A CRIANÇA NÃO QUER A RUPTURA AFECTIVA por Luísa Lobão Moniz

O horror da aceitação da Violência contra crianças sentida pela própria!

Como é possível que a criança sinta que se os pais, ou outros adultos, lhe baterem é porque querem ensinar os filhos a serem “homens”?

Foi feito um estudo sobre o que dizem as crianças sobre Violência de que são vítimas, espectadoras ou autoras, numa escola do 1º ciclo com crianças dos 7 aos 12 anos de idade.

As crianças escolheram os seus próprios grupos para se sentirem mais à vontade, pois todos se conheciam e conheciam o que se passava no interior de cada apartamento com as famílias.

Assim, postas perante algumas questões sobre a Violência, afirmaram, com a certeza de quem é experiente nestas situações, que conviviam com situações de Violência contra as mães, eles próprios, contra os irmãos, contra as tias…

Para a criança há sempre uma explicação aceitável:

  • Quando vêm do trabalho vêm cansados e vão ao café e bebem muito com os amigos, quando vão para casa já vão bêbados e …batem “em nós”;

  • …não sei… o meu pai estava de visita… sabe… ele… ele tá preso… o meu avô não quer que eu fique como ele… bate-me… para eu aprender;

  • Eu bato porque sou homem… Eles olham para mim…

  • Eu já vi bater sem ser aos ciganos… no café… um homem chamou a polícia e eles bateram no pai do F e do G… e eles não são ciganos… mas o homem estava drogado e queria confusão… foi preso…;

  •  pois… o tribunal disse que o meu pai não podia bater, mas ele bate…

A criança legitima estas situações porque elas são vividas com as pessoas de quem gosta e depende.

Para estas crianças o comportamento que consideram mais adequado, para a sua sobrevivência no grupo familiar, é também a adopção de comportamentos agressivos, pois têm a aprovação da família. A criança não quer a ruptura afectiva, cumpre com o que lhe dizem “ bate para te defenderes”, no entanto mergulhada numa confusão de regras sociais em casa, na rua, no café e na escola considera que deve haver alguém que institua castigos.

Este texto é uma adaptação de algumas passagens, da minha tese de doutoramento em “Educação Intercultural”

A criança aceita esta violência para evitar a solidão, o abandono e falta de afecto.

Quando a criança ouve dizer que lhe batem, que a humilham, que a negligenciam “Para o seu próprio bem” sente-se compensada, pois está a aprender a ser gente grande, principalmente os rapazes!

Esta percepção de que a criança é mal tratada a pretexto de ser educada na humilhação e no abuso, revestido de diversas formas, foi bastante estudada por Alice Miller no seu livro For your own good : Hidden Cruelty in Child-Rearing and the Roots of Violence.

Neste livro Miller fala de “Pedagogia Negra”, a que humilha e destrói a capacidade de desobedecer, é ensinar a subordinação e o controlo da sua vontade, negando-se a criança a si mesma.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: