acho que nunca teve clara qualquer vocação. E, por cousas da vida, nunca também me centrei numa única tarefa, trabalho ou ocupação nos que ir deixando aprender os anos. Talvez por isso (ou talvez seja essa causa e não efeito)

A GALIZA COMO TAREFA – nevoeiros – Ernesto V. Souza

Acho que nunca teve clara qualquer vocação. E, por cousas da vida, nunca também me centrei numa única tarefa, trabalho ou ocupação nos que ir deixando aprender os anos. Talvez por isso (ou talvez seja essa causa e não efeito)