Depois de 250 anos: por que ainda achamos Beethoven tão irresistível? Por Ivan Hewett

Espuma dos dias Equilibrio mutuo Beethoven 2

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

Depois de 250 anos: por que ainda achamos Beethoven tão irresistível?

Ivan Hewett Por Ivan Hewett

Editado por telegraph_OUTLINE-small, em 18 Setembro de  2019 (aqui)

 

46 Depois de 250 anos por que ainda achamos Beethoven tão irresistível 1

A música do compositor e a sua fé na humanidade ainda nos inspiram 250 anos depois do seu nascimento, diz Ivan Hewett.

“Roll over, Beethoven”, cantou Chuck Berry, numa daquelas periódicas rebeliões contra o culto de Beethoven, que às vezes varre a cultura. Bem, Beethoven recusou-se a rolar. A sua posição no topo das fileiras dos génios imortais está mais segura do que nunca.

No próximo ano é o 250º aniversário de seu nascimento e já a indústria da música se está a preparar para comemorar. A firma Barbican é a primeira a aparecer, com a sua temporada de Beethoven 250 a começar no domingo. Em diversos locais por todo o país, há planos para apresentar todas as sinfonias, quartetos e sonatas, bem como para descobrir os cantos menos conhecidos. As principais firmas discográficas estão a planear lançamentos de sucesso de todas as obras, e a BBC Radio 3 tem uma série de um ano intitulada Beethoven Liberto.

O que há sobre Beethoven que tem tanta influência sobre nós? Em primeiro lugar e acima de tudo, é a música, é claro. Ele aventura-se a extremos de uma forma revolucionária que os seus contemporâneos acharam chocante e que ainda hoje nos pode atordoar pela sua própria força. O apelo dissonante de trombeta que rasga o último movimento da Nona Sinfonia (Wagner chamou-lhe uma schrekensfanfare, uma “fanfarra gritante”) é um exemplo. O início percussivo da sonata de piano de Waldstein é outro.

No entanto, a sua música também brilha com uma humanidade radiante. Beethoven escreveu algumas das músicas mais sublimes e calmas já compostas, na Sinfonia Pastoral, e algumas das mais impiedosamente concentradas e ferozes, no seu chamado Quarteto Serioso. Podia ser ternamente lírico, como na Sonata da Primavera, e tinha um modo de suavidade e elegância aristocráticas que podia superar até Mozart, como no Andante con Moto. Ele poderia ser muito bem-humorado de um modo que ainda hoje surpreende, como no final da Oitava Sinfonia. Ele poderia tocar uma nota antiga de solenidade, como na Missa Solemnis, e ainda assim muitas vezes parece antecipar o futuro, como no surpreendente Grosse Fuge, que, como Stravinsky muito bem disse, sempre soará como música contemporânea.

46 Depois de 250 anos por que ainda achamos Beethoven tão irresistível 2

Génio: o próximo ano marca 250 anos desde o nascimento de Beethoven com eventos especiais a partir de pessoas como Sir Simon Rattle. Crédito: PA

 

Se a música é importante, então nela também está o homem, Beethoven. Há algo incrivelmente comovente na história de uma pessoa tragicamente atingida pela surdez e que deixa uma mensagem triste à posteridade, onde confessa pensamentos suicidas, mas acrescenta em forma de desafio: “Eu agarrarei o destino pelo pescoço”. O génio Beethoven era o suporte sobre a qual o falível, excêntrico e difícil ser humano Beethoven se estendia.

Beethoven desistiu de tudo para seguir o seu apelo interior; fama, felicidade em casa e amor, tudo tinha de ser deixado para trás nos seus esforços para elevar a sua música a alturas cada vez maiores. E, no entanto, o fracasso na vida foi recompensado com sucesso total na arte. Beethoven tornou-se o modelo para todos os génios que surgiram depois; como disse Roland Barthes, “Beethoven ganhou para os artistas o direito de se reinventarem”. Assim, parte do seu apelo é que a sua vida nos conforta com o pensamento de que há justiça no universo. Ele sofreu, mas no final triunfou, e ainda está a triunfar.

Central para o significado de Beethoven é a forma como ele representa a ideia do herói. Ele desprezou as convenções sociais, mostrou pouco respeito pelos seus patronos aristocratas e levantou-se triunfante sobre todos os obstáculos de saúde, pobreza ou surdez. E as composições de Beethoven incorporam a sua vontade imparável. Esse foi um fenómeno nunca antes encontrado na música, mas na verdade apenas uma pequena fração da produção de Beethoven exemplifica esse aspeto do compositor. São as obras de sangue e compreensão como a Terceira e Quinta Sinfonias, o Concerto para Piano Imperador, as aberturas heroicas como Egmont, e talvez algumas das suas sonatas para piano como a Appassionata – e, claro, a sua grande ópera Fidelio, que é sobre o auto-sacrifício heróico a triunfar sobre a opressão política.

Inseparável da indomável força de vontade está uma enorme força ética, que nunca antes tinha sido ouvida na música, e desde então quase nunca mais foi ouvida. Ouvir uma peça como o primeiro movimento da sinfonia de Eroica é como testemunhar a ardente autoformação de uma personalidade humana, lançando fora a sombra e a dúvida, puxando elementos díspares para um todo por pura força de vontade. Tem um poder irresistível porque internalizamos a própria luta da música e a fazemos nossa. Como disse Victor Hugo, na música de Beethoven “o sonhador reconhecerá os seus sonhos, o marinheiro as suas tempestades e o lobo as suas florestas”. A esta sensação de liberdade ideal junta-se o facto de Beethoven parecer estar fora das categorias musicais do seu tempo, não sendo nem totalmente clássico nem totalmente romântico, mas transcendendo de alguma forma ambos os estilos.

Tudo isso significa que Beethoven forneceu um símbolo ideal para todos aqueles pensadores e agitadores de uma idade posterior que eram impacientes com a realidade bruta e queriam transcendê-la. E porque ele se expressava em notas em vez de palavras, ele poderia ser uma inspiração para ideólogos de todas as faixas. O anarquista Bakunin declarou que ele atiraria alegremente toda a cultura burguesa no fogo, exceto o Hino à Alegria da Nona Sinfonia de Beethoven. Os republicanos franceses foram inspirados pelo universalismo da sua mensagem, a ideia de que (como diz a Ode à Alegria) “todos os homens serão irmãos”. Um deles realmente descreveu o Hino à Alegria como “a Marselhesa de toda a Humanidade” – mas naturalmente os nacionalistas alemães também o reivindicaram. Bismarck disse da Nona Sinfonia que “se eu ouvisse essa música muitas vezes eu tornar-me-ia muito corajoso”, e foi ele mesmo descrito pelo grande maestro Hans von Bülow como o “Beethoven da política alemã”.

Em 1927, no centenário da morte de Beethoven, tanto o Ocidente capitalista como o Oriente comunista estavam determinados a reivindicá-lo. Numa celebração do centenário em Nova Iorque, o governador do estado declarou que “Beethoven era um verdadeiro democrata cujas elevadas aspirações éticas tornam a sua mensagem vital para o nosso tempo”. Ao mesmo tempo, o comissário cultural da União Soviética, Anatoly Lunacharsky, elogiou a Nona porque a sua “visão do mundo coincide com a do proletariado”. A conjugação do esforço ético e da virtude política de Beethoven continuou até aos nossos dias. A UE adotou a melodia do Hino à Alegria como hino – mas não as palavras. O hino de Schiller à fraternidade universal foi considerado insuficientemente europeu. em termos de sentimento Nem todos acreditaram no mito de Beethoven. Alguns comunistas, incluindo os maoístas, odiavam os seus “heróis burgueses”, e Debussy lutou contra a profundidade germânica que Beethoven encarnava.

Quanto à ação de Beethoven agora, parece completamente segura e também algo incerta. A um certo nível, ele é omnipresente. Ele é o “génio” do establishment por excelência, as suas sinfonias e música de câmara são tocadas em todos os lugares, os seus maiores sucessos são constantemente reciclados na Classic FM. Mas será que realmente queremos ouvir a mensagem que está por detrás da música? O otimismo iluminista está agora seriamente fora de moda, na verdade a esperança de qualquer tipo é escassa. À nossa volta parece haver apenas crises, políticas ou ambientais, e dentro de nós parece haver uma ansiedade constante. A cada dia que passa, há mais provas de que, de alguma forma, somos “frágeis”.

Mas talvez seja precisamente por isso que precisamos de Beethoven agora. A força da sua música lembra-nos que existe uma coisa chamada esperança, e que os obstáculos, por mais imensos e esmagadores que possam parecer, podem ser superados. Longe de ser “irrelevante”, como alguns querem que acreditemos, a música de Beethoven e a sua mensagem otimista despertadora são mais inspiradoras do que nunca.

Cinco maneiras de ouvir Beethoven no seu aniversário

Concerto monstro de 1808

O famoso concerto de quatro horas em Viena, em dezembro de 1808, quando nada menos que oito obras foram executadas, está a ser recriado pela Orquestra Nacional da BBC de Gales e pela Ópera Nacional Gaulesa em Cardiff, em 19 de janeiro de 2020, e pela Orquestra Filarmónica no Royal Festival Hall, em 15 de março.

Ouça!

A Edição Completa Deutsche Grammophon, em colaboração com a Beethoven-Haus Bonn, está a lançar uma gravação completa de cada nota composta por Beethoven neste mês de novembro.

Beethoven Libertado

A Radio 3 celebra a sua vida, obra e legado em 2020 numa série de programas intitulada Beethoven Unleashed, incluindo 25 edições do Compositor da semana de Donald Macleod.

Batalha dos Beethoven

Barbican e South Bank, de Londres, estão-se a disputar em força sobre Beethoven, com celebrações ao longo do ano, ambas intituladas Beethoven 250. O South Bank terá músicos como Vladimir Jurowski, Pierre-Laurent Aimard e Marin Alsop, enquanto o Barbican oferece Sir Simon Rattle, Anne-Sophie Mutter e Matthew Herbert.

Fidelio

A poderosa ópera de Beethoven recebe duas interpretações contrastantes. A Royal Opera revela uma nova produção de Tobias Kratzer no dia 1º de março, e a interpretação de David Lang estreia no Barbican em 11 de janeiro.

_______________________________

O autor: Ivan Hewett é um jornalista musical britânico, acadêmico e apresentador de rádio e televisão. Hewett estudou música na Universidade de Oxford e composição no Royal College of Music, em Londres. Hewett apresentou o programa da BBC Radio 3 “Music Matters” por nove anos. Atualmente é crítico de música clássica no diário The Telegraph.

Hewett é autor do livro Music: healing the rift, publicado em 2003 (ed. Continuum Publishing).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: