Ainda sobre as razões que estão na base dos focos de tensão entre a China e os Estados Unidos – “O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China”, por Martin Wolf

Tensão Import Export

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

________________________________

Acabámos de editar uma pequena série de textos sob o tema Sobre as razões que estão na base dos focos de tensão entre a China e os Estados Unidos. Em sequência publicámos dois textos de Michael Pettis – “Porque é que a dívida dos Estados Unidos vai continuar a aumentar” e “Os Estados Unidos devem ter um excedente comercial?” – nos quais este especialista em macroeconomia analisa aprofundadamente o problema do desequilíbrio comercial dos EUA, e vem colocar o problema em termos muito, ou mesmo radicalmente diferentes daqueles que nos são apresentados pelos economistas do mainstream e pelos meios de comunicação dominantes.

Pensamos que todos aqueles que percorrem o caminho estabelecido pela Viagem dos Argonautas terão ficado esclarecidos sobre as razões que estão na base dos focos de tensão entre a China e os Estados Unidos. Porém, haverá alguns, não muitos creio, que terão ficado com dúvidas ou permanecido mesmo renitentes em aceitar os múltiplos argumentos que foram levantados. Mas a realidade é teimosa e força sempre em abrir o caminho da realidade para quem ainda tenha dúvidas, para quem ainda não viu esse caminho.

Neste sentido, publicamos dois textos diretamente ligados ao tema, um de Martin Wolf, do Financial Times, e o outro, o Livro Branco publicado pelo governo chinês, onde se traça o que têm sido estes longos meses de tensões e de negociações entre a China e os Estados Unidos, meses tanto mais difíceis quanto a politica de negociação da Administração americana parece ser : “o que o nosso poder pode impor é o que está certo”. A estes dois textos adicionamos dois outros, mas sobre Hong Kong, uma vez que esta antiga colónia inglesa acaba agora de se transformar em mais um foco de tensão entre a China e os Estados Unidos. Sobre Hong Kong, apresento-vos um texto de Ambrose Evans-Pritchard, publicado por The Telegraph, intitulado Washington pode pôr um fim ao modelo económico de Hong Kong a qualquer momento, E um segundo texto de Laurent Schiaparelli, editado por Thé D’Orient e publicado por Antipress, nº 188 de 7 de Julho de 2019, intitulado Hong Kong: uma revolução em papel… colorido!

Os leitores que ficaram esclarecidos com os textos anteriormente publicados na série Sobre as razões que estão na base dos focos de tensão entre a China e os Estados Unidos verão com estes quatro textos confirmadas as suas certezas e os segundos, os que até aqui ficaram renitentes, esperamos que venham a ver dissipadas as suas incertezas.

JM

_________________________________

 

O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China

A luta inútil de Donald Trump pela dominação está cada vez mais a ser enquadrado como um jogo de soma nula

 

Martin Wolf 2 Por Martin Wolf

The looming 100-year US-China conflict, publicado por FTimes em 4 de junho de 2019 (aqui)

Reeditado por Gonzallo Rafo (aqui)

Ainda China EUA 1 O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China 1

 

O desaparecimento da União Soviética deixou um grande vazio. A “guerra do terror” foi um substituto inadequado. Mas a China marca todas as casas. Para os EUA, pode ser o inimigo ideológico, militar e económico de que muitos precisam. Aqui está finalmente um oponente que vale a pena. Essa foi a principal conclusão que retirei das reuniões de Bilderberg deste ano. A rivalidade generalizada com a China está a tornar-se um princípio organizador das políticas económica, externa e de segurança dos EUA.

Que este seja o princípio organizador de Donald Trump é uma questão menos importante. O Presidente dos EUA tem os instintos de um nacionalista e protecionista. Outros fornecem tanto o enquadramento como os pormenores. O objetivo é o domínio dos EUA. O meio é o controle sobre a China, ou a separação da China. Quem acredita que uma ordem multilateral baseada em regras, a nossa economia globalizada, ou mesmo relações internacionais harmoniosas, são suscetíveis de sobreviver a este conflito está iludido.

O espantoso livro branco sobre o conflito comercial, publicado no domingo pela China, é uma prova disso mesmo. O facto – para mim, deprimente – é que, em muitos pontos, as posições chinesas são corretas. O foco dos EUA nos desequilíbrios bilaterais é economicamente analfabetismo puro. A opinião de que o roubo de propriedade intelectual causou enormes prejuízos aos EUA é questionável. A proposta de que a China violou grosseiramente os seus compromissos ao abrigo do seu acordo de adesão de 2001 à Organização Mundial do Comércio é extremamente exagerada.

