FRATERNIZAR – D. Manuel Linda, Bispo do Porto – UM JIPE MISSIONÁRIO NA GUINÉ?! – por MÁRIO DE OLIVEIRA

 

Está a nascer na diocese do Porto um novo modelo de missionário. Como as novas gerações não estão mais para aí viradas e até ‘os seminários das missões’ começam a ser reutilizados para outros fins, como hospedarias e hotéis para acolher peregrinos do turismo religioso, sobretudo, católico, por isso, isentos de impostos, nem o bispo D. Manuel Linda, ex-bispo das Forças Armadas e de Segurança, resistiu a dar-lhe a sua pública adesão, ao apoiar a iniciativa de um dos seus párocos de VN de Gaia. Prova disso, é oferta, ao som das trombetas mediáticas, de um ‘jipe missionário’ à Guiné-Bissau . A mesma Guiné que, antes de Abril 74, conheceu os horrores da guerra colonial. Nesse então, eram os jipes da ‘guerra santa contra o comunismo internacional’, abençoada pelo papa e pelos bispos católicos portugueses que acordaram, via Estados do Vaticano e de Portugal, a criação do Vicariato Castrense.

Sucedem-se-lhes agora os ‘jipes missionários’, com a diocese do Porto e o seu bispo residencial à cabeça. Não só a abençoar a iniciativa, mas também a dar o exemplo. Com um pormenor de todo inusitado. O jipe que ofereceu e foi pessoalmente entregar no dia 12 deste mês ao bispo da Guiné, em Bissau, fez a sua rodagem durante uns 9-10 dias, num percurso de 6.000 kms, números redondos, numa louca viagem através de Espanha, Estreito de Gibraltar, Marrocos, o Saara Ocidental, Mauritânia e Senegal, graças à ‘dedicação’ e ao ‘zelo pastoral’ de 4 párocos da diocese do Porto, convertidos, também eles, ao ‘turismo missionário’, depois de anos de dedicação pastoral ao futebol europeu.

Mas os 4 párocos não viajaram sós. Não fosse o diabo tecê-las, fizeram-se acompanhar por quatro leigos, um deles médico e outro empresário, também eles ‘turistas missionários’, portadores de uma carrinha pick-up destinada a uma das ONGs que lá se instalaram, como em tantas outras partes carenciadas do mundo, peritas todas elas em juntar dinheiro para causas bem embrulhadas, o bastante para, só por si, fazerem abrir os cordões à bolsa de muita gente que cegamente confia que tudo o que lhes entregam é para glória de deus e destinado a matar a fome aos povos empobrecidos. Quando a verdadeira fome dos povos empobrecidos é de justiça e de dignidade. Só que para saciar esta endémica fome de justiça e de dignidade não há missões, nem missionários, nem ONGs, nem igrejas, nem religiões, nem párocos, nem bispos, nem pastores que a estimulem e promovam, muito menos a pratiquem.

Exigiria de todos sucessivas e fecundas intervenções politicamente subversivas e conspirativas desarmadas, ao jeito das intervenções políticas desarmadas de Jesus Nazaré, e isso o cristianismo e os cristãos nunca farão, muito menos as cúpulas das igrejas cristãs e das religiões em geral. Uma vez que todas elas são o braço religioso do poder financeiro, o actual messias ou cristo omnipotente, omnisciente e omnipresente que domina o mundo e tem todos os dirigentes dos Estados das nações, bem como os respectivos povos, a seus pés. Movidos todos pelo amor ao deus Dinheiro.

Depois que os papas de Roma, com destaque para João Paulo II e o actual papa Francisco, enveredaram pelas turísticas viagens pastorais, os bispos residenciais começam agora timidamente a seguir-lhes o exemplo. No que a D. Manuel Linda, ex-bispo das FA e de Segurança, diz respeito, há que sublinhar que a sua entrega do ‘jipe missionário’ ao bispo residencial e as duas visitas pastorais que aproveitou para fazer, revelam bem que o inconsciente dele, como o da generalidade dos bispos portugueses continua colonialista. No tempo da Guerra Colonial garantiam ‘missionários’ e um padre capelão a cada Batalhão, cujos soldados, de armas nas mãos, impediam o acesso do povo à autonomia e independência. Agora, oferecem jipes aos bispos, cuja presença-acção ‘pastoral’, com tudo de caridadezinha, continua colonialista, nada maiêutica.

 

www.jornalfraternizar.pt

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. Belo retrato da arquitectura da construção do Poder no ocidente e do seu modo de imposição aos outros povos.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: