A OPINIÃO DE DANIEL AARÃO REIS – OS DESAFIOS DE UMA DEMOCRACIA EM RISCO – OS MILITANTES DO INCÊNDIO – por Daniel Aarão Reis

 

Há poucas dúvidas sobre os riscos que a democracia corre hoje no país. Ao contrário do que estimam os mais otimistas, não temos instituições democráticas sólidas, nem isso seria possível em tão poucas décadas: a Constituição de 1988, que restaurou a democracia, é ainda uma jovem balzaquiana, acabou de fazer 30 anos.

Além disso, as pesquisas de opinião pública evidenciam o pequeno apreço que as pessoas devotam ao Congresso Nacional, ao Poder Judiciário e aos representantes políticos em geral, o que, aliás, não é uma especificidade brasileira – a democracia representativa está em   crise em todo o mundo e balança sob ataques de tendências autoritárias.

No contexto de profunda crise, econômica, política, moral e cultural, o cenário agravou-se com a eleição de Jair Bolsonaro, um líder de extrema-direita, para a presidência da república. No vértice do poder, com amplas margens de ação, assumiu um homem com escassa estima pelos valores democráticos.

É razoável avaliar que a grande maioria de votos que ele recebeu não aprova suas inclinações sectárias, o que se expressa no caráter heterogêneo do ministério e das assessorias superiores do governo, que batem cabeça e se entredevoram sob os olhos medusados dos aliados e das oposições. Mesmo as grandes linhas programáticas, e maiores propostas do governo – reforma da previdência (Paulo Guedes) e reforma da segurança (Sergio Moro), têm sido sabotadas, velada e não tão veladamente assim, pelo próprio presidente que se aplica a criar – ele mesmo ou por interpostas pessoas – situações constrangedoras para os mais altos auxiliares, entre os quais os generais que o cercam (ou estariam cercados?). O fato é que os únicos beneficiários imediatos destas pugnas são os humoristas, que encontram aí um terreno fértil para comentários e charges. Mas o quadro geral é sombrio, pois o país, nestas circunstâncias parece deslizar para um abismo sem fim.

O que mais preocupa são os nichos de ultradireita, autoritários e extremados, do qual Bolsonaro é expressão. Foram eles que apoiaram o presidente na sua longa “travessia do deserto”. Nos difíceis anos em que rastejava no baixo clero do Congresso, eles o embalaram. Quando era condenado, o absolviam. Quando desprezado, o adulavam. Quando ridicularizado e escrachado, o incensavam e o consideravam um “mito”. Agora, estes nichos querem governar e não se conformam em não ocupar o centro do palco. Acusam, ressentidos, outras alas do governo de aderentes de última hora, surfistas oportunistas de uma onda que não era – e não é – deles. Nos vapores quentes em que vivem, não percebem que sem estas alas – empresários, pastores, economistas, juristas e militares – Bolsonaro não existiria. Sem elas, não conseguiria governar.

Nestes nichos a reflexão ponderada e equilibrada não viceja, afinal, são de extrema direita. Almejam nacos importantes do poder e para isso já traçaram uma estratégia – promover e provocar conflitos, que sejam os mais severos e perigosos – porque só neste caldo grosso podem prosperar.

É assim que se torna compreensível a inaceitável política de desmoralização e destruição da universidade e do ensino públicos. Abraham Weintraud não se preparou e não tem nenhuma qualificação acadêmica a administrativa para exercer a chefia de tão importante ministério. Mas isto é o que menos importa para ele e seus adeptos. Sua função é a do provocador, ânimo exaltado, devotado a suscitar a cólera.

Entretanto, acesa a fogueira, o imponderável aconteceu: amplas camadas da população se articularam e foram às ruas em passeatas corajosas, maciças, bem-humoradas e determinadas. Mas a luta apenas começou. Os desafios pela frente não são pequenos. Requerem serenidade e firmeza. Como as passeatas evidenciaram, não será mais possível contar com o apoio do Estado nem com líderes carismáticos. As gentes dependerão apenas de si mesmas. Com sua vontade, consciência e auto-organização, antídotos maiores – e melhores – à sanha destrutiva dos militantes da provocação e do caos.

Daniel Aarão Reis

Professor de História Contemporânea da UFF

Email: daniel.aaraoreis@gmail.com

Leave a Reply