Ainda China EUA 1 O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China 2.jpg

Acusar a China de fazer batota é hipócrita quando quase todas as medidas de política comercial tomadas pela administração Trump violam as regras da OMC, facto implicitamente reconhecido pela sua determinação em destruir o sistema de resolução de litígios. A posição negocial dos EUA em relação à China é a de que “o poder faz o correto”. Isto é particularmente verdadeiro quando se insiste que os chineses aceitam o papel dos EUA como juiz, júri e executor do acordo.

Um litígio sobre as condições de abertura do mercado ou de proteção da propriedade intelectual pode ser resolvido através de uma negociação cuidadosa. Tal solução poderia até mesmo ajudar a China, uma vez que aliviaria a mão pesada do Estado e promoveria uma reforma orientada para o mercado. Mas as questões são agora demasiado incómodas para uma tal resolução. Isso deve-se, em parte, ao amargo fracasso das negociações. Ainda mais porque o debate nos Estados Unidos se centra cada vez mais na questão de saber se a integração com a economia chinesa dirigida pelo Estado chinês é desejável. O receio em relação à Huawei centra-se na segurança nacional e na autonomia tecnológica. O comércio liberal é cada vez mais visto como “comércio com o inimigo”.

Ainda China EUA 1 O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China 3.jpg

Está a emergir um enquadramento das relações com a China como um conflito de soma zero. Comentários recentes de Kiron Skinner, diretor de planeamento de políticas do Departamento de Estado dos EUA (um cargo que já foi ocupado pelo estratega da guerra fria George Kennan) são reveladores. A rivalidade com Pequim, sugeriu ela num fórum organizado pela New America, é “uma luta com uma civilização realmente diferente e uma ideologia diferente, e os Estados Unidos nunca tiveram isso antes”. Acrescentou que esta seria “a primeira vez que teríamos uma grande potência concorrente que não é caucasiana”. A guerra com o Japão está esquecida. Mas a grande questão é o facto de ela enquadrar este conflito como uma guerra civilizacional e racial e, portanto, como um conflito insolúvel. Isto pode não ser acidental. Ela continua no seu posto.

Outros apresentam o conflito como um conflito sobre a ideologia e o poder. Aqueles que dão relevo à questão da ideologia, destacam a retórica marxista do presidente Xi Jinping e o papel reforçado do partido comunista. Aqueles que dão relevo à questão do poder destacam o crescente poder económico da China. Ambas as perspetivas sugerem um conflito perpétuo.

Ainda China EUA 1 O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China 4

 

Este é o desenvolvimento geopolítico mais importante da nossa era. Não menos importante, forçará cada vez mais todos os outros a tomar partido ou a lutar arduamente pela neutralidade. Mas não é apenas importante. É perigoso. Arrisca-se a transformar uma relação gerível, embora controversa, num conflito abrangente, sem qualquer razão válida.

A ideologia da China não é uma ameaça à democracia liberal como a da União Soviética. Os demagogos de direita são muito mais perigosos. É quase certo que um esforço para travar a ascensão económica e tecnológica da China fracassará. Pior ainda, fomentará uma hostilidade profunda no povo chinês. A longo prazo, as exigências de um povo cada vez mais próspero e instruído no que respeita ao controlo das suas vidas poderão ainda vir a ganhar. Mas isso é muito menos provável se a ascensão natural da China for ameaçada. Além disso, a ascensão da China não é uma causa importante de mal-estar ocidental. Isso reflete muito mais a indiferença e a incompetência das elites a Ocidente. O que é visto como roubo de propriedade intelectual reflete, em grande parte, a inevitável tentativa de uma economia em ascensão de dominar as tecnologias da atualidade. Acima de tudo, uma tentativa de preservar a dominação de 4% da humanidade sobre o resto é ilegítima.

Ainda China EUA 1 O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China 5

 

Isto não significa, certamente, aceitar tudo o que a China faz ou diz. Pelo contrário, a melhor maneira de o Ocidente lidar com a China é insistir nos valores respeitadores da liberdade, da democracia, do multilateralismo baseado em regras e da cooperação global. No passado, estas ideias fizeram com que muitos em todo o mundo apoiassem os EUA. Ainda hoje cativam muitos chineses. É perfeitamente possível defender estas ideias, insistir muito mais fortemente nelas, ao mesmo tempo que se coopera com uma China em ascensão onde isso é essencial, como na proteção do ambiente natural, do comércio e da paz.

Ainda China EUA 1 O iminente conflito de 100 anos entre os EUA e a China 6

 

Uma mistura de concorrência e cooperação é o caminho certo a seguir. Uma tal abordagem na gestão da ascensão da China deve incluir uma cooperação estreita com os aliados que partilham das mesmas ideias e um tratamento respeitoso da China. A tragédia do que está a acontecer agora é que a administração está simultaneamente a lançar um conflito entre as duas potências, atacando os seus aliados e destruindo as instituições da ordem liderada pelos EUA no pós-guerra. O ataque de hoje à China é a guerra errada, travada da forma errada, no terreno errado. Infelizmente, é aqui que estamos agora.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: