Filme de terror: Poderá o maior banco credor alemão sobreviver sozinho? Por The Economist

Espuma dos dias_sobreviver

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

logo - the economist em 22 de junho de 2019 (ver aqui)

Republicado por Gonzallo Rafo (ver aqui)

 

36 Poderá o maior banco credor alemão sobreviver 1.jpg

 

Muito dependerá do sucesso do plano de reestruturação do Deutsche Bank

No início deste mês, após o colapso das negociações de fusão com o Commerzbank em abril, o preço das ações do Deutsche Bank atingiu o ponto mais baixo da sua história de 149 anos. A Fitch, uma agência de notação de crédito, reduziu a classificação do banco para dois pontos acima do lixo. Em maio, Christian Sewing, o seu chefe executivo, prometeu “cortes duros” no setor de investimentos do banco em dificuldades, com planos para serem apresentados ao mesmo tempo dos resultados semestrais em 24 de julho. Mas, a 16 de junho, uma fuga no Financial Times revelou os contornos.

Os cortes (que o Deutsche não confirmou) vão muito além do seu setor de banco de investimento. Os seus negócios de negociação de taxas e ações fora da Europa serão reduzidos e será criado um “mau banco” para deter ativos não essenciais que geram poucas ou nenhumas receitas. Até 50 mil milhões de euros (56 mil milhões de dólares), ou seja, uma parte considerável dos ativos ponderados pelo risco do Deutsche. Cortes nas operações de negociação de baixos resultados eram esperados, mas a ideia de uma unidade bancária secundária é nova. Tal como vários outros grandes bancos, o Deutsche empurrou 128 mil milhões de euros de dívidas para o mau banco, na sequência da crise financeira.

Depois de anos de reestruturação, é difícil ver como é que ainda tem ativos duvidosos nos seus livros. Mas parece que sim.

Será que o gigante teutónico moribundo pode ser reanimado? Depois da fuga de informação, o preço das suas ações subiu 2%, mas rapidamente veio novamente a cair. Os investidores temem que as mudanças representam muito pouco e muito tarde. Os maiores problemas do Deutsche são a falência de um setor banco de investimento, os elevados custos de financiamento e a falta de um gerador de lucros fiável, como as unidades de gestão do património privado que permitiu aos bancos suíços poderem passar por estes anos de vacas magras. O plano de reestruturação de Sewing pouco faz para resolver qualquer destes problemas, exceto o primeiro.

Além disso, estes problemas são mais difíceis sem lucros. A firma não pode suportar grandes prejuízos à cabeça. “O Deutsche Bank não pode permitir-se uma mudança radical”, diz Daniele Brupbacher do UBS, um banco suíço (e rival do Deutsche). De acordo com as fortes leis laborais alemãs, reduzir o número de empregados significaria pagamentos rígidos ao seguro social. Descarregar os seus ativos de má qualidade também é caro. O mau banco do Deutsche após a crise registou perdas de 14 mil milhões de euros.

36 Poderá o maior banco credor alemão sobreviver 2

A redução marca o fim definitivo das aspirações do Deutsche de se tornar o Goldman Sachs da Europa. Agora contentar-se-ia em ser uma versão alemã do BNP Paribas, um banco universal francês com a maior parte das suas atividades na Europa. Para além de um banco de empresas e de investimento simplificado, o Deutsche continuará a ter o maior banco de retalho da Alemanha (mais operações de retalho em Itália e Espanha) e a DWS, um gestor de ativos com um desempenho sólido. Mas é absolutamente um revés desde a década de 1990, quando ganhou Wall Street e, por um curto período de tempo, tornou-se um grande player na banca de investimento global.

Muito dependerá da rapidez com que o senhor Sr. Sewing conseguir pôr em prática as suas propostas. É provável que a fuga de informação o obrigue a revelar os pormenores mais cedo do que tinha planeado. Provavelmente, incluirão mais despedimentos de pessoal, pelo menos ao nível dos gestores de topo. Segundo o Frankfurter Allgemeine Zeitung, um jornal diário, poderá começar por despedir Garth Ritchie, o chefe da unidade de banca de investimento do Deutsche. Na nova era da consciência dos custos, Sewing poderia assumir e gerir a divisão mais doente de um banco em dificuldades. Essa pode ser uma tarefa ainda mais difícil do que parece.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